Archive for março \23\UTC 2011

Destaques da Semana em DVD (21 à 25/03)

23/03/2011

72 Horas: a coisa não anda muito boa para o ator Russell Crowe, além da má fama pessoal, seus último filmes têm passado em branco nas bilheterias americanas e quase não conseguindo repercussão, este aqui é uma refilmagem de um recente thriller francês Pour Elle, lançado em dvd por aqui mas do qual não lembro o título neste momento, no elenco francês tinhamos a bela Diane Kruger como co-protagonista. Aqui ela é substituída por Elisabeth Banks, a direção e o roteiro são de Paul Haggis (também não passando por um bom momento!). Na trama, John Brennan (Russell Crowe), professor universitário, levava uma vida perfeita até sua esposa, Lara (Elizabeth Banks), ser presa acusada de um crime brutal, que ela alega não ter cometido. Após três anos de vários recursos negados pela justiça, John percebe que só há uma saída: elaborar um plano de fuga preciso para tirá-la da prisão. Agora, ele e Lara terão apenas 72 horas para fugir. Em uma corrida contra o tempo, John irá provar que não há nada mais perigoso do que um homem com tudo a perder.

Um Homem Misterioso: invejo o atual status de George Clooney dentro da indúsrtia hollywoodiana, o caro faz o filme que lhe der na telha, vez por outra se rende a um filme da Indústria e ainda se permite brincar na direção e produção de diversos longas, privilegiando o cinema adulto, raro atualmente em Hollywood. Aqui ele faz um filme pequeno com o direto Anton Corbijn, catapultado pelo sucesso de Control, em paisagens italianas. Na trama, Jack (George Clooney) é um matador impecável, porém um de seus trabalhos dá errado e ele decide se aposentar. Mas antes de mudar de vida ele tem de realizar o último trabalho em uma pequena cidade da Itália, onde Jack encontra uma nova paixão e uma razão para viver.

Abutres: o cinema argentino continua nos chegando com temas provocativos e reflexivos, claro que vez por outra tenho impressão de que somente Ricardo Darin atua naquele país, no entanto, ao ver suas composições (comparem este filme com O Segredo dos Seus Olhos), logo esqueço pois Darin  está virando um selo de qualidade, os projetos nos quais o ator se envolve, até aqui, sempre tem me agradado. Aqui, ele trabalho com o diretor, já conhecido nosso, Pablo Trapero, e atua ao lado da mulher deste, Martina Gusman. Na trama, na Argentina, mais de 8.000 pessoas morrem em acidentes de trânsito a cada ano. Atrás de cada uma dessas tragédias existe uma máfia por prêmios de seguros e suas brechas legais. Sosa (Ricardo Darín) é um advogado que vive em hospitais públicos e delegacias em busca de potenciais clientes. Luján (Martina Gusman) é uma jovem médica recém chegada do interior. Uma história de amor começa quando Luján está tentando salvar a vida de um homem que Sosa considera ser um cliente em potencial.

London River – Destinos Cruzados: filme que passou rapidamente pelos nossos cinemas, claro, no circuito alternativo, dirigido Rachid Bouchareb e tendo como uma das protagonistas a talentosa inglesa Brenda Blethyn. Essa é a história de Ousmane e da Sra. Sommers. Ambos são pessoas simples e vivem suas vidas comuns, ele na França, ela em Channel Islands, no Canal da Mancha. Ele tem um filho e ela uma filha que são estudantes em Londres. Em 7 de julho de 2005, sem notícias dos filhos, eles resolvem começar, juntos, uma busca pelos dois adolescentes. E embora eles tenham sido criados em meio a duas religiões diferentes – Ousmane é muçulmano e a Sra. Sommers cristã – eles vão compartilhar da mesma esperança de encontrar os filhos com vida. Eles colocam as diferenças culturais de lado e apóiam-se para continuar a busca e manter a fé.

Anúncios

Inverno da Alma

21/03/2011

O que mais gosto da nova política da Academia ao indicar dez filmes para a categoria de Melhor Filme é a vitrine possibilitada aos pequenos filmes, ou com menos “cara de Oscar”, como ocorreu este ano com Inverno da Alma. Assim um filme menor chega ao conhecimento de um grande público, mesmo não sendo a intenção do filme em atingir uma grande massa, além disso, a possibilidade do mercado fora dos Eua que o título alcança é imensurável, ou alguém acredita que o filme estrearia nos cinemas daqui se não fossem as premiações e indicações do final do ano passado (chegando ao ápice da exposição com as indicações ao Oscar)? A título de comparação, outro filme bastante lembrado nas premiações, porém sem tanta força, o drama Reino Animal (indicado por atriz coadjuvante) chega já em dvd, permanecendo inédito nos cinemas!

Como vocês sabem, sendo eu um série maníaco, ao assistir Inverno da Alma, na hora, me lembrei de uma série muito boa do canal a cabo FX que apresenta uma retrato social e econômico bastante semelhante com o filme, Justified, com o eterno coadjuvante Timothy Olyphant como um US Marshall que retorna para sua terra natal, Kentucky, após algumas complicações com sua maneira de perseguir criminosos em Miami, logo, descobrimos que Kentucky é um reduto de gente grossa, rude e normalmente, pelo menos a série brinca com este estereótipo, famílias de criminosos envolvidos com drogas, tráfico e assaltos. As semelhanças, além do óbvio sotaque, é o comportamento das pessoas nesta sociedade interiorana, se podemos assim denominá-las, notem como parecem que possuem regras próprias, desde comportamento até punições, dá um bom estudo antropológico!

O retrato desenhado pela diretora Debra Granik, juntamente com seu roteiro, é de uma riqueza ímpar, seus personagens todos multifacetados cheios de nuances e neste meio, nossa jovem heroína precisa enfrentar com coragem e arrogância, estas pessoas brutas e cruéis, pois é somente isto que consigo achar delas, que ameaçam psicologicamente e fisicamente uma jovem garota que faz perguntas demais para salvar sua família, mas ao mesmo tempo, cuidam para não machucá-la muito?!

O ator John Hawkes conseguiu uma indicação como ator coadjuvante (merecido!), eu lembrava dele por sua pequena participação em Lost, porém queria mencionar outro trabalho coadjuvante que me encheu os olhos, Dale Dickey, que possivelmente você já viu em uma dúzia de filmes e séries, mas não liga seu nome a pessoa/personagens, aqui ela faz uma das algozes de Ree (Jennifer Lawrence, que nem vou tecer comentários pois está excelente em cena, uma luz calorosa em meio à neve do filme), Merab, ao mesmo tempo fria e cruel é aquele que irá levar Ree até o final de sua odisséia, uma interpretação irretocável!  

 INVERNO DA ALMA: 8,0

Direção: Debra Granik

Roteiro: Debra Granik, Anne Rosellini, Daniel Woodrell

Com: Jennifer Lawrence, John Hawkes, Kevin Breznahan, Dale Dickey, Garret Dillahunt, Sheryl Lee, Lauren Sweetser. 100 min. Califórnia Filmes.

Destaques da Semana em DVD (14 à 18/03)

17/03/2011

Tron: O Legado – Não sei quem foi o grande “gênio” que resolveu trazer das cinzas este clássico oitentista, mais conhecido pela abordagem futurista do que por suas qualidades cinematográficas, porém pela repercussão e bilheteria a idéia não deu muito certo, claro que lançar o filme em pleno final de ano, época mais conhecida por filmes indicáveis às premiações, deve ser levado em consideração. Além disso, o principal pelo que li em comentários sobre o filme, por melhor que sejam os efeitos sem roteiro e elenco carismático fica difícil um filme de 200 milhões pagar seus custos. Na trama, depois do desaparecimento de Kevin Flyyn (Jeff Bridges), seu filho Sam (Garret Hedlund) cresceu criado pelos avós e longe da empresa de tecnologia que havia herdado – tentando boicotá-la, liberando segredos da empresa para uso gratuito na internet. Certo dia, na sala onde Kevin costumava guardar videogames, Sam descobre uma passagem secreta que o leva ao mundo cibernético. Sam terá de travar lutas com programas de computação para garantir a própria sobrevivência e tentar encontrar seu pai.

