Archive for março \28\UTC 2010

Ilha do Medo

28/03/2010

Ando em falta com o blog, sem tempo para preparar textos mais caprichados, além de, obviamente, não andar assistindo muitas coisas. Claro que minhas séries ainda são meu refúgio, por isto, a página com os episódios da temporada 2009/10 está atualizada, pelo menos, na medida que vou assistindo aos episodios. Nesta semana, devo conseguir postar mais textos de alguns filmes bacanas que consegui assistir por estes dias. Mas vamos ao filme de hoje.

Nada como um excelente diretor para entregar um bom exemplar de um gênero já tão desgastado, mesmo não sendo sua especialidade, Martin Scorsese nos entrega um suspense à moda antiga, onde sai de foco os sustos gratuitos e entra em cena uma sombria ambientação e um clima de tensão crescente.

A trama baseada no livro Paciente 67 (de Dennis Lehane, bom escritor), encontra em Scorsese um diretor que prima pelos aspectos técnicos, como som, trilha, fotografia e um rico design da produção. Além disso, o diretor encontra-se numa fase onde se dá ao luxo de trabalhar com ótimos atores (repetindo a dobradinha com Leonardo DiCaprio, apesar de achá-lo muito novo para o papel) mesmo em papéis menores, como as participações de Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley e Michelle Williams.

E, sinceramente, para mim a melhor surpresa do filme é o seu andamento dramático, Scorsese parece não se importar em nos entregar respostas óbvias  para os mistérios (não é difícil prevê-las), mas, tem o cuidado, que estas respostas sejam retratadas de maneira orgânica dentro do filmew, como podemos observar pelos diálogos e olhares ne sequência final entre DiCaprio, Ben Kingsley e Mark Ruffalo.

ILHA DO MEDO: 7,5

Diretor: Martin Scorsese

Roteiro: Laeta Kalogridis, baseado em obra de Dennis Lehane

Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Emily Mortimer, Michelle Williams, Max von Sydow, Jackie Earle Haley, Dennis Lynch. Paramount. 148 min.

Anúncios

Destaques da Semana em DVD (22 à 26/03)

25/03/2010

Sempre ao Seu Lado: muito melhor do que eu podia imaginar este filme “amor-canino”, sob a tutela de Lasse Hallstrom, com o galã, agora coadjuvante, Richard Gere e Joan Allen. Na trama, Hachiko era um cão de rua abandonado, até ser adotado por um professor universitário. Os dois criam laços tão fortes que o cachorro o acompanha ao metrô quando ele sai para trabalhar, e volta para buscá-lo na hora de seu retorno. Um dia, o professor morre, e não mais retorna. Mas Hachiko não desiste. Durante nove anos, volta diariamente à estação, na esperança que seu dono apareça. Sua lealdade e perseverança acabam comovendo a todos que por ali transitam. Baseado na história real do cão Hachiko, em cuja homenagem foi construída uma estátua de bronze na estação Shibuya em Tóquio.

Lua Nova: para desespero das pessoas comuns e alegria dos fanáticos crepusculestes, chega em dvd a adaptação do segundo livro da saga Crepúsculo. Brincadeiras à parte, claro que o hype em torno do filme é diametralmente oposto às qualidades do filme que, também, nem é tão ruim assim, somente um filme que dirigido para o público jovem, encontrou e cativou seu público em cheio, principalmente, “as” adolescentes, no entato, me assustou o romance açucarado em demasia do início do filme, muito exagerado, após, isto o filme investe na expansão da sua mitologia com a entrada dos sem-camisas, e ao final, fica o gancho para o próximo episódio. Na trama, se você não andou pelo planeta Terra nos últimos dois anos, depois de recuperar-se do ataque de vampiros que quase a matou, Bella decide celebrar seu aniversário com a família Cullen. Entretanto, um pequeno acidente durante as festividades faz com que ela sangre, fato que se prova intenso demais para os vampiros, que decidem deixar a cidade para o bem dela. Inicialmente de coração partido, Bella encontra conforto em uma vida despreocupada, mas perigos dos mais variados a aguardam.

Apenas o Fim: filme nacional que ganhou muita repercussão pela temática jovem e lembrando filmes como Antes do Pôr-do-Sol/Antes do Amanhecer, pra quem não lembra é o melhor filme flerte da história do cinema, com o casal Ehtan Hawke e a francesinha Julie Delpy. Aqui, a garota decide abandonar o namorado e fugir para um lugar desconhecido. Antes de partir, porém, ela resolve encontrá-lo, mas eles têm apenas uma hora para fazer um balanço bem-humorado de suas vidas.

