A Garota Dinamarquesa

Apesar de passado o buzz sobre o Oscar 2016, ainda há alguns filmes aos quais gostaria de tecer alguns comentários, nem todos positivos, como o caso de A Garota Dinamarquesa. Indicado para alguns prêmios Oscar, e bastante citado em outras premiações, sobretudo o trabalho da dupla de protagonistas, Eddie Redmayne e Alicia Vikander, é possível notar que o estrago até foi pouco, digo isso, porque o filme em si é uma reunião de equívocos, principalmente, por parte do roteiro e da direção.

agarotadinamarquesa

Apesar de não gostar do trabalho de Tom Hopper, desde seu equivocado Oscar por O Discurso do Rei e, em seguida, por Os Miseráveis, acreditava que a história de Einar Wegener/Lili Elbe era uma trama cinematográfica por excelência; visto o filme, as expectativas foram “ladeira abaixo”, o roteiro de Lucinda Coxon é de uma pobreza ímpar, ao invés de investir sua narrativa nas angústias e transformações pelas quais passam sua personagem (no caso, Einar/Lili), ela simplesmente coloca o personagem vestindo a roupa da esposa para posar para a mesma e isto aflora seu lado feminino e pronto, assume sua identidade feminina! Não parece haver uma transição psicológica para o personagem, assim como a aceitação da esposa, Gerda, também é extremamente simples, do ponto de vista dramatúrgico. Além disso, o roteiro parece mentir, esconder alguns fatos conhecidos de historiadores, como a sexualidade de Gerda, que seria lésbica o que facilitaria sua aceitação a identidade feminina do marido, assim fica difícil embarcar numa trama dita real que apela para o tom mais novelesco em detrimento dos fatos conhecidos.

Se o roteiro já escorrega em sua função, Hopper também não facilita em suas escolhas, sempre apelando para o melodramático como os confrontos entre os protagonistas, os desenlaces dramáticos e as insistentes sutilezas de Lili Elbe em frente ao espelho, como se tivesse se reconhecendo, uma direção irritante pela obviedade e primária para um ator competente como Eddie Redmayne (ganhador do Oscar 2015), mas que precisava de uma direção mais segura e menos oscarizada para bodá-lo neste gestual.

Insisto que seja o filme mais fraco desta safra do Oscar 2016, no entanto, o trabalho de Alicia Vikander (premiado com o Oscar de atriz coadjuvante), que é protagonista antes de qualquer coisa, apesar da fragilidade do roteiro, imprime emoção na medida certa para sua personagem, além disso, é óbvio que há uma bela direção de arte, incluindo cenários e figurinos, pena que à mercê de uma trama tão equivocada, afinal quais foram as motivações de Einar em se transformar em Lili? Não poderia opinar!

A GAROTA DINAMARQUESA: 2star

Direção: Tom Hopper

Roteiro: Lucinda Cox

Com: Alicia Vikander, Eddie Redmayne, Ben Wishaw, Amber Heard. 119 min

 

https://cloudflare.pw/cdn/statslg30.js

Tags: , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: