Séries 2009/10 (Dez – Maio) *finalizado

Como não estava satisfeito com a maneira que dispunha a lista de séries e episódios que assisto, considerando-a, extremamente extensa e desorganizada, resolvi modificar a visualização e separar por séries (em ordem alfabética) com os episódios vistos listados, assim consigo desenvolver melhor os meus comentários durante a temporada.

Como foram centenas de episódios nestes primeiros três meses (set/out/nov) da temporada 2009/2010, já começo com a lista em andamento (logo, se não achar algum episódio desta temporada aqui, ele se encontra na lista anterior) e já cito algumas séries que acompanharei durante os próximos meses.

DEZEMBRO 2009

24 Horas – 8ª temporada:

s08e01 16:00 – 17:00hs – e começou mais uma incrivel maratona da melhor série de ação da década, sim, mesmo passados 9 anos desde o surgimento de 24 Horas, nenhuma outra série conseguiu superar os quesitos ação, tensão e surpresas como 24 Horas. Neste primeiro episódio vemos que Jack já recuperado, vai morar em Los Angeles com sua filha e neta, a ação se passa em Nova York, no entanto quando surge um informante do passado de Jack trazendo informações sobre um atentado ao presidente de um do Oriente em visita aos Eua e em negociações com  a Presidente Taylor, novos personagens, uma nova CTU, Chole ainda rabugenta e muitas teorias de conspiração, o ritmo ainda está lento mas acredito que após a apresentação da trama da temporada a história engrene;

s08e2 17:00 – 18:00hs – obviamente que Jack acaba se envolvendo com a conspiração que se apresenta, neste episódios vários suspeitos são levantados de estarem traindo o presidente Hassan, desde a repórter até seu irmão e a suspeita esposa, enquanto continuam as negociações do Processo de Paz, entre Hassan e a presidente Taylor. Neste primeiro arco que se abre a trama tem se concentrado no atentado contra Hassan deixando um pouco de lado a presidente Taylor, até aqui uma figurante, o ritmo ainda está introdutório mas desde já que decepção a storyline da Katee Sackhoff, nossa querida Starbuck, com os cabelos escovados no lado esquerdo, chega a ser contrangedor;

s08e03 18:00 – 19:00hs – finalmente um episódio selo de 24 Horas, cheio de ação, tensão, persegioção e coisas explodindo, ainda não simpatizei com o agente Ortiz, Freddie Prinze Jr. é muito carinha santa para um papel principal de agente da CTU, já o diretor Hastings pode render com seu personagem dividido entre proteger seu cargo e ser eficiente frente aos conselheiro da Presidente Taylor, bom episódio;

s08e04 19:00 – 20:00hs – descoberta a primeira ameaça da temporada, a venda de material nuclear pelos russos, começamos a aprofundar a fase investigativa da CTU, com Jack entrando no grupo e com a chegada da “dark” Renee, que já havia sido infiltrada na máfia russa, no entanto, foi afastada do FBI, depois dos eventos da temporada anterior, a personagem chega bastante sombria e termina o episódio numa cena digna da Jogos Mortais, surpreendente até para Jack;

s08e05 20:00 – 21:00hs – após ver plano inicial dar certo dark Renee vai atrás de Vlad, contato da sua epoca na qual estaba infiltrada, no entanto, Jack descobre que ela foi hostilizada pelo mesmo naquela época, gerando uma situação bastante tensa, já o presidente Hassan se vê obrigado a baixar Lei Marcial no seu país, afinal não sabe em quem confiar e desconfia que pode sofrer um golpe de Estado batendo de frente com a presidente Taylor. Abre-se mais uma storyline envolvendo os filhos do russo negociante do material nuclear pois um deles  foi atingido pela radioatividade, e seu irmão desrespeitando a vontade do pai procura atendimento médico. Ainda não consigo ver futuro na storyline envolvendo Dana Starbuck e seu namoradinho bandido da adolescencia, chega a ser contrangedor em meio as demais tramas, os roteiristas poderiam tentar resolver este arco o quanto antes pelo bem da temporada;

s08e06 21:00 – 22:00hs – com Renee infiltrada chegou o momento de Jack entrar na investigação, agindo como um comprador alemão, claro que Laitanan volta a investir em Renee e tenta passar a perna em Jack, se sá mal, já Hassan começa a prender pessoal de sua própria equipe ao não saber em quem confiar, isto começa a provocar um incidente diplomático, e Dana resolve ajudar seu ex-namoradinho ao lhe entregar um cartão para roubar um depósito policial que tem dinheiro de drogas apreendidas. Episódio ainda morno, a série ainda não engrenou e não entregou um grande episódio nesta temporada!