Os Fantasmas de Scrooge: o diretor Robert Zemeckis volta a investir na animações de captura de movimento, como em O Expresso Polar e A Lenda de Beowulf, aqui recontando a trama de Charles Dinckens com as “expressões” de Jim Carrey, Colin Firth, Gary Oldman entre outros. Na trama, Ebenezer Scrooge começa as férias de Natal com o habitual desdém e mesquinhez, berrando com seu fiel assistente e com seu alegre sobrinho. Mas quando os fantasmas dos Natais do Passado, Presente e Futuro o levam em uma surpreendente jornada que revela as verdades que o velho Scrooge reluta em enfrentar; ele precisa abrir seu coração para desfazer anos de maldades antes que seja tarde demais.

Redes de Crime: policial americano que chega inédito às locadoras, estranho por contar com um elenco conhecido com nomes como Ethan Hawke, Amanda Peet e Mark Ruffalo, a direção é do estreante Brian Goodman. Na trama, Brian tem uma bela esposa e dois filhos, mas o seu vício em drogas e álcool deixam ele longe de ser um bom pai. Paulie está determinado a fazer um grande roubo, para de uma vez por todas se “aposentar” e abandonar de uma vez por todas a vida do crime. Mas, seus planos vão por agua abaixo quando um policial finalmente os pega em flagrante e os manda para a cadeia. Anos mais trade ao retornar para casa, Brian terá que enfrentar a terrível verdade de que o crime faz parte da sua vida e, por mais difícil do que pareça, tentará mudar sua postura para nunca mais ter que abandonar sua família novamente.



Destaques da Semana em DVD (15 à 19/03)

17/03/2010

Julie & Julia: filme que conseguiu fazer Meryl Streep ser novamente indicada ao Oscar e, não ganhar. Não acho que sua presença seja uma grande interpretação porém, é inegável que a composição de Streep é um show à parte nesta comédia culinária. O maior mérito do filme é não se perder frente as duas narrativas que andam em paralelo na história e contar com duas atrizes carismáticas nos papéis principais (não esquecendo que o filme tem a grancinha Amy Adams, de Encantada e Dúvida). Na trama, em 1948, Julia Child mudou-se para Paris na companhia do marido, nomeado adido cultural dos EUA. Apaixonada pela cultura francesa, ingressou em uma famosa escola de gastronomia e lançou o livro Mastering the Art of French Cooking, tornando-se extremamente popular nos EUA. Décadas mais tarde, em Nova York, Julie Powell acaba de fazer 30 anos e vive frustrada com sua vida de funcionária pública. Com o apoio do marido, resolve que testará todas as receitas do livro de Child por um ano e publicará os resultados em um blogue.

2012: Roland Emmerich continua sua odisseia em destruir o planeta Terra de tudo quando for jeito, aqui o ponto de partida é uma mítica lenda maia de que a Terra terminará em 2012, quando chega à época todos os eventos climáticos e geográficos ocorrem ao mesmo tempo, em todo mundo, e a câmera de Emmerich acompanha um pai que busca proteger sua família e chegar num dito lugar que pode ser a salvação de toda Humanida. No elenco, para variar, alguns bons atores como John Cusack, Amanda Peet, Danny Glover, Thandie Newton eo doidão Woody Harrelson. Obviamente, indicado para fãs de “disaster movie”, as cenas são de tirar o fôlego, mas o filme como um todo fica devendo. Na trama, séculos atrás, os maias nos deixaram o seu calendário, com uma data final em um dia determinado e tudo o que isso sugere. Desde então, astrólogos o discutem, numerólogos encontraram padrões que o preveem, geólogos dizem que Terra se encaminha para isso e nem os cientistas do governo podem negar que um cataclismo planetário de proporções épicas se anuncia para 2012. A profecia que surgiu a partir dos maias já se encontra hoje bem documentada, debatida, destrinchada e analisada. E em 2012, nós saberemos – nós fomos alertados.

Santos Justiceiros II – O Retorno: chega inédito em dvd esta continuação de um filme policial de 99 que, sinceramente, não recordo de ter assistido, aqui, além do diretor retornar, retomam seus papéis Norman Reedus e Sean Patrick Flannery, completando o bom elenco, Billy Connolly, Clifton Collins Jr., Willem Dafoe, Peter Fonda e Julie Benz. A trama continua a acompanhar a saga dos irmãos MacManus. Os dois estiveram escondidos com o pai, Il Duce, nos tranquilos vales da Irlanda, longe das suas vidas anteriores de vigilantes. Quando um amado padre é morto no submundo do crime organizado, os irmãos retornam a Boston para montar uma sangrenta e violenta cruzada em busca de justiça. Com um novo parceiro e uma sexy técnica do FBI em seu encalço… os Saints estão de volta!

Destaques da Semana em DVD (08 à 12/03)

13/03/2010

A Princesa e o Sapo: A Disney retoma a produção de desenhos tradicionais cheios de músicas, agora sob a batuta de John Lasseter, chefão da Pixar, e posso dizer que consegue novamente produzir uma animação legal e divertida. Contando com uma temática simples, novamente utilizando personagens que se transformam em animais (na caso, sapo), a trama apresenta aspectos diferentes das demais animações por se passar no sul dos Eua, mais especificamente, em New Orleans, e com isto os roteristas aproveitaram para ilustrar as tradiçoes da região ao som de muito jazz. Um bom retorno, nada muito genial, mas ok, além de apresentar como protagonista uma personagem negra. Na trama, Tiana é uma jovem afro-americana que vive em um encantador bairro francês na lendária cidade de Nova Orleans, berço do jazz. Do coração dos místicos pântanos da Louisiana e às margens do poderoso rio Mississippi chega uma história de amor inesquecível, com a participação de um crocrodilo músico, com toques de vudu e os encantos da cultura Cajun.

Atividade Paranormal: fenômeno da temporada, filme que busca o público dos realitys ou falsos documentários para criar suspense e horror, assim como fizeram Bruxa de Blair, Cloverfield e Rec. Filmes “baratos” que se conseguem uma boa distribuição e um boca-a-boca forte se transformam numa “mina de ouro” para os produtores, uma pena que já falam numa continuação para o filme, parece que não tem como um filme de sucesso fugir da “ganância” dos estúdios/produtores americanos. Na trama, um jovem casal se muda para uma casa onde fenômenos inexplicáveis começam a acontecer, eles resolvem filmar tudo a noite, em quanto tentam dormir, pois é o horário em que as Atividades Paranormais normalmente acontecem com maior freqüência.

Coco Antes de Chanel: filme que serve de instrumento para o talento e carisma da francesinha Audrey Tautou, a eterna Amelie Poulain, no entanto, ganhou pouca repercussão fora da Europa, aqui no Brasil passou rapidamente pelos cinemas. Na trama, após a morte da mãe, Gabrielle “Coco” Chanel é deixada pelo pai num orfanato, junto com a irmã. Na juventude, trabalha numa alfaiataria durante o dia e canta à noite num cabaré. Lá conhece o milionário Étienne Balsan, que a leva para viver com ele. É fazendo roupas para o amante que Chanel desenvolve o talento de estilista. Sem colocar limites entre a vida, o amor e o trabalho, passa a usá-las também. Mesmo vivendo apaixonadamente, sabia no entanto que nunca se casaria. Nem com o homem de sua vida, Boy Capel. Afrontando as convenções do seu tempo, Chanel inventa a mulher moderna.

Goodbye Solo: filme lançado no ano passado aqui em nossos cinemas que conquistou bastante elogios da crítica especializada, inlcusive, sendo citado em diversas listas de melhores do ano. Claro, que é um filme para o publico dos “alternativos”, mas sempre vale a pena dar uma olhada em filmografias diferentes, mesmo sendo americano. Na trama, Carolina do Norte, dois homens iniciam uma improvável amizade que irá transformar suas vidas para sempre. Solo é um taxista senegalês em busca de uma vida melhor para sua jovem família. William, seu passageiro, é um típico homem do sul, já idoso, que carrega alguns arrependimentos. Durante duas semanas, numa viagem de táxi pelo interior, os dois homens percebem que, apesar de suas diferenças, precisam um do outro mais do que conseguem admitir.

Maluca Paixão: quem quiser aceitar a desafio de Sandra Bullock na entrega dos prêmios Franboesa já tem meios para isto, a simpática atriz, desafiou os votantes de verem o filme mesmo para realmente elegerem ela como pior atriz do ano, claro que sabemos que o Franboesa exagera na dose dos piores, pega mais no pé de grandes atores que fazem filmes medíocres ou ridículos, no entanto não deixa de ser engraçado ver a atriz “premiada” no Franboesa e no Oscar! Na trama, Mary Horowitz é uma mulher excêntrica que trabalha criando palavras cruzadas. Ela está convencida que Steve, um cinegrafista da CCN, é o grande amor de sua vida. Para tanto passa a persegui-lo ao redor do país, na esperança de convencê-lo de que foram feitos um para o outro.

O Grande Desafio: nossa nem lembrava que a Europa Filmes ainda estava segurando este filme em seu acervo há mais de dois anos, um absurdo (bom pensando bem, cadê À Prova de Morte?). Aqui temos o sempre eficiente Denzel Washington atrás das câmeras, depois da estréia de Voltando a Viver, novamente dirigindo um filme simples e retratando situações que importam ao diretor. Inspirado em uma história real, o filme conta a jornada do brilhante, mas volátil, professor Melvin Tolson (Denzel Washington) que, usando de seus métodos pouco convencionais, sua visão política e o poder das suas palavras para motivar um grupo de alunos do Wiley College, do Texas, a participar de um campeonato de debates na Universidade de Harvard.

O Grito 3: Não você não leu errado, estão lançando um terceiro capítulo da obra chinesa, estes americanos não tem noção alguma! Pior é imaginar que os filme anteriores nem fizeram tanto sucesso assim para render estas continuações, vai saber… Na trama, Jake, o único sobrevivente do massacre de O Grito 2, é perturbado por visões dos espíritos de Kayako e Toshio. Hospitalizado, sua médica, Dra. Sullivan, está determinada a investigar os acontecimentos e salvá-lo. Buscando provas dos tormentos de Jake a Dra. Sullivan desconfia de que a familia que esta morando na casa de Jake pode estar sendo amaldiçoada. Fica claro, então, que as histórias de Jake são verdadeiras. A única esperança para acabar com a maldição é uma misteriosa mulher japonesa que possui planos para destruir os espíritos.

Recém-Formada: comédia inédita nos cinemas que serve de holofote para a gracinha Alexis Bledel, mais conhecida Rory Gilmore da série Gilmore Girls, aqui ela está  muito bem amaparada pelo elenco coadjuvante, temos Micheal Keaton, Jane Lynch, J.K. Simmons e o nosso “astro” internacional Rodrigo Santoro. Na trama, Ryden Malby tem um plano perfeito: formar-se na faculdade, arrumar um ótimo emprego, passear com seu melhor amigo e encontrar o cara perfeito. Mas seu plano fica hilário e completamente fora de controle quando ela é forçada a voltar a morar na casa de sua excêntrica família. Quando ela finalmente consegue o emprego dos seus sonhos, Ryden percebe que isso nada significa sem o homem dos seus sonhos… e sem as pessoas que ela ama.

Um Olhar do Paraíso

01/03/2010

Ficou muito difícil não encontrar razão nas críticas que havia lido anteriormente sobre o novo filme de Peter Jackson, Um Olhar do Paraíso, achava que de repente o filme era muito lírico e fantasioso ou muito melodramático, características nem sempre positivas para os críticos em geral, ou simplesmente, poderiam estar exagerando. No entanto, dou o braço a torcer, o filme é uma das coisas mais constrangedoras que pude assistir nos últimos meses, não é um filme simplesmente ruim, ele é mal formulado, pelo menos, no que se refere à direção e, principalmente, ao roteiro.

O filme começa bem até a morte da menina Susie, a partir daí o filme se divide em duas narrativas irregulares e descompatíveis. A menina Susie (Saoirse Ronan, uma das poucas que se salvam) vai para um tipo de limbo percorrer sua “evolução” como espírito enquanto observa sua família deteriorar em função do caso policial que se instala com o sumiço de seu corpo (sendo esta a segunda narrativa do filme, a narrativa “terrena”).

A minha admiração por Peter Jackson não dimimuiu, no entanto, ver sequências de Ghost, um filme de 20 anos atrás, serem utilizadas quase de maneira idêntica aqui, não valoriza muito o trabalho do diretor, que parece ter perdido sua sensibilidade vista no ótimo Almas Gêmeas e, hoje, demonstra ser um mestre em trabalhar com as tecnologias modernas que criam cenários, personagens e mundo completamente novos.

Belas imagens e o uso de cores são belissímos no limbo da personagem, no entanto, não encontram ressônancia dentro da trama como um todo, quase nada funciona nas passagens terrenas, os drama familiares mal trabalhados, com subtramas ridículas, como o sumiço da personagem de Rachel Weisz. Assim, a beleza do limbo se perde na mediocridade dos diálogos e no filme em geral, uma pena!

UM OLHAR DO PARAÍSO: 3,0

(The Lovely Bones, 2009)

Diretor: Peter Jackson
Roteiro: Fran Walsh, Philippa Boyens, Peter Jackson, baseado em livro de Alice Sebold
Elenco: Saoirse Ronan, Mark Wahlberg, Rachel Weisz, Susan Sarandon, Stanley Tucci. 139 min. Paramount