Archive for maio \30\UTC 2012

Fox Upfront 2012/13

30/05/2012

Bom o canal da “Raposa”, continua apostando forte em seus dois realitys shows musicais (American Idol e The X-Factor US), mesmo não tendo a força de antigamente (American Idol), ainda possuem audiência e share acima das séries ficcionais. As supresas ficam por conta de um novo bloco de comédia (mais um canal apostando no mais barato) às terças, se juntando à New Girl e Raising Hope, a aposta do canal numa nova série médica para o lugar de House e a season finale de Fringe (temporada com 13 episódios)!

Séries Canceladas: Alcatraz, Allen Gregory, Breaking In, The Finder, House, I Hate My Teenage Daughter, Napoleon Dynamite e Terra Nova.

Séries Renovadas: American Dad, Bob’s Burgers, Bones (mantido às segundas), The Cleveland Show, Uma Família da Pesada, Fringe, Glee (deslocado para às quintas após The X-Factor/American Idol), New Girl, Raising Hope, Os Simpsons e Touch (deslocado para às sextas -20hs.).

Novas Séries:

• The Mob Doctor: drama que surge com a responsabilidade de assumir o horário de House, vendido como uma mistura de temas caros ao universo das séries, medicina+máfia, porém, pouco me chamou a atenção e devido à forte concorrência no horário deve flopar!

Na trama: Para a maioria dos médicos, o juramento de Hipócrates é sagrado. Mas para uma médica em Chicago, que está em dívida com a máfia, salvar vidas não é a sua única preocupação. The Mob Doctor é um drama sobre uma jovem cardiologista que está dividida entre dois mundos distintos, tentando ter uma carreira promissora enquanto paga sua dívida. Dr. Grace Devlin é uma das melhores residentes do Chicago’s Roosevelt Medical Center. Inteligente e confiante, ela também é uma das melhores do país, mas sua família tem laços que a mantém presa ao passado na periferia. Para pagar a dívida de jogo de um irmão de consideração, ela faz um acordo com o diabo e aceita trabalhar na surdina para a máfia. Durante o dia, Grace precisa lidar com casos competitivos e emocionais no Roosevelt Medical, como uma criança que precisa de um transplante de coração, um idoso desesperado para doar um pulmão à esposa doente, o caos após a colisão entre dois trens. Mas fora dali, precisa remover balas de cadáveres para esconder evidências criminais, salvar um cavalo de corrida que tomou anabolizantes e ajudar um velho mafioso com sua disfunção erétil. Grace precisa esconder a vida dupla de todos: da protetora melhor amiga, a enfermeira Roberta “Ro” Angeli, do namorado Dr. Brett Robinson, do chefe de cirurgia Dr. Stafford White, da rival Dr. Olivia Watson, do irmão Nate e da mãe dramática Daniella. A única pessoa que sabe dessas atividades duplas é o homem para quem Grace deve: o charmoso e diabólico chefe da máfia de Southside, Constantine Alexander. Como se isso não fosse suficiente, o ex-namorado de Grace, Franco, está ajudando um antigo líder da máfia a recuperar o seu lugar.

No elenco: Jordana Spiro (My Boys), Floriana Lima (Glory Daze), Zach Gilford (Off the Map, Friday Night Lights), Zeliko Ivanek (The Event, Damages), Jamie Lee Kirschner (Mercy), Jesse Lee Soffer (As the World Turns), Wendy Makkena (NCIS), William Forsythe (Boardwalk Empire), James Carpinello (The Good Wife).

Concorrência: a série irá ao ar às segundas – 21hs, concorrendo com a segunda hora dos realitys Dancing winth the Stars (ABC), The Voice (NBC), 2 Broken Girls e Mike & Molly (CBS) e Gossip Girl (CW).

• Ben & Kate: sitcom dos responsáveis por New Girl, o que poderia ser um bom cartão de visitas, logo nos lembra que New Girl funciona somente somente pelo carisma dos atores e aqui, num primeiro momento, não consegui enxergar isto. Fora que a Fox já tem uma comédia familiar, Raising Hope, poderiam ter procurado uma sitcom com temátiva diferente.

Na trama: O que acontece quando um exuberante e sonhador irresponsável que sempre diz “sim” volta a morar com a sua super responsável irmã mais nova para ajudá-la a criar a filha de cinco anos? Ben and Kate é uma sitcom que acompanha esse casal estranho de irmãos enquanto eles são jogados para fora de suas zonas de conforto para a vida real. Kate Fox seguia todas as regras da vida… até engravidar e ser obrigada a largar a faculdade perto de se formar. Após o nascimento da filha, Maddie, Kate precisa dar uma pausa em seus vinte anos. Ela agora trabalha gerenciando um bar e está preparada para todas as possíveis catástrofes, menos a chegada do irmão mais velho, Ben Fox, um velho fã de encrencas cuja energia faz com que qualquer um queira segui-lo em todas as suas ideias ruins. Ele estragou completamente a própria vida, mas se sente bem com isso. Enquanto a Kate está planejando e preparando cada detalhe, Ben está sendo espontâneo e sempre pensando “de fora da caixa”. Quando Ben decide dormir por alguns dias no sofá de Kate, percebe que a irmã precisa de ajuda e decide levar um pouco do caos àquele mundo estável. Para ajudar Ben, aparece Tommy, que venera o amigo como um heroi e tem uma queda pela Kate. BJ é a amiga britânica de Kate que trabalha no bar e adora dar conselhos questionáveis e nem sempre legais do ponto de vista das leis.

No elenco: Dakota Johnson (do filme A Rede Social), Maggie Jones (dos filmes Compramos um Zoologico e Footloose), Nat Faxon (The Cleveland Show), o estreante Echo Kellum, Lucy Punch (do filme Bad Teacher)

Concorrência: a série irá ao ar às terças – 20:30hs, concorrendo com Dancing with the Stars Results (ABC), The Voice (Fox), NCIS (CBS) e Hart of Dixie (CW).

The Mindy Project: já está bastante hypada esta nova comédia do canal, que pelo jeito achou sua Tina Fey, a comediante, escritora e produtora, Mindy Kaling (nova menina dos olhos da mídia), dizem que bastante conhecida em solo americano. Aqui, é mais conhecida por sua participação em The Office, pelo jeita tem tudo para fazer a alegria do canal junto com New Girl.

Na trama: Essa comédia romântica é da escritora e produtora indicada ao Emmy, Mindy Kaling, e conta a história de uma mulher que, embora tenha uma carreira bem sucedida, precisa desesperadamente quebrar alguns hábitos ruins de sua vida pessoal. Afinal, quantos médicos fazem piadas inapropriadas no casamento de um ex-namorado, quase se afoga na piscina de um estranho e é presa por desacato momentos antes de ter um filho? Divertida, impaciente e politicamente incorreta, Mindy Lahiri pode citar todas as comédias românticas que Meg Ryan já fez na vida, está determinada a ser mais pontual, gastar menos, perder peso e ler mais livros para se tornar uma mulher perfeita que possa encontrar e namorar o cara perfeito. Mindy é uma ginecologista de muitas qualidades e divide a clínica com outros colegas, nenhum deles disposto a tornar a sua vida mais fácil. Jeremy Reed é a definição de notícias ruins, dividindo o espaço de trabalho e a cama de Mindy. Ele é engraçado, egocêntrico e super sexy. Em contraste, Danny Castellano é o cara esquentado e típico “machão” que tem a mania de roubar os pacientes de Mindy. Danny a critica por tudo, incluindo a vida amorosa e a falta de profissionalismo – mesmo sendo óbvio para todo mundo menos para Mindy que ele secretamente admira o trabalho dela. Completando a equipe da clínica, temos as recepcionistas Betsy Putch, uma jovem facilmente manipulável que sempre tenta agradar Mindy e Shauna Dicanio, que é indiferente em relação à Mindy, sempre sabe onde estão as melhores festas e tem uma paixão mal escondida por Danny. Mindy está sempre em contato com a sua melhor amiga da faculdade, Gwen Grandy, a filha do governador, que também é hilária, avoada e uma ex-party girl (que apenas Mindy parece se lembrar).Gwen não é feliz no casamento com um analista financeiro, com uma filha de seis anos, mas é leal a Mindy, que tenta fazer sua carreira decolar e conhecer um homem que passe pelos seus testes (não usar drogas, não usar skinny jeans e sem segredos familiares, entre outros.

No elenco: Mindy Kaling (The Office), Ed Weeks (comediante de filmes come Se Beber não Case), Chris Messina (Damages), Zoe Jarman (Huge), a estreante Dana DeLorenzo, Anna Camp (The Good Wife).

Concorrência: a série irá ao ar às terças – 21:30hs, concorrendo com Don’t Trust in the B— (ABC), NCIS – Los Angeles (CBS), The New Normal (NBC) e Emily Owens, M.D. (CW).

Para o Midseason 2013 (janeiro-março):

The Following: série do canal que mais me chamou a atenção, um drama policial que traz para a tevê aberta um personagem serial killer (claro que não estou contando o Red John de The Mentalist, que nem sabemos que se trata), tem na produção o nome de Kevin Williamson e o primeiro papel regular de ator Kevin Bacon na televisão (sendo este inclusive um dos motivos para a temporada possuir 15 episódios, número negociado por Bacon). Acredito que irá ao ar às segundas (não sei se já houve anúncio no lugar de Bones ou The Mob Doctor), mas acredito que a série tem um bom plot e potencial de criar um thriller, no mínimo, interessante, basta criar um mitologia ao redor dos protagonistas que o sucesso está garantido!

Na trama: Quando o grande serial killer Joe Carroll escapa do corredor da morte, tem sede de morte e o FBI chama o ex-agente Ryan Hardy para ajudar a solucionar o caso. Hardy foi o responsável pela captura de Carroll, há nove anos, pela morte de 14 estudantes do campus da universidade da Virginia, onde ele ensinava literatura. O agente também está escrevendo um livro relacionado a Carroll, pois o conhece melhor do que qualquer outra pessoa; talvez ele seja a única pessoa que o compreenda de verdade. Mas Hardy não é o mesmo homem de antes; ele ainda carrega as feridas físicas e psicológicas da busca por Carroll. Esse novo caso seria a redenção do agente, que trabalhará junto dos agentes Jennifer Mason e Mike Weston. A investigação leva Hardy até a ex-mulher de Carroll, Claire Matthews, Joey, filho do casal.

No elenco: James Purefoy (Roma), Kevin Bacon (do filme X-Men: Primeira Classe), Jeananne Goosen (Alcatraz), Shawn Ashmore (de X-Men), Natalie Zea (Justified), o estreante Kyle Catlett.

The Goodwin Games: mais uma sitcom familiar do canal, ainda não foi divulgado no lugar de quem irá estrear na mid season, mas irá ao ar às terças. A única coisa que me chama a atenção é a presença da bela atriz Becky Newton (Ugly Betty e recentemente em How I Met Your Mother), uma atriz com ótimo timing cômico e carisma ímpar.

Na trama: TGG é uma sitcom que conta a história de três irmãos que voltam para casa após a morte do pai e se tornarão os herdeiros de uma grande fortuna se cumprirem com os últimos desejos do patriarca. Se um dos filhos sente que merece o dinheiro, ele é Henry, o mais velho e tentando ser um cirurgião. Ele se vê como um modelo para os irmãos mais novos e os lembra disso sempre que pode. Voltar para casa forçará Henry a questionar várias de suas escolhas, principalmente em relação ao seu primeiro amor e alma gêmea Lucinda. A irmã do meio é Chloe, uma prodígio em matemática, cujo papel não-oficial na família é ser inteligente, o que deixa Henry com inveja. Ela largou os estudos para ser uma garota popular, mas as mensagens de seu pai a colocarão de volta ao caminho acadêmico. O mais novo é Jimmy, que já passou pela cadeia e é um guitarrista frustrado cheio de dívidas, mas ele tem mais coração do que os irmãos. Jimmy também retorna para a filha de oito anos. O encarregado de unir a família é Benjamin, pai dos três e professor de matemática da universidade local. Ele sempre se arrependeu de não ter cuidado melhor dos filhos e, por isso deixou vários desafios para que eles possam se redescobrir e aprender lições que ele falhou em ensinar. A recompensa são os 20 milhões de dólares e a chance de ser as pessoas quem o pai gostaria que eles fossem.

No elenco: Scott Foley (Grey’s Anatomy, Felicity), Felisha Terrell (Days of our lives), Becki Newton (Ugly Betty), Jake Lacy (Better With You), Beau Bridges (do filme Os Descendentes), a estreante Melissa Tang.