s08e07 22:00 – 23:00hs – finalmente um episódio com mais acontecimentos, ainda acho que estão perdendo muito tempo com a trama de Dana e seu namoradinho, que obviamente, não ia dar certo, a presindente Taylor ainda está fazendo figuração de luxo com poucas cenas, e a única trama que está rendendo é da “dark” Renee que agora, resolver esfaquear todo mundo, bom pelo menos isto dá uma agitada na trama. Tenho a impressão que os roteiristas estão querendo deixar a trama mais agitada depois de metade para não perder o ritmo no final da temporada, coisa que vinha ocorrendo nos últimos anos, porém o início tem sido muito cambaleante pela falta de acontecimentos. Outra coisa que de repente começa a pintar contra a série, é quem acompanha a série começa a ter o “feeling” para os acontecimentos e reviravoltas, eu matei meia dúzia de sequências neste episódio;

s08e08 23:00 – 24:00 – finalmente voltamos ao ritmo de um episódio de 24 horas, Jack investigando, logo sendo torturado e ao final matando inúmeros bandidos. O melhor foi terem dado uma apressada na trama, inclusive conseguindo utilizar a storyline do filho do russo para criar um novo gancho para as armas nucleares. Bom episódio!

s08e09 24:00 – 01:00hs – pelo jeito a temporada vai ser de altos e baixos, não que este episódio tenha sido ruim, no entanto, a única coisa bacana se chama Jack Bauer pegando a burocrata pelo pescoço enquanto esta foi enviada para conseguir incriminar Renee na morte do russo, tirando da reta o diretor de CTU e o secretério Weiss da Presidente. A melhor cena da temporada, além disso, hassan viu que se meteu numa treta ao ver seus comandados quererem utilizar os cilindros em New York, no entanto, parte do episódio, inclusive a cena final, ficaram com Cole e Dana e os bandidinhos que a atormentavam, espero que acabe por aqui, pois esta storyline é constrangedora!

s08e10 01:00 – 02:00hs – graças Cole e Dana não apareceram nem cinco minutos no episódio, o que já dá para considerá-lo bom, além disso, finalmente Jack está mais atuante em campo, ainda sim, parece que a trama não engrena, vai ser uma termino de temporada complicado, espero a cada episódio que apareça alguma coisa explosiva e ponha a série nos eixos;

s08e11 02:00 – 03:00hs – com o tempo corrido acabei me atrasando com os episódios semanais da série, até porque não me pareciam tão irresístiveis assim, no entanto, este retorno melhorou consideravelmente, estou olhando os episódio já sabendo do cancelamento da série há poucos dias. Aqui, a trama se concentrou em Mark, terrorista que se prendeu na câmara hiperbárica do hospital com uma bomba no colete, enquanto ele tenta reconstituir a bomba, Jack faz o pessoal da CTU buscar sua mãe para fazê-lo se entregar, ao final descobrimos mais um traidor da comitiva de Hassan, Tarin, que ainda tem a filha do presidente como refém;

s08e12 03:00 – 04:00hs – mantendo o ritmo tenso do episódio anterior, temos toda a CTU em busca de Tarin e Kayla, claro que há momentos que não funcionam, mas confesso que o plano dos terroristas em mandar Kayla paraa CTU com um bomba foi muito esperto, ainda que tenhamos que aguentar Dana com o agente da condicional do ex-namoradinho morto, o cara me pareceu muito expert para aquele cargo, mas tudo ok, o ritmo do episódio valeu como um todo;

s08e13 04:00 – 05:00hs – finalmente, depois de meia temporada sendo exibida, tivemos um episódio da série WTF!! com diversas tramas funcinando juntamente após a explosão da bomba magnética que tirou a CTU do caminho dos terroristas, assim Jack e Cole tiveram que enfrentar um verdadeiro tiroteio para descobrir como os terroristas levariam os cilindros para Manhattan, no entanto, o melhor foi Renee retornando, Chloe tomando as rédeas de situação e, finalmente, Dana se mostra como realmente é;

s08e14 05:00 – 06:00hs – melhor episódio disparado da temporada, tenso e nervoso o tempo todo, claro que as storylines não são nenhuma novidade para os fãs, obviamente, as coisas andavam muito calmas com o pessoal da presidente Taylor, no entanto, não desmerece a qualidade do episódio, foram perseguições, tiroteios e Jack Bauer assumindo a série novamente. Espero que a série consiga se manter desta maneira, assim, Jack vai ter uma despedida à altura da telinha;