Red – Armados e Perigosos – eu tenho um pensamento que dificilmente o cinema americano contradiz: “elenco demais, filme de menos”, é um pensamento para ilustrar que um elenco numeroso e talentoso dificilmente ganha uma produção com personagens distintos e roteiro especial. Claro, que estou exagerando em função até mesmo do plot do filme, é um filme legalzinho, bom de acompanhar em seus exageros e em sua graça de colocar ótimos atores em papéis distintos de suas carreiras, claro que estou mencionando John Malkovich e Helen Mirren, lamento por Mary-Louise Parker, que mesmo fazendo sucesso na tevê a cabo com sua série Weeds não consegue papéis de destaque nos cinemas. Na trama, Frank Moses (Bruce Willis) é um agente aposentado da CIA que leva uma vida sossegada com a família até que um grupo de assassinos tenta matá-lo. Para manter a família salvo, ele decide ressuscitar seu antigo time de campo (Morgan Freeman, John Malkovich e Helen Mirren).

Um Jantar para Idiotas – me surpreendi com a pequena repercussão do filme nos Eua (tanto que está sendo lançado diretamente em dvd por aqui); o filme até conseguiu um bilheteria ok (73 milhões), mais esperava mais desta comédia de estúdio que une um diretor do gênero, Jay Roach, e bons comediantes como Steve Carrell, Zach Galifianakis e Paul Rudd, acho que o público está cansando um pouco destas comédias de constrangimento que andam sendo lançadas por aí. Na trama, só falta uma coisa para que Tim (Paul Rudd), um executivo em ascensão, tenha sucesso na empresa. Ele precisa encontrar o convidado perfeito para levar ao jantar mensal de seu chefe, no qual é vencedor da noite aquele que levar o melhor palhaço. Por sorte, Tim conhece Barry (Steve Carell), um cara que monta famosos números musicais com ratos embalsamados. Quando a dupla aparece no jantar, a maluquice vai às alturas.

Destaques da Semana em DVD (07 à 11/03)

10/03/2011

O Solteirão: drama com grande elenco, protagonizado por Michael Douglas, passou rapidamente pelos cinemas. Na trama, Ben Kalmen (Michael Douglas) era dono de uma grande concessionária de carros, devido a sua infidelidade no casamento e a falta de discrição em diversas situações, ele é abandonado pela família e tem de começar a vida do zero. Nesse recomeço ele conhece Jordan, filha de um magnata dos automóveis, aos poucos ele se apega a ela e tem de fazer uma escolha: aproveitar esse novo relacionamento ou usá-la para voltar aos negócios.

 Amor por Contrato: comédia que chegou as cinemas na ingrata época de natal, deve ter passado em branco mas tem uma premissa bastante interessante além do bons nomes no elenco como Demi Moore e David Duchovny. O filme mostra uma família aparentemente perfeita, que se muda para um novo bairro e imediatamente passa a ser o centro das atenções, sempre pelos melhores motivos. Mas por trás desta perfeição esconde-se um segredo. A família perfeita na verdade é uma farsa, parte de uma campanha de marketing que pretende vender diversos produtos luxuosos a famílias de todo o mundo. Duchovny é o pai e Demmi Moore é a mãe que, entretanto, começa a apaixonar-se pelo marido falso.

Contos da Era Dourada: filme finlandês, lançado somente no circuito alternativo, deve ter maior chance de chegar ao público que curte uma filmografia européia fora do eixo França/Alemanha/Inglaterra. O filme foi dirigido por diversos diretores, numa coletânea de tramas. Os últimos 15 anos do regime de Ceausescu foram os piores da história da Romênia. Ainda assim, o sistema de propaganda sempre se referia ao período como “Os Anos Dourados”. Contos da Era Dourada adapta para a tela os mais populares, engraçados e bizarros mitos urbanos da época final do comunismo romeno.

Dois Irmãos: filme argentino do prestigiado diretor Daniel Burman (mesmo diretor da trilogia O Abraço Partido, As Leis de Família e Ninho Vazio). Na trama, após 60 anos vivendo embaixo das asas de sua mãe, Marcos, um educado e delicado ourives, acredita ter encontrado a liberdade com a morte dela. Agora ele tem 64 anos e vários problemas que restaram dos anos vividos. Sua irmã, dez anos mais jovem e com uma personalidade delirante, acaba se tornando a única coisa que ele pode se apegar. Os dois são sozinhos. Precisam um do outro e ao mesmo tempo se odeiam.

 

127 Horas

08/03/2011

Estou devendo inúmeros comentários sobre os últimos filmes vistos, inclusive alguns oscarizáveis, como o caso de 127 Horas, drama de superação do diretor Danny Boyle (já sinto falta de seu cinema mais radical, presente em Transpoitting, Extermínio e Sunshine). Num primeiro momento preciso deixar bem claro que o filme me incomodou um pouco ao, simplesmente, fugir do contexto que propõe ao espectador: “rapaz fica preso num cânion por mais de cinco dias tentando sobreviver às adversidades da natureza”, ponto de partida, aparentemente simples que o roteiro e a direção acabam por boicotar, como se não acreditassem na trama o suficiente.

E para piorar a situação, tivemos recentemente o lançamento de Enterrado Vivo, o que, inevitavelmente gera uma comparação, afinal esta ficção do diretor espanhol Rodrigo Cortés, nos leva a sobreviver junto ao protagonista por horas dentro de um caixão enterrado no meio do nada com coisa alguma, uma história criada que podia se dar ao luxo de criar inúmeros argumentos e subterfúgios para nos retirar deste único ambiente – o caixão -,  mas não, ficamos o tempo todo confinado junto ao protagonista sem saber de antemão o desfecho da trama. Logo, senti falta desta ansiedade  e, consequentemente, sofrimento de permanecermos junto ao nosso herói, sem intervalos e devaneios, estes “breaks” somente nos lembram como a trama terminou, afinal estamos falando de um roteiro baseado em fatos reais, e não exploram o efeito dramático da situação por completo (sem mencionar a já famosa cena de libertação do personagem nas pedras, que todo mundo já conhece e nada muito chocante).

Se por um lado o roteiro de Simon Beaufoy (parceiro de Boyle em Quem Quer Ser um Milionário) e as invencionices de Boyle (tela dividida, flashbacks, imagens de filmagens, etc) boicotam a trama, os aspectos técnicos são muito caprichados, gosto da fotografia do cânion, a trilha sonora pulsante e até mesmo do trabalho de composição de James Franco, 90% do tempo em cena sozinho, mesmo que por alguns momentos a sua personalidade pulsante pareça um pouco overacting (o que me faz questionar sua indicação ao Oscar), como nos seus devaneios e na suas apresentações em frente à câmera, quando do início da projeção logo percebemos que a energia do rapaz transborda atitude e auto-confiança, um dos seus problemas que o levaram a ficar isolado sem ninguém saber do seu paradeiro mesmo após diversos dias.

127 HORAS: 6,5

Direção: Danny Boyle

Roteiro: Simon Beaufoy e Danny Boyle

Com: James Franco, Amber Tamblyn, Kate Mara, Kate Burton, Clemence Poesy e Lizzy Caplan. 95 min.

 

Destaques da Semana em DVD (28/02 à 04/03)

02/03/2011

Por incrível que pareça as distribuidoras brasileiras se mostram inteligentes, uma detalhe não muito característico delas, nesta semana anterior ao Carnaval ao lançar inúmeros bons lançamentos para as pessoas que não curtem o feriado em sua totalidade, temos, inclusive, o meu favorito ao Oscar deste ano, talvez o grande injustiçado quando refletirmos a premiação daqui alguns anos.

A Rede Social: para quem ainda não teve oportunidade de ver, chegou a hora de conferir se A Rede Social foi mesmo o grande injustiçado da noite do Oscar 2011, fácil, fácil muito mais filme que O Discurso do Rei, principalmente, pela excelente abordagem do tema e, na verdade, de uma geração que ainda está por aí, David Fincher faz um trabalho excelente com um material que está na mídia e faz um verdadeiro estudo de personagem e época através do roteiro excepcional de Aaron Sorkin, que se mostra um excelente observador de temas sociais e políticos, como já podíamos observar na sua série The West Wing. Mesmo ficando restrito ao prêmios principais, a trilha ganhadora do Oscar é muito boa, o protagonista, Jesse Eisenberg, constrói um personagem bastante complexo, mesmo a pessoal real estando sob os holofotes atualmente. Simplesmente imperdível! Na trama, em uma noite de outono, em 2003, graduado em Harvard e gênio em programação de computadores, Mark Zuckerberg se senta em seu computador e acaloradamente começa a trabalhar em uma nova idéia. No furor dos blogs e programação, o que começa em seu quarto logo se torna uma rede social global e uma revolução na comunicação. Em apenas seis anos e 500 milhões de amigos mais tarde, Mark Zuckerberg é o mais jovem bilionário da história… Mas para este empresário, o sucesso traz complicações pessoais e legais.

Minhas Mães e Meu Pai: como já havia comentado aqui no blog, esta dramédia do circuito independente americano é muito bacana de ser assistida, tem um elenco formidável, nos deixa com um sorriso no rosto e uma saciedade de vivermos sem preconceitos na sociedade, mas o roteiro acaba por boicotar a produção ao observarmos que os conflitos pelos quais passam as personagens em nada particularizam o tipo de relacionamento que nos é apresentado, portanto, muito barulho por nada! Na trama, as lésbicas Nic (Anette Benning) e Jules (Julianne Moore) têm um casamento estável, mas a relação é virada de cabeça para baixo quando seus filhos, Joni (Mia Wasikowska) e Laser (Josh Hutcherson), resolvem trazer Paul (Mark Ruffalo), o pai, doador de esperma, de volta para suas vidas. As coisas, evidentemente, ficam cada vez mais complicada quando Jules se envolve-se com Paul.

Os Outros Caras: sei que Will Ferrell não faz nem metade do sucesso nos Eua aqui no Brasil, talvez por ser um tipo de humor que o brasileiro não identifica, no entanto, este seu novo filme com Mark Walhberg é um achado, me diverti horrores, com as referências ao gênero policial de dupla de parceiros. Já pagava somente pela participação de Samuel l. Jackson e The Rock! Os Outros Caras conta a história do Detetive Allen Gamble (Will Ferrell), um técnico forense que prefere trabalhar no escritório do que na rua e do Detetive Terry Hoitz (Mark Wahlberg), um homem durão que tem que aguentar Allen como parceiro desde que brigou com Derek Jeter. Allen e Terry têm como ídolos os melhores policiais da cidade, Danson e Highsmith (Dwayne Johnson e Samuel L. Jackson), mas, quando surge a oportunidade para os dois mostrarem o seu trabalho, nada funciona como planejado.

Um Parto de Viagem: falando em filme de dupla metida em confusões, temos esta nova comédia aproveitando o bom momento de Robert Downey Jr. e a ascensão de Zach Galifianakis, pós-Se Beber não Case. Não assisti ao filme, mas pelo que pude ler na mídia parece um filme na onda de Antes Só do que Mal Acompanhado, comédia oitentista do falecido John Candy e Steve Martin, a conferir! Na trama, Peter Highman (Robert Downey Jr.) é um ansioso pai de primeira viagem, cuja esposa está a cinco dias de dar à luz. Peter corre contra o tempo para conseguir um vôo de volta para Atlanta a tempo de chegar para o parto, mas seus planos são atrapalhados quando ele conhece o aspirante a ator Ethan Tremblay (Zach Galifianakis). Esse encontro força Peter a pegar carona com Ethan, o que se transforma em uma travessia pelo país que vai resultar na destruição de carros, amizades e da paciência de Peter.

A Sétima Alma: vendido como um roteiro original de Wes Craven, também na direção, desde o Último Pesadelo (ainda com Freddy Kruger), que, por sinal, é um filme muito bom, me assustei em como Wes perdeu a mão, menos mal que o roteiro de Pânico 4 está nas mãos de Kevin Willianson. Wes não consegue criar uma trama coesa e muito menos bons personagens para torcermos, assim que somos apresentados aos personagens, facilmente, podemos começar a apontar quem morrerá primeiro, sem ao menos lembrarmos seus nomes. Na trama, um acontecimento assombra a cidade de Riverton: na mesma noite que um estripador desapareceu e foi dado como morto, sete crianças nasceram no hospital da cidade. Dezesseis anos depois, moradores estão desaparecendo misteriosamente. Será que o psicopata sobreviveu e voltou a aterrorizar os moradores? Bug (Max Thieriot) é uma das sete crianças que nasceram na noite sangrenta, cabe a ele enfrentar o mal que não descansará enquanto não terminar o que começou no dia de seu nascimento.

Muita Calma Nessa Hora: comédia jovem do cinema nacional com roteiro de jovens comediantes como Bruno Mazzeo e mais alguns amigos, além disso, vários fazem participações, como Marcos Mion e Marcelo Adnet. O filme conseguiu ser um sucesso mediano nos cinemas, mesmo não sendo tratado como uma superprodução. Na trama três jovens amigas, Tita (Andréia Horta), Mari (Gianni Albertoni) e Aninha (Fernanda Souza), encontram-se diante de situações desafiadores . Em busca de novos caminhos, decidem passar um fim de semana na praia. Na estrada, conhecem Estrella (Debora Lamm), uma hippie, que lhes pede carona para tentar achar o pai desconhecido. As quatro garotas vivem situações hilárias, absurdas e emocionantes. Mais que mudar de ares, mudam a si mesmas.

Bellini e o Demônio: achei bem estranho o lançamento deste novo episódio envolvendo o detetive Bellini, pois lembro que em seu primeiro filme a produção conseguiu um sucesso razoável, desta vez o lançamento no circuito foi muito tímido, com certeza deve ter feito uma bilheteria bem menor, mas mesmo assim estou curioso para ver. Na trama, enquanto Bellini (Fábio Assunção) toma conta do escritório de uma amiga, o detetive é contratado por uma pessoa misteriosa que deseja que ele encontre um manuscrito perdido por Dashiell Hammett. Segundo ela, os escritos revelam uma série de crimes brutais que ocorrem ao longo dos anos. Ao mesmo tempo, a jornalista Gala (Rosanne Mulholland), que já teve um caso com Bellini, investiga a morte de uma garota brutalmente assassinada no banheiro de um colégio de classe média. Ela e Bellini acabam se reencontrando e passam a trabalhar juntos na busca do manuscrito.

Skyline – A Invasão: Hollywood é fogo, mal Distrito 9 angariou seu sucesso mundial (lembrando que era uma produção sul africana), os estúdios ja tentam refilmar a trama de alguma maneira. Vemos nitidamente, uma trama sci-fi com intenção de mimetizar os efeitos e truques de Distrito 9, no entanto, esqueceram que Distrito 9 tinha um roteiro esperto com críticas socias, aqui mal temos um elenco razoável e efeitos exagerados. Na trama, depois de uma festa de arromba, um grupo de amigos está acordado na madrugada quando percebem uma estranha luz através da janela. A fonte de luz está chamando as pessoas para fora, mas misteriosamente ela desaparece no ar. Logo eles descobrem que uma misteriosa força sobrenatural está engolindo toda a população do planeta e agora eles tem de lutar por suas vidas.