Anúncios

NBC Upfront 2012/13

25/05/2012

Bom, o sumiço destes últimos dias tem uma explicação simples: quinzena de “Season Finales”, quando todas as suas séries terminam praticamente juntas e, para piorar, tem episódios duplos a exaustão! Não pretendo fazer o Balanço da Temporada, por que desde a fall season criei uma página para cada série que assisto (com, no mínimo, uns 4 episódios), assim quem quiser saber o que achei do final de Fringe, House e Grey’s Anatomy é só clicar na série/ temporada na coluna à sua direita!

No entanto, não vou ficar sem comentar sobre os Upfronts dos canais americanos para a temporada 2012/2013, para adiantar não criem muitas expectativas, em tempos de crise financeira as sitcoms dominam a televisão (e pelo jeito, todos procuram uma nova Modern Family). Conforme ordem de divulgação, começo pelo canal NBC, atualmente o terceiro colocado entre os cinco principais canais (roubou a colocação da ABC devido aos eventos esportivos da última temporada, mas estão praticamente empatadas), canal que já teve uma fase de ouro com o sucesso mundial de sitcoms como, Seinfeld, Friends e Frasier (somente para citar alguns), mas que agora volta a investir fortemente no gênero, principalmente depois do equívoco de 2 temporadas atrás onde abriu mão da faixa de séries às 22hs para exibir os famosos Late Shows, e a audiência caiu espantosamente! Nesta temporada, o canal vem com 13 novas séries, sendo metade para a midseason.

Séries Canceladas: Are You There Chelsea?, Awake, Bent, BFFs (Best Friends Forever), The Firm, Free Agents, Harry’s Law, The Playboy Club e Prime Suspect.

Séries Renovadas: 30 Rock (13 episódios), Community (13 episódios, transferido para as noites de sexta – 20:30hs), Grimm (22 episódios), Law & Order: Special Victims Unit (antecipado para às 21hs das quartas), The Office (22 episódios), Parenthood (15 episódios), Parks and Recreation (22 episódios), Smash (entre 16 e 18 episódios, para o Midseason em 2013), Up All Night (13 episódios) e Whitney (transferido para as noites de sexta – 20hs). E os realitys shows, The Voice (já retorna agora em setembro para a 3ª temporada, as segundas – 20-22hs/terça – 20-21hs).

Obs.: o remake de Os Monstros (sim aquela do Pai Frankstein, a Mãe e Avô vampiros e o filho Lobisomem), não foi descartado. Ele ainda está em fase de seleção de elenco. Um piloto será produzido e submetido a avaliação do canal, ainda para o primeiro semestre de 2013 (midseason).

Novas Séries:

• Animal Practice: comédia vendida como um veterinário a la House, misturado com um tipo de Dr. Dolittle, mas convenhamos uma sitcom com macaquinho fazendo graça vai ter que “suar” bastante para completar uma temporada completa!

Na trama: conheça o Dr. George Coleman, um veterinário nova iorquino, com um método não ortodoxo de operações, o sucesso de George vem do seu inegável dom com os animais de todos os tipos. Exceto os humanos. Dorothy e George já foram apaixonados, e hoje ela dirige o hospital veterinário em que ele trabalha. Agora ela é a chefe de George, e sua ambição e sua falta de experiência – além do desejo de vê-lo pagar pelo passado – vão tornar a vida de George muito difícil. Mas ele não está disposto a realizar mudanças em seu reino (animal).

No elenco: Justin Kirk (Weeds), Tyler Labine (Reaper, Sons of Tucson) e Bobby Lee.

Concorrência: a série irá ao ar às quartas – 20hs, concorrendo com The Middle (ABC), The X-Factor (Fox), Survivor (CBS) e Arrow (CW).

• Guys with Kids: sinceramente, das novas comédias, mesmo não havendo nada que salte aos olhos de curiosidade, este plot de Guys With Kids é de uma vergonha alheia total, parece coisa dos anos 90 a la Três Solteirões e Um Bebê! Uma pena ter como uma dos criadores o bom comediante e apresentador de talk shows, Jimmy Fallow.

Na trama: Do ganhador do Emmy e produtor executivo Jimmy Fallon (Late Night with Jimmy Fallon) vem esta nova comédia sobre três pais na casa dos trinta anos tentando se agarrar à juventude enquanto cuidam de suas crianças. Por sorte, Chris, Nick e Gary têm um ao outro para ajudá-los a sobreviver como novos pais enquanto permanecem jovens. Equilibrando o trabalho ou ficar em casa, em um casamento doloroso ou em um divórcio feliz, eles sabe que tomar conta de crianças e ter uma vida social é um desafio diário.

No elenco: Jesse Bradford (Desperate Housewives, The West Wing), Zach Cregger (Friends With Benefits), Anthony Anderson (comédias cinematográficas e Law & Order), Jamie Lynn Singler (Entourage, The Sopranos) e Tempestt Bledsoe (The Cosby Show).

Concorrência: a série irá ao ar às quartas – 20:30hs, concorrendo com Suburgatory (ABC), The X-Factor (Fox), Survivor (CBS) e Arrow (CW).

Chicago Fire: novo drama do canal, tendo como criador/produtor, Dick Wolf, mais conhecido da franquia Law & Order, aqui mudando de ares e criando, pelo jeito, um procedural de bombeiros, lembranças de Rescue Me, vamos ver o que Wolf, que anda meio em baixa, somente SVU de suas L&O sobraram na grade do canal. Como protagonista, o recém desempregado de House, Jesse Spancer, o dr. Chase, não perdeu tempo na fila do seguro desemprego e tratou de engatar uma série na outra.

Na trama: Nenhum trabalho é mais estressante e perigoso do que o dos bombeiros, equipe de resgate e paramédicos do Chicago Firehouse 51. Estes são os heróis do cotidiano, os corajosos homens e mulheres que correm para o perigo quando todo mundo foge dele. Mas a enorme responsabilidade do trabalho também afeta a vida pessoal deles. Reputações e egos inflados, junto com a pressão de fazer uma grande performance e tomar decisões em segundos podem criar algumas estranhezas entre os membros da equipe. Quando uma tragédia acontece com um deles, há muita culpa e culpados por aí. No meio de um divórcio, Lt. Matthew Casey tenta ser profissional como sempre, mas não consegue não brigar com a Lt. Kelly Severide, da equipe de resgate e um culpa o outro pelas falhas dos respectivos times. Mas quando precisam agir, colocam as diferenças de lado e trabalham bem juntos.

No elenco: Jesse Spencer (House), Taylor Kinney (The Vampire Diaries), Eammonn Walker (do filme O Mensageiro), Charlie Barnett (Law & Order SVU), David Eigenberg (Sex and the City), Monica Raymund (The Good Wife), Lauren German (Hawaii Five-O), Teri Reeves (Three Rivers), Merle Dandridge (Sons of Anarchy).

Concorrência: a série irá ao ar às quartas – 22hs, concorrendo com Nashville (ABC) e CSI (CBS).

• Go On:mais uma tentativa de retorno ao Olimpo das comédias do ator Matthew Perry (Friends) depois dos percalços em Studio 60 e Mr. Sunshine (esta bem fraca), não sei se a comédia “pegará” pelo tema um pouco humor negro demais para os americanos, no entanto, se pudesse diria para Matthew Perry continuar com suas participações em bons dramas, como recentemente em The Good Wife, uma faceta talentosa do ator pouco explorada até aqui!

Na trama: A miséria ama companhia. A menos que você seja o narrador esportivo Ryan King, que acredita que a miséria deve ser deixada sozinha. Depois de perder sua esposa em um acidente de carro e tirar uma curta licença, Ryan está preparado para voltar ao trabalho, mas seu chefe não o deixará voltar ao ar até que ele procuro aconselhamento. Então, relutante, Ryan ingressa a um grupo de apoio com uma ideia em mente: entrar e sair o mais depressa possível, e voltar ao trabalho. No primeiro dia de terapia ele assume as rédeas e resolve fazer um jogo de”quem tem a melhor história de soluço?”. Então todos passam a “batalhar”, liberar seus sentimentos, “lutar” uns contra os outros. Talvez a falta de interesse de Ryan seja exatamente o que o grupo precise – e talvez seja exatamente o que ele precise para seguir em frente.

No elenco: Matthew Perry (Friends), Laura Benanti (The Playboy Club), Julie White (dos filmes Transformers), Suzy Nakamura, Khary Payton e Allison Miller (Terra Nova). Jesse Bradford (Desperate Housewives, The West Wing), Zach Cregger (Friends With Benefits), Anthony Anderson (comédias cinematográficas e Law & Order), Jamie Lynn Singler (Entourage, The Sopranos) e Tempestt Bledsoe (The Cosby Show).

Concorrência: a série irá ao ar às terças – 21hs, concorrendo com Happy Endings (ABC), New Girl (Fox), NCIS – Los Angeles (CBS) e Emily Owens, MD (CW).

• The New Normal: lá vem Ryan Murphy e mais uma criação sua, após Nip/Tuk, Glee e American Horror Story, o criador resolve mirar seu texto para uma sitcom com aparente plot simples, casal gay resolve adotar uma bebê e acaba se relacionando com a barriga de aluguel. No entanto, para o bem ou para o mal, as série de Murphy dificilmente não “causam”! Mas terá a concorrência de outras duas sitcoms, sendo uma que já vem despertando mídia nas redes sociais, The Mindy Project (com a atriz indiana de The Office), do canal Fox

Na trama: Hoje em dia as famílias se formam de todas as maneiras: pais solteiros, duas mães, doadores de esperma, doadoras de óvulos… É 2012 e tudo pode acontecer. Bryan e David ao um casal de Beverly Hills e eles tiveram tudo isso. Ou melhor, quase tudo. Com carreiras de sucesso e parceiros amorosos, a única coisa faltando é um bebê! E quando eles pensaram que as estrelas nunca se alinhariam, surge Goldie, uma jovem mulher espetacular e com o passado verificado. Uma garçonete do meio-oeste e mãe solteira tentando escapar de sua avó com a mente fechada, Goldie resolve abandonar tudo e se mudar para lós Angeles com sua filhinha de oito anos. Desesperada e falida – mas ainda fértil – ela logo se torna a candidata dos sonhos dos rapazes. Mãe de alugue, família de aluguel.

No elenco: Andrew Rannells (Girls), Justin Bartha (Se Beber Não Case!)  e Georgia King.

Concorrência: a série irá ao ar às terças – 21:30hs, concorrendo com Don’t Trust in the B– Apartament 57 (ABC), The Mindy Project (Fox), NCIS – Los Angeles (CBS) e Emily Owens, MD (CW).

Revolution: bom, o que posso dizer além de que a série é (mais uma) criação de J.J. Abrams (Lost, Fringe, The Undercovers e Alcatraz) com o criador de Supernatural (e que já abandonou a série), Eric Kripke; espero Eric, que acredito que seja o showrunner da série, afinal J.J. somente assina conceitos e retira o dinheiro, tenha desenvolvido um belo de um arco para sua série não durar apenas meia dúzia de episódios, afinal estamos falando de um série de mistérios pós-apocalíticos contínua (novela), não um procedural, que mistura conceitos de ficção, drama e ação. No elenco, o destaque é Giancarlo Esposito recolhendo os louros de sua participação em Breaking Bad, aqui parece ser um antagonista!

Na trama: Nossa vida depende de eletricidade. E o que acontece quando ela falha? Bem, um dia, como se fosse desligada, o mundo volta à idade das trevas. Aviões caem, hospitais fecham e não a comunicação fica complicada. E sem qualquer tecnologia moderna, quem pode explicar o que aconteceu? Agora, após 15 anos, a vida voltou a ser o que era antes da Revolução Industrial: famílias vivendo em feudos quietos e quando o Sol se põe, lanternas e velas são acesas. A vida é mais calma e doce. Ou não? Em uma das pequenas comunidades, o perigo surge e o destino de uma jovem muda drasticamente quando a milícia local chega e mata seu pai que, por algum motivo desconhecido, teve algo a ver com o blackout. Esse evento faz com que ela e dois amigos entrem em uma jornada em busca de respostas.

No elenco: illy Burke (dos filmes da saga Crepúsculo), Tracy Spiridakos (Being Human), Anna Lise Philips (Terra Nova), Zak Orth (do filme Romeo + Juliet), Graham Rogers (Memphis Beat), JD Pardo (do filme A Cinderella Story), Giancarlo Esposito (Breaking Bad), David Lyons (The Cape), Maria Howell (do filme The Blind Side), Tim Guinee (do filme Homem de Ferro), Andrea Roth (Rescue Me).

Concorrência: a série irá ao ar às segundas – 22hs, concorrendo com Castle (ABC) e Hawaii Five -0 (CBS).

Para o Midseason 2013 (janeiro-março):

Do No Harm: único drama com dia certo para exibição (se não houver troca), aos domingos, após os eventos esportivos (futebol americano), porém na divulgação não parece uma série muito promissora, pelo tema e pelo elenco, o protagonista é desconhecido da maioria, fazia parte do elenco de Rescue Me. Cara de cancelamento precoce!

Na trama: O doutor Jason Cole é um neurocirurgião respeitado que tem tudo na vida – uma carreira lucrativa, charme, compaixão. Mas ele também tem um segredo guardado. Em uma manhã, acorda desorientado em um quarto de hotel com várias mulheres semi nuas que ele nunca viu antes, mas sabe de apenas uma coisa: está acontecendo de novo. Todas às noites, na mesma hora, algo dentro de Jason muda, deixando-o quase irreconhecível: sedutor, malvado, quase um sociopata. Esse novo homem é sua personalidade alternativa conhecida como Ian Price. Por anos, ele lutou contra Ian, mantendo-o sob controle com um poderoso sedativo expermental. Mas agora o seu corpo desenvolveu resistência ao remédio, libertando Ian novamente. E, para piorar, depois de ser reprimido por tanto tempo, Ian pretende se vingar. Todos ao redor de Jason correm perigo, incluindo pacientes, amigos, colegas de trabalho e possíveis namoradas e ele precisa conter Ian. Será que conseguirão chegar a um equilíbrio ou um terá que destruir o outro?

No elenco: Steven Pasquale (Rescue Me), Alana De La Garza (Law & Order), Mousa Kraish (do filme Superbad), Michael Esper (do filme Uma Mente Brilhante), Ruta Gedmintas (The Borgias), Phylicia Rashad (The Cosby Show).

1600 Penn: da série “imagine”: se Phil e sua família (de Modern Family) vivessem na Casa Branca! Não imaginem mais, um dos produtores de Modern Family criou um spin off não oficial de sua comédia, se a originalidade passa longe, pelo menos conseguiu dois bons nomes para atrair o público: Bill Pullman (já Presidente em Independence Day) e Jenna Elfman (Dharma e Greg).

Na trama: Os Gilchrists são uma família comum americana lidando com problemas normais, como uma criança crescida sendo forçada a voltar a morar com os pais, crianças mais inteligentes que os professores e uma madrasta que tenta a todo custo ganhar a afeição dos enteados. Em outras palavras, eles são como qualquer outra família, com uma exceção: eles vivem em uma casa especial, a Casa Branca. Seja entretendo diplomatas, fugindo da vigilância para sair com os amigos, lidar com paixonites na escola ou colocando fogo no recinto (no sentido figurado e literal), não há um momento de tédio na Casa Branca quando os Gilchrist estão por perto. Por exemplo, o primogênito é o administrador financeiro da Casa, mas também é a “cola” que une a família. O presidente sabe que pior do que ser o chefe de uma nação, é ser o chefe de uma família.

No elenco: Jenna Elfman (Dharma and Greg), Josh Gad (do show da Broadway, The Book of Mormon), Bill Pullman (dos filmes Independence Day), Martha Maclsaac (do filme Superbad), Andre Holland (Friends With Benefits), Amara Miller (do filme Os Descendentes), Benjamin Stockham (Sons of Tucson).

Next Caller: bom eu não sou perito de comédias, sempre prefiri os dramas e dramédias, mas esta comédia tem um plot muito fraquinho, quero acreditar que o bom ator/comediante Jeffrey Tambor e o comediante (de texto mais adulto) Dane Cook, não tenham se vendido para fazer qualquer coisa na televisão!

Na trama:a série acompanha a vida de Cam Doherty um músico que ganha um programa numa rádio e encontra uma blogueira que também apresenta um programa, e acaba se criando uam grande rivalidade.

No elenco: Dane Cook, Collette Wolfe, Jeffrey Tambor e Joy Osmanski.

Save Me: nova tentativa de retorno à televisão da atriz Anne Heche, que fez Men in Trees anos anteriores, aqui parecendo uma versão mais adulta daquele drama Joan of Arcady, que trazia uma jovem que falava com Deus ou mesmo de Eli Stone. Me parece uma incógnita ainda!

Na trama: Comédia com Anne Heche no papel principal de uma mulher a beira de arrebentar seu casamento, que sofre uma transformação emocional e agora acredita que é uma ponte entre Deus e a Terra.

No elenco: Anne Heche, Michael Landes e  Alexandra Breckenridge.

Hannibal: torço, mas torço de verdade que os produtores da série não estraguem potencial personagem numa adaptação sem sal e sem repercussão nenhuma como aconteceu recentemente com The Firm (também baseado num filme). Se não me engano o ponto de partida seria o livro/filme Dragão Vermelho, já adaptado na telona com William Petersen e Edward Norton fazendo o papel de agente do FBI, agora nas mãos de Hugh Dancy (recentemente participou de The Big C, na segunda temporada se não me engano), único nome confirmado até agora.

Na trama: Um dos mais fascinantes personagens da literatura fará a sua primeira aparição em uma série pela primeira vez: o psiquiatra que virou um serial killer, dr. Hannibal Lecter. Este é o novo drama de Bryan Fuller ( ), baseado nos livros de Thomas Harris. Will Graham é um agente criminal em busca de um serial killer. A maneira única de Graham pensar dá a ele uma habilidade impressionante de sentir empatia por todo mundo – até mesmo por psicopatas. Ele parece saber o que acontece com eles. Mas quando a mente desse assassino é muito complicada até para Will compreender, ele pede ajuda do dr. Lecter, uma das mentes mais brilhantes na psiquiatria. Will a Hannibal (que somente os telespectadores sabem que ele é um serial killer) foram uma dupla invencível e parece que nenhum vilão pode fugir deles.

Infamous: outra série buscando pegar carona com algum sucesso recente, no caso Revenge, do canal ABC, bom para mim que não gosto do conceito de Revenge (novela demais), logo não tenho a menor curiosidade por Infamous, nem mesmo elenco chama minha atenção, apesar da presença do sempre competente Victor Garber!

Na trama: Quando a socialite e festeira Vivian Bowers é encontrada morta após uma overdose, ninguém fica surpreso. A herdeira do império farmaceutico Bowers foi capa de tabloides por anos: ousada, bonita, privilegiada… e agora morta aos 32 anos. Mas para o agente do FBI Will Moreno, há algo de podre nessa disnastia. Convencido de que a morte é um homicídio, ele tem um plano para chegar à verdade, materializado na detetive Joanna Locasto. Há 20 anos, ela era amiga de Vivian e cresceu na casa dos Bowers como filha da empregada. E quando Joanna aparece no funeral, a família a re-integra como membro. Joanna guarda segredos e pistas do porquê a vida de Vivian estava em perigo ao mesmo tempo que entra em um antigo romance e redescobre a vida de luxo que teve um dia.

No elenco: Laz Alonso (do filme Avatar), Meagan Good (Californication), Victor Garber (Alias), Tate Donovan (Damages), Katherine La Nasa (Alfie), Neil Jackson (do filme 007 – Quantum of Solace), Ella Rae Peck (Gossip Girl).

Crossbones: projeto aprovado sem passar pela aprovação de um episódio piloto, logo ou deve ser muito bacana, sempre me preocupo com os efeitos destas séries, ou uma bomba de marca maior, alguém lembra do recente Crusoé. A primeira temporada terá 10 episódios, sem nenhum nome no elenco confirmado até aqui.

Na trama: Em 1715, os sete mares eram dominados pelo destemido pirata Edward Teach, mais conhecido como Barba Negra. Para acabar com seu reino de terror, o assassino profissional Tom Lowe é enviado para matar Barba Negra, porém, nem mesmo Lowe é imune ao carisma de Barba Negra, que mesmo sem apego nenhum a lei, possui uma fome por conhecimento inigualável

Destaques da Semana em DVD (14 à 25/05)

23/05/2012

Os Descendentes: mesmo parecendo somente ser mais um comédia dramática, especialidade do diretor/roteirista Alexander Payne, gosto muito da maneira como Payne consegue abordar o homem de maduro, dois tons acima do patético (como nos personagens de Jack Nicholson e Paul Giamatti), além disso, sempre me surpreendo com o elenco de seus filmes, aqui Clooney assumindo tranquilamente papel de corno, dividindo a cena com um elenco jovem bastante competente. Claro que o plot do filme beira uma fábula, no entanto, o pano de fundo, Hawai, enche os olhos, um filme que nos faz refletir (perdão) e nos diverte, acho que está de “bom tamanho”! Na trama, Matt King (George Clooney) é um marido indiferente e pai de duas meninas, que é forçado a reexaminar seu passado e abraçar seu futuro depois que sua esposa sofre um acidente de barco em Waikiki. O trágico acontecimento acaba por aproximar Matt das filhas, o que o ajuda na difícil decisão de vender um terreno herdado da família.

Sherlock Holmes 2: O Jogo das Sombras: para mim, confesso, mesmo divergindo de estilos, fica muito difícil não comparar as versões de Guy Pearce com a minissérie inglesa televisiva realizada por Steven Moffat, e, como resultado, o Sherlock televisivo saí ganhando, até porque tem muito mais profundidade e conceitos bem aplicados na adaptação moderna, do que somente cenas de ação e humor entre os bons intérpretes do longa metragem (Robert Downey Jr. e Jude Law). Mesmo assim, gosto do filme, no entanto, não vi muita função dramática para a personagem de Noomi Rapace (da cinessérie sueca Millennium). Na trama, um ano depois dos acontecimentos de Sherlock Holmes, o príncipe da Áustria é encontrado morto após supostamente cometer suicídio. Entretanto, o famoso detetive britânico, vivido por Robert Downey Jr., acredita que se trata de um plano maligno criado pelo professor Moriarty (Jared Harris), um homem tão inteligente quanto ele. Ao lado de Watson (Jude Law) e da vidente Sim (Noomi Rapace), que possui uma estranha ligação com o príncipe, Holmes tenta desvendar o caso mais difícil de sua carreira.

Habemus Papam: último filme do diretor/ator italiano, Nanni Moretti, mais conhecido do circuito alternativo pelo drama familiar O Quarto do Filho, pela temática desse, Moretti faz um filme mais leve com uma temática religiosa. Na trama, o novo papa eleito (Michel Piccoli) sofre um ataque de pânico no momento em que deveria aparecer na varanda da Praça de São Pedro para saudar os fiéis, que esperaram pacientemente o veredito do conclave. Seus conselheiros, incapazes de convencê-lo de que é o homem certo para o cargo, procuram a ajuda de um conhecido psicanalista ateísta (Nanni Moretti). Mas o medo da responsabilidade que a confiança que lhe foi depositada representa é algo que só ele mesmo poderá enfrentar.

Albert Noobs: projeto pessoal da atriz Glenn Close, possivelmente com dificuldades em encontrar bons papéis, num filme curioso e com um bom elenco, no entanto, conscientemente ou não o grande destaque do filme atende pelo nome de Janet McTeer! Na trama, Irlanda, século XIX. Albert Nobbs (Glenn Close) trabalha como mordomo e esconde um segredo: é, na verdade, uma mulher. Durante 30 anos ela vestiu roupas masculinas e se fez passar por um homem, para poder se manter e concretizar o sonho de ser a dona de uma tabacaria. Entretanto, sua farsa é ameaçada quando um pintor, Hubert Page (Janet McTeer), divide o quarto com Albert por não haver outro dormitório disponível no hotel em que ambos trabalham.

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres: vejo um chororô em torno do novo filme de David Fincher, cineasta competente, tanto em narrativa quanto em visual, por realizar mais um suspense policial (como se este fosse um gênero menor) ou mesmo por modificar o final original do livro e do filme sueco (como se fosse proibido!). O que importa, pelo menos, para mim, é o bom elenco reunido (com óbvio destaque para Rooney Mara e sua repulsiva e frágil Lisbeth Salander, talvez uma das melhores personagens femininas dos últimos anos) e o clima inquitante de um bom suspense, aqui tendo como pano de fundo a gélida Suécia. Na trama, Mikael Blomkvist (Daniel Craig) é um jornalista econômico determinado a restaurar sua honra, depois de ser condenado na justiça por difamação. Contratado por um dos industriais mais ricos da Suécia, Henrik Vanger (Christopher Plummer), para investigar o desaparecimento de sua sobrinha Harriet (Moa Garpendal), há 36 anos, ele se muda para uma ilha remota na costa gelada da Suécia sem saber o que o aguarda. Ao mesmo tempo, Lisbeth Salander (Rooney Mara), hacker da Milton Security, é contratada para levantar a ficha e os antecedentes de Blomkvist, missão que será o ponto de partida para que ela se una a Mikael na investigação de quem matou Harriet.

A Mulher de Preto: caprichado terror vitoriano, aqueles filmes passados em mansões inglesas dos séculos passados, que traz Daniel Radcliffe exorcizando Harry Potter de maneira até competente, porém o roteiro se equivoca ao colocá-lo como pai de 3 filhos ainda com esta carinha de no máximo irmão mais velhos! Na trama, Arthur Kipps (Daniel Radcliffe) é um jovem advogado contratado para cuidar dos negócios de um cliente e para isso teve que se dirigir para um pequeno vilarejo com o intuito de regularizar documentos. Hospedado em uma casa isolada, ele passa a ter visões sinistras e acaba se envolvendo numa trama de vingança.

O Pacto: Roger Donaldson já fez thrillers mais empolgantes (Efeito Dominó, 13 Dias que Abalaram o Mundo) do que este filme que parece uma trama de filme de Charles Bronson, ainda mais, contando com o mal momento de Nicolas Cage! Na trama, o professor colegial Will Gerard (Nicholas Cage) leva sua vida tranquilamente com a esposa Laura (January Jones), até o dia em que ela foi atacada na rua e terminou gravemente feriada em um hospital. Mas o que ele nunca iria imaginar era que ao conhecer um homem misterioso, que ofereceu ajuda para encontrar o bandido responsável pelo crime e se vingar dele, passaria a se tornar alvo de uma cobrança descabida: matar alguém como forma de pagamento. Agora, ele e a esposa precisam arrumar uma maneira de escapar deste homem e seu grupo de vigilantes, dispostos a tudo para receber seu pagamento.

O Último Dançarino de Mao: o veterano diretor australiano, Bruce Beresford (do bonito Conduzindo Miss Daisy, do thriller Risco Duplo e do fraco O Contrato) mostra sua versatilidade, agora num projeto com temática chinesa, mesmo assim há nomes conhecidos do publico como Bruce Greenwood e Kyle MacLachlan (Laura Palmer). Na trama, aos 11 anos, Li Cunxin foi tirado de uma pobre aldeia chinesa para estudar balé na escola de dança de Madame Mao, em Pequim. Em 1979, ele consegue entrar para a Companhia Houston Ballet durante um intercâmbio cultural no Texas, onde começa uma vida nova e livre. Os oficiais chineses tentam levá-lo de volta à China, mas manobras legais e o casamento com uma bailarina americana conseguem mantê-lo nos EUA. Para lutar pelos seus sonhos, porém, ele terá de abandonar para sempre sua família.

Tokyo: série antológica que reúne três diretores, Michel Gondry, Leos Carax, Joon-ho Bong, dirigindo diferentes elencos em três segmentos. Segmento “Interior Design”: Um jovem casal tenta se adaptar à cidade de Tóquio. Ele tem o sonho de se tornar diretor de cinema, enquanto que ela tem a sensação de que perdeu o controle de sua vida. Aos poucos ela se sente cada vez mais só, passando por uma grande transformação. Segmento “Merde”: Uma misteriosa criatura aterroriza Tóquio, provocando paixão e repulsa na população até o momento em que é capturada. Segmento “Shaking Tokyo”: Um homem vive isolado do resto do mundo há 10 anos, até a visita de uma jovem entregadora de pizza. Um terromoto acontece na cidade, fazendo com que eles se apaixonem.

Maré Negra: a pergunta que não quer calar: ainda há queda para a carreira da ganhadora do Oscar Halle Barry? Meu Deus, presente até mesmo em filme de tubarão! Mesmo que a produção pareça um pouco acima da média para o subgênero Bezão, com uma ou outra figura conhecida, além do diretor especialista em filmagens aquáticas, John Stockwell (de A Onda dos Sonhos e Mergulho Radical), nada justifica a presença de Halle aqui. Na trama, Sara (Halle Berry) é uma aventureira que enfrenta problemas durante um mergulho na costa da ilha de Guadalupe. Quando o marido dela decide arriscar a segurança de Sara por sua ambição profissional, o casamento desanda. Um ano depois, de volta à ilha, a luta da garota não é mais pelo seu relacionamento, mas sim por sua vida.

Footloose: para quem não conhece um clássico da Sessão da Tarde aqui está uma oportunidade de ver uma adaptação com elenco cheio de caras novas, quem não lembra o Footloose original tinha um jovem Kevin Bacon como o rebelde dançarino. Na trama, a nova vida de Ren McCormick (Kenny Wormal) numa cidade pequena está cheia de surpresas porque as pessoas com quem ele convive agora são muito conservadoras. Para completar o quadro, o Reverendo Moore (Dennis Quaid) proibiu o rock e a dança. A revolta de Ren com a situação acaba atingindo também a filha de Morre, Ariel (Julianne Hough), mas isso não permanecerá por muito tempo já que Ren e Ariel apaixonam-se.

Tiros Cruzados: dica para os fãs do veterano ator Gary Oldman, buscando desafios em filmografias estrangeiras neste Tiros Cruzados que é baseado em best-seller de Barry Eisler. Perseguido pela CIA, John Rain é um assassino profissional altamente especializado, contratado para resgatar um pen drive que contém informações confidenciais, antes que elas vazem. Rain intercepta o portador, que acaba morto, mas não encontra o que procurava. No rastro do pen drive, ele se depara com a filha do tal homem, ambos passam a ficar na mira da CIA… e a correr todos os perigos!

Corajosos – A Honra Começa em Casa: assim como tenho curiosidade em assitir a filmografia espírita nacional também sempre dou uma espiada na filmografia evangélica americana, representada pelo diretor/aroteirista/ator Alex Kendrick (também responsável por filme temáticos como Prova de Fogo e Deafiando Gigantes). Um drama simples com moral de história, indicado para público específico! Na trama, enquanto eles sempre dão o seu melhor no trabalho, “bom o suficiente” parece ser tudo o que pode definí-los como pais; mas eles estão descobrindo rapidamente que essa realidade está piorando. Eles sabem que Deus deseja converter os corações dos pais aos filhos, mas seus filhos estão começando a ficar cada vez mais longe deles. Serão eles capazes de encontrar uma maneira de servir e proteger aqueles que são mais valiosos? Quando a tragédia atinge suas casas, esses homens são deixados lutando com as suas esperanças, seus medos, sua fé e sua paternidade. Pode uma urgência ajudar estes pais a se aproximarem de Deus e dos seus filhos?


Destaques da Semana em DVD (01 à 11/05)

10/05/2012

Missão Impossível: Protocolo Fantasma: quando voce acha que uma cinesserie já se esgotou surge Brad Bird (diretor de Ratatouille), entregando um dos melhores filmes de ação dos ultimos anos, com um bom elenco, belissimos cenários e uma trama engenhosa. Na trama, acusado pelo bombardeio terrorista ao Kremlin, o agente da IMF Ethan Hunt (Tom Cruise) é desautorizado com o resto da agência quando o presidente dá início ao “Protocolo Fantasma”. Deixado sem qualquer recurso ou apoio, Ethan tem de encontrar uma maneira de limpar o nome de sua agência e prevenir um outro ataque. Para complicar mais as coisas, ele é forçado a assumir esta missão com uma equipe de colegas fugitivos da IMF, cujos motivos pessoais não conhece completamente.

Drive: simplesmente o melhor filme do ano até agora, consegue reunir um excelente elenco (mais um trabalho impecável de Ryan Gosling e um momento Fênix para o comediante Albert Brooks, num papel dramático, esquecido no Oscar), um diretor talentoso, um roteiro engenhoso (meio Tarantinesco), uma fotografia competente e uma boa trilha sonora. Na trama,  um motorista-dublê de Hollywood (Ryan Gosling) tenta ajudar sua bela vizinha Irene (Carey Mulligan) a escapar de um grande perigo, mas acaba se tornando alvo de um dos homens mais procurados de Los Angeles. Para fugir e sobreviver, ele precisa fazer aquilo que sabe melhor: dirigir.

Histórias Cruzadas: filme superestimado da temporada do Oscar, tem um qualidade no elenco feminino (principalmente, na figura de Viola Davis, no entanto, quem levou o Oscar coadjuvante foi Octavia Spencer, um equivoco histórico da Academia!), porém tem um roteiro extremamente maniqueísta sobre a sociedade racista do sul americano, quase uma fábula, tamanha a inverossimilhança das situações. Na trama, Mississipi, década de 1960. Skeeter (Emma Stone) acabou de terminar a faculdade e sonha em ser escritora. Ela põe a cidade de cabeça para baixo quando decide pesquisar e entrevistar mulheres negras que sempre cuidaram das “famílias do sul”. Apesar da confusão causada, Skeeter consegue o apoio de Aibileen (Viola Davis), governanta de um amigo, que conquista a confiança de outras mulheres que têm muito o que contar. No entanto, relações são forjadas e irmandades surgem em meio à necessidade que muitos têm a dizer, antes da mudança dos tempos atingir a todos.

Coriolano: texto shakespereano dirigido pelo ator, também co-protagonista, Ralph Fiennes, escrito por John Logan (de O Gladiador e O Último Samurai), ficou inédito em nossos cinemas, também tem no elenco Gerard Butler e Brian Cox. Na trama, Coriolanus (Ralph Fiennes), até então o grande herói de Roma, é considerado um traidor por seu povo. Sob a influência negativa de sua própria mãe, Volumnia (Vanessa Redgrave), ele decide deixar Roma. Indignado, ele oferece sua vida ao grande rival Tullus (Gerard Butler). Juntos, eles decidem derrubar a antiga cidade de Coriolanus.

Compramos um Zoológico: não sei o que acontece com o talentoso diretor Cameron Crowe, desde Quase Famosos, o diretor tem apresentado filmes de gosto duvidoso (Elizabethtown e Vanilla Sky). Aqui, ele parece realizar (também roteiriza), um típico filme família cheio de metáforas e “moral da história”, no que os americanos chamam de “feel good movie”, simpático somente. Na trama, Benjamin Mee (Matt Damon) é um homem que, ao lado de sua família, encontra uma bela casa no interior, mas é surpreendido ao descobrir que o lugar é um zoológico abandonado. Assim, ele aceita o desafio e compra a casa, na esperança de restaurar a antiga glória do local.

Para Sempre

04/05/2012

Em meio a tantos lançamentos “entressafra” no cinema (pós-Oscar e pré-Blockbusters), resolvi buscar uns filmes comerciais lançados recentemente nos Eua que devem chegar em algum momento por aqui, caso deste, Para Sempre, que se não é baseado num livro de Nicholas Sparks (Diário de Uma Paixão, A Última Música, Querido John e, atualmente, Um Homem de Sorte), atual papa do romance água-com-açucar americano e mundial, não faria feio nesta galeria de livros adaptados da obra do autor. Algo em comum com o cinema de Sparks Para Sempre guarda, os protagonistas: Rachel McAdams (de O Diário de Uma Paixão) e Channing Tatum (de Querido John).

Mas como acontece com a maioria dos filmes do subgênero (drama romance), ele é realizado para o público feminino, logo ao retratar como o casal se conheceu/apaixonou após o acidente de carro que deixa a personagem de Rachel McAdams com perda de memória recente, vemos um verdadeiro conto “príncipe montado num cavalo branco”, exagerado ao extremo como em momentos quando o personagem de Channing Tatum manda uma caixa com vários itens para a personagem de McAdams que está resfriada, ou pior, quando a mesma fecha a janela para sentir o pum do companheiro dentro do carro, gerando momentos vergonha alheia. Além disso, o cabelo/peruca de McAdams nos flashbacks é medonho!

Se McAdams mostra a mesma vivacidade de O Diário de uma Paixão, acredito que ela incorpore esta paixão de contos de fadas de maneira visceral, Channing Tatum continua sendo um ator limitado, não segura as cenas mais dramáticas. Não sei como um ator tão sem carisma (como Sam Worthington) consegue estar tão onipresente no cinema, além de Para Sempre, Tatum está atualmente em Anjos da Lei e A Toda Prova e futuramente em mais 5 filmes! Parabéns ao agente do ator!

Faltou ao roteiro criar personagens secundários mais “importantes” dentro do arco dramático do filme, tirando o foco somente sobre os protagonistas, muito mais que o elenco conta como Jessica Lange e Sam Neill, em papéis que até envolvem um reviravolta na trama, mas tem pouco espaço em cena. Se é para voltar ao plot “cara precisa reconquistar seu amor”, fico com a bobagem divertida Como se Fosse a Primeira Vez, com Adam Sandler e Drew Barrymore.

PARA SEMPRE: 4,0

Direção: Michael Sucsy

Roteiro: Jason Katims, Abby Kohn, Stuart Sender e Marc Silverstein. 

Com: Channing Tatum, Jessica Lange, Rachel McAdams, Sam Neill, Scott Speedman e Wendy Crewson. 104 min.