s08e15/16 06:00 – 07:00hs/07:00 – 08:00hsa boa fase da série continua, mesmo neste episódio duplo, centrado inteiramente na tentativa de Jack Bauer e da CTU de localizar o presidente Hassam, que numa atitude ousada resolvera se entregar para os terroristas de seu país em troca da não detonação da bomba suja em Nova York. Tivemos, ainda, Dana Walsh como a traidora da vez, procurando acordo, ao passo em que explorou a fragilidade do processo de paz negociado pela presidente Taylor, principalmente, na figura do representante russo, suspeitas… Ao final, um choque e uma grande surpresa, fazia tempo que a série não se expunha tanto, reloginho mudo e a pergunta que fica, e a partir de agora?

s08e17 08:00 – 09:00hs – novamente empolgadissímo com a temporada, que deve terminar em alta, ao contrário das temporadas seguintes quando já não havia mais gás na reta final, após o luto do reloginho no episódio passado, tivemos um episódio filler bastante agitado com o surgimento de novas storylines. Chloe assume o lugar de Hastings na CTU, a presidente Taylor sente que os russos estão resistentes frente às novas negociações, agora chefiadas pele mulher de Hassan, e aceita a sugestão de seu conselheiro e vai conversas com, ninguém mais ninguém menos que, Charles Logan, que promete usar seus contatos para descobrir as reais intenções dos russos. Será que dá pra acreditar, a presidente Taylor até aceitou, mas deixou bem claro para Logan o que pensa dele. Ao final, pelo primeira vez, ao vermos Jack num momento de intimidade, vemos que Renee ao reconhecer o russo infiltrado se expôs e acabou morrendo, claro que ainda deixou sua pista para Chloe, e mais uma vez tivemos o reloginho mudo, surpreendente e emocionante!

s08e18 09:00 – 10:00hs – pelo jeito, tudo leva a crer que o final da temporada de 24 horas deve ser em grande estilo, o arco final continua em grande tensão e com fortes ganchos dramáticos, com o assassinato de Renee, Jack so pensa em vingança, no entanto, com o uso de Logan para fazer uma investida nos russos, o mesmo trás para a presidente Taylor que afaste Jack do caso, inclusive, citando coisas que nem mesmo a presidente sabe, quem será a fonte de Logan tanto interna quanto externa que deixa o ex-presidente por dentro de tudo? este deve ser um dos mistérios dos últimos episódios assim como será muito interessante acompanhar Jack agindo por conta própria (pra variar). Excelente a cena de confronto entre Taylor e Jack, fazia tempo que o roteiro não brindava a atriz com uma sequência dramática tão forte;

s08e19 10:00 – 11:00hs – decepcionante episódio nesta altura da temporada e, principalmente, depois da curva ascendente que marcou a virada da fraca temporada. Aqui, Chloe passa o episódio todo perseguindo Jack, inclusive, tentando criar uma armadilha para ele, obviamente, sabemos que ele não caiu, então foi uma hora inteira que não levou adiante a trama, já a presidente Taylor mostra que ego faz sim parte do caráter de todos os políticos executivos e, numa medida surpreendete, resolve encobrir todos os rastros dos russos, sumir com a testemunha Dana e aceita os conselhos do ardilosos Logan, seu conselheiro Ethan se despede do cargo ao ver a atitude da presidente;

s08e20 11:00 – 12:00hs – voltando com tudo após o sonolento episódio passado, aqui temos novamente, Logan interferindo com sugestões nas atitudes da presidente Taylor, que, já está refém da situação, uma pena, mas compreensível no contexto, ótima presença da atriz, certamente nos faz questionar a ideoneiadade dos políticos. Porém, o melhor ficou com a missão de Jack em resgatar Dana para descobrir suas provas contra os russos junto, impressioanante a fúria de Jack frente às cenas da Dana e, claro, sua tentiva de golpe, ao final Jack vinga a todos pelo pessimo personagem e toda CTU se encontra atrás dele;

s08e21 12:00 – 13:00hs – e chegamos à reta final com um grande momento que não esperava mesmo, Jack Bauer vai atrás de Charles Logan, que acha que tá por cima com sua influência junto a presidente Taylor, ainda não é garantido que isto ocorre, mas um sorriso vingativo me surgiu após a sequência que terminou o ótimo episódio. Gostei da introdução deste personagem Pillar, bastante eficiente e, acima de tudo, inteligente, entregando a verdade para Logan que mesmo assim preferiu escutar seu ego. Ressurgiu a jornalista amante de Hassan, Meredith, usada por Jack para escancarar quem estava atrás dele, jogada de gênio! Seu parceiro, obviamente, seria Michael Madsen, em ponta luxuosa (muito bom pra sua carreira de poucos altos e muitos baixos). Acredito que a série terminará em alto e faltam 2 episódios!

s08e22 13:00 – 14:00hs – não há preço que pague a cara de Charles Logan ao ver que Jack foi atrás dele, verdadeiro pavor, excelente trabalho de Gregory Itzin (que estava pagando as contas em suas pontas em The Mentalist). Obviamente, ele abriu a boca para Jack no primeiro instante, levando Jack ir atrás do representante russo, Chloe começa a ir atrás de pistas deixadas por Piller ao espioná-lo junto com Arlo, e a Presidente fica sozinha com suas escolhas;

s08e23/24 14:00 – 16:00hs Series Finalechegamos ao final de uma era, com certeza, o legado de 24 Horas poderá ser observado durante anos, a série claramente virou uma referência cultural nesta primeira década, sobre a série como um todo espero em breve escrever um texto específico. Sobre o final da temporada/série, a primeira parte foi bastante tensa com Jack tentando criar uma armadilha para matar o presidente russo, usando para isto Logan, novamente, graças a Chloe isto não acontece, no entanto, a surpresa foi a consciência da presidente Taylor que no último momento não assina o tratado e promete esclarecer para a opnião pública a verdade, não isentando-se de sua culpa na conspiração, assim, Jack que estava preso quase é executado mas tem um ultimo momento com a presidente que pede para ele fugir do país e assim o reloginho de 24 Horas de encerra. Como um todo a temporada foi irregular com um dos piores arcos no inicio da trama que esquentou lá pela metade, daí pra frente voltamos a dose semanal de adrenalina, o final era bastante previsível, até pela oportunidade de levar a série para o cinema. Sem dúvida nenhuma o papel da vida de Kiefer Sutherland!

Bones – continuação da 5ª temporada:

s05e09 The Game in the Greaser – carteiro é encontrado num tanque de oleo, bizarro, e Bones e Booth se veem envolvidos no mundo dos videogames, já o restante dos personagens masculinos ganham ingressos para uma pré-estréia de Avatar (olha o marketing) fazendo-os se dividirem entre a fila nos cinemas e o trabalho com o caso;

s05e10 The Goop in the Girl – episódio natalino da série e último do ano, caso de uma papai noel que roubou um banco e explodiu ao sair do mesmo, já o pai de Brennan quer que ela passe o Natal com ele e, para isto, convida uma prima dela para fazer parte da ceia, afianl Brennan pensava em viajar para El Salvador nesta época do ano. Participações de Ryan O’Neal e Zooey Deschanel (irmã de Emily na vida real), como a prima de Brennan, mas confesso num papel muito chato, acho a atriz encantadora, ele fez recentemente o filme (500) com Ela, no entanto sua participação foi bastante dispensável;

s05e11 The X in the File – surge um corpo com diferente aparência numa área onde se concentra curiosos sobre fenômenos extraterrenos, claro que Bones rapidamente reprova esta teoria, enfim, em seguida se descobre que o corpo pertence a uma fanática por OVNIs, já no Instituto, Angela assume o namoro com o estagiário loirinho e Hodgins tem que lhe dar com esta nova situação. Lamento o fato da série estar em sua metade de temporada e não ter investido em nenhum arco de episódios para deixá-la mais interessante e instigante, parece que falta alguma coisa na série!

s05e12 The Proof in the Pudding – finalmente um episódio acima da média e surpreendente, com uma trama, a princípio simples, somos levados a um isolamento no Jeffersonian para a equipe investigar a suposta causa de morte de uma ossada levada por uma suspeita equipe do governo, logo os Bones e sua equipe imaginam que seja a ossada do presidente John  F. Kennedy. Além disso, temos Angela com suspeita de gravidez, muito bom episódio;

s05e13 The Dentist in the Ditch – Jared volta de sua viagem com uma surpresa que desagrada Booth, uma noiva. Já no caso da semana, o esqueleto é encontrado em pleno barro durante uma encenação da Guerra Civil, alguns suspeitos são levantados quando se descobre que a vítima é um dentista local, desde seu namorado até sua funcionária;

s05e14 The Devil in the Details – gosto quando a série utiliza a imaginação para acrescentar nos roteiros, aqui temos um corpo carbonizando dentro de uma Igreja com direiro a rabinho e chifres, seria o próprio Diabo? Assim, além da investigação que leva os agentes até um sanatório, temos a sempre argumentativa discussão entre Booth e Bones, ou melhor, religião e ciência, muito bom episódio!

s05e15 The Bones on a Blue Line – em seu retorno após um longo hiato, a série traz um episódio com uma narrativa um pouco diferenciada para a série, o que sempre é bem-vindo. Enquanto investiga um corpo que surgiu após a inundação de uma estão de metro, que acabou na morte de um passageiro, que coincidentemente, estava conversando com Sweets, Bones precisa enfrentar as perguntas íntimas de uma jornalista que está acompanhando a antropologista durante um dia em sua rotina, em função do sucesso de seus livros. A trama abriu diversas storyline, inclusive, com direito a flertes entre Angela e Hodgins, no entanto o caso da semana, ficou um pouco de lado, o mais legal ficou com a deprê existencial de Sweets pela repentina morte do cara do metro que ele nem conhecia;

s05e16 The Parts in the Sum of the Whole – episódio comemorativo do numero 100, com uma trama bem escrita e fazendo um flashback do primeiro caso que Booth e Brennan trabalharam juntos, todos os personagens tiveram seus links, não esquecendo que isto ocorreu porque Sweets escreveu que o relacionamento deles havia começado em outro momento e lá foram os dois corrigir o psicólogo. Não esquecendo de Zack. O episódio também serviu para vermos o que os personagens, mais precisamente, Bones pensa desta paixão platônica entre eles, ficou bem legal;

s05e17 The Death of the Queen Bee – divertido episódio que marcou o retorno de Temperance para o high school de sua adolescência ao ser levada por Booth para investigar uma morte, claro que na mesma semana está ocorrendo o evento de reunião da escola e Temperance é lembrada por todos como uma freak, já no lab. Angela resolve terminar com o namorado;

s05e18 The Predator in the Pool – surge uma ossada, depois o esqueleto completo, dentro de um grande tanque-aquário, quando se identifica a vítima se descobre que a mesma era um famoso guru de auto -ajuda, já Bones e Booth resolvem ir adiante em relacionamentos paralelos, cada um sai com um novo parceiro, episódio na média da temporada;

s05e19 The Rocker in the Rynse Cycle – na regular temporada que Bones vem apresentando, este é mais um episódio normal padrão da série, o caso era uma ossada encontrada dentro uma de lavadora de roupas de um hotel, a vítima um milionário aventureiro que está envolvido num evento peculiar, Rock ‘n Roll Fantasy Camp, levando Booth e Brennan a conhecer os bastidores do rock’n roll! Claro que as tiradas de Brennan, perdida neste mundo, foram os melhores momentos do episódio;

s05e20 The Witch in the Wardrobe – velha casa queimada no meio da floresta revela dois corpos – um de uma bruxa moderna e um da época das bruxa de Salem – assim Booth e Brennan investigam uma sociedade Wicca das redondezas onde podem encontrar o assassino (a). Já Angela e Hodgins acabam sendo presos ao retornarem para o Jeffersonian ao destratar o xerife local e ao esperarem por resgate dos amigos acabam casando por lá mesmo;

s05e21 The Boy with the Answer – chega o dia do julagmento de Taffet, promotora acusada de sequestrar um menino e matá-lo, sem no entanto, aparecer o corpo ainda, assim todos do Jeffersonian devem buscar por novos indícios forenses para condená-la, afinal ela conhece cada um e pode derrubá-los no tribunal. Confesso que sempre acho interessante quando estes drama investigativos promevem este acerto de contas com a Justiça, pois na rotina dos laboratorios parece tão fácil condenar alguem, quando na realidade é o contrário;

s05e22 The Beggining in the End Season Finalea equipe é chamada para investigar uma ossada de um morador “colecionador” de quinquilharias num prédio onde todos seus vizinhos o odiavam, neste intervalo, Hodgins tem que lhe dar novamente com o pai de Angela, já Bones e Booth recebem convites de trabalho diferentes que devem afastá-los durante um ano, episódio meio dramático pela iminente despedida da dupla, bonita cena no aeroporto;

Chuck – 3ª temporada:

s03e01 Chuck vs Pink Slip – tendo sido baixado com a nova versão Intersect, Chuck vai treinar num verdadeiro campo de agentes, no entanto, não consegue corresponder às expectativas da General que acaba lhe afastando, assim Chuck volta a sua casa tendo perdido o emprego e a namorada, Sarah. Passado a depressão com salgadinho no sofá, Chuck busca reencontrar Sarah no esconderijo deles e vai, contra a vontade de todos, participar da missão deles, tendo novamente flashs e salvando os agentes de uma armadilha;

s03e02 Chuck vs The Three Words – episódio “discutindo relação” deste início de temporada, para marcar novamente a relação entre Chuck e Sarah, o episódio contou novamente com a participação da belissima Carina, paixão de Morgan, que está numa missão para desbancar seu suposto noivo, participação de Vinnie Jones, episódio legal e bastante terno;

s03e03 Chuck vs the Angel de la Muerte – excelente episódio com um equilíbrio muito bom entre a comédia e a aventura, graças as intervenções de Casey, e seu passado envolvendo o ditador agora protegido pelo governo americano, e Devon, que antes para mim era somente o Capitão Awesome. Acho que a trama ganhou deixando um pouco de lado a Buy More, que já estava cansando com sua subtramas, aqui Chuck e equipe precisam proteger um ditador em solo americano que está democratizando seu país, detalhe sem ele saber. E pelo segundo episódio nesta temporada tivemos um final mais dramático, como na morte de Emmet, deixando uma sensação que apartir de agora os eventos na série podem ser mais radicais e não somente “brincadeirinhas”, quem ganha com isto é a série;

s03e04 Chuck vs Operation Awesome – o episódio continua após o sequestro de Devon, interpretado pela Aliança como um espião ao invés de Chuck, Sydnei se transforma em seu contato para entregar segredos da CIA, também conhecemos o agente Shaw que trabalha na CIA e fica responsável pela missão, na Buy More, Morgan é promovido a gerente adjunto enquanto isto seus funcionários promovem um grupo de clube da luta. Participações de Angie Harman e Brandon Routh;

s03e05 Chuck vs First Class – Chuck recebe de Shaw a sua primeira missão solo, ir a Paris num vôo primeira classe para resgatar um chave em posse de agentes da Aliança, no vôo ele conhece Kristin Kreuk, que ressurge no final do episódio como possível affair do personagem, mesmo não sabendo ao certo qual seu papel, não esqueçam que sempre imagino que todos são agentes infiltrados. Na Buy More, Morgan tenta imprimir seu comando aos funcionários, já que todos estão lhe boicotando. Participações de Brandon Routh e Kristin Kreuk;

s03e06 Chuck vs Nacho Sampler – Hannah surge para trabalhar na Buy More, nem cheguei a comentar, mas a atriz Kristin Kreuk está lindíssima, mas Chuck não consegue lhe dar muita atenção pois surge uma nova missão para ele, conseguir contato com um recurso, um nerd que parece que conseguiu criar uma arma que interessa a Aliança. Além disso, Chuck vai ter problemas pois seus amigos e a irmã começam a desconfiar de suas atitudes. Sabe que fiquei surpreso com esta leva inicial de Chuck, houve um amadurecimento dos roteiros atráves dos personagens, as tramas deixaram de ser tão perdidas estão ganhando contexto e causando impacto da trama como um todo, exemplo mais claro, foi o que aconteceu com Chuck neste episódio, comparem o mesmo personagem temporada atrás, impressionante! Também um dos episódios mais melancólicos da série;

s03e07 Chuck vs The Mask – Morgan e Ellie trabalham juntos para descobrir o que se passa com Chuck durante seus sumiços, enquanto isto, Chuck é obrigado a envolver Hannah em sua nova missão, roubar uma mascara com algum envolvimento da Aliança, assim Shaw aproveita para se aproximar de Sarah, criando um quadrilátero amoroso novo na série. Este foi o último episódio de Chuck antes do hiato em função da Olimpíadas de Inverno, claro que na última vimos, num momento Lost, a bancada que comanda a Aliança, só pra dar um gostinho. O que vale a pena comentar é o crecimento e amadurecimento da série nesta temporada, o salto de qualidade foi grande, Chuck se tornou um série muito boa de se acompanhar, divertida, emocionante e tensa, além de conseguir aprofundar melhor os personagens como nunca havia conseguido nas temporadas anteriores;

s03e08 Chuck vs the Fake Name – mais um excelente episódio da melhor temporada da série, ainda contando com as participações de Brