As Aventuras de Pi

avidadepi

O blog parece abandonado, mas ainda há vida por aqui! Continuo (tentando) deixar em dia as minhas queridas séries e relato os filmes que ando assistindo na página “Filmes vistos em 2012”, dito isto, para fugir do calorão aqui do Sul, nada melhor que uma sala de cinema; se nas últimas semanas os filmes não empolgavam muito (com o tsunami Crepúsculo em circuito), agora e a partir das próximas semanas, com a chegada dos filmes oscarizáveis, vai ficar difícil ficar longe dos cinemas.

Assim, começo com uma verdadeira obra-prima do cinema, se não pelas qualidades dramáticas, pela beleza, este é As Aventuras de Pi. Ang Lee (diretor de diversas obras, no mínimo, interessantes e diferentes entre si, como O Segredo de Brokeback Mountain, Hulk, Tempestade de Gelo, O Tigre e o Dragão e Razão e Sensibilidade), mostra, como recentemente Martin Scorsese mostrou, que a tecnologia  3D pode ter uma utilidade artística e estar incorporada dentro da narrativa do filme, não somente “atirar coisas” na platéia. Que beleza de 3D e que uso dentro da trama, são inúmeras sequências de uma beleza ímpar, com uso das mais diversas cores (lembrando a cultura indiana), e pensar que o Oceano é, praticamente, seu único cenário, quanta criatividade! Nem preciso comentar sobre a obrigatoriedade de ver o filme no cinema, imperdível!

Se a beleza (que inclui a direção de arte, efeitos, fotografia e etc) são para permanecer em nossa mente, o roteiro adaptado do livro de Yann Martel (que assumiu se inspirar num conto do escritor gaúcho Moacyr Scliar, Max e os Felinos), por David Magee (de Em Busca da Terra do Nunca) consegue, de uma maneira ou de outra, inserir de forma agradável diversas elementos religiosos ou filosóficos (dependendo do olhar) num filme tipicamente de “sobrevivência” adotando para isso, acrescido o talento de Ang Lee, o formato de fábula.

Para mim, esse é o achado do filme: a maneira como a narrativa desenrola, retratando feitos e sofrimentos do personagem Pi Patel após naufrágio, narrada pelo personagem já adulto, ir se transformando numa típica fábula de superação e fé. Assim, tudo pode acontecer conforme a criatividade do criador/narrador da história, deixando ao espectador o olhar crítico sobre a verossimilhança da mesma; se o espectador crê, no sentido de fé, reconhecerá que a trama exposta é verdadeira ou, no mínimo, possível, já o espectador mais descrente ouvirá ao final uma abordagem alternativa da história que também lhe satisfará.

Me agrada toda a narrativa inicial, desde a origem do nome de Pi Patel até sua “exploração” pelas religiões (com uma abordagem bem humorada), pois assim o roteiro prioriza a ligação do personagem com o espectador, algo importante se pensarmos que o mesmo é o único ser humano em cena em mais da metade da película; no entanto, também reconheço que o uso dos elementos religiosos no decorrer da narrativa por vezes soa gratuito e redundante, mesmo assim, volto a afirmar que fica ao espectador interpretar/absorver esses elementos.

AS AVENTURAS DE PI: 8,5

Direção: Ang Lee

Roteiro: David Magee

Com: Suraj Sharma, Irrfan Khan, Adil Hussain, Ayush Tandon, Rafe Spall, Tabu, Gerard Depardieu. 127 min. Fox Film

Tags: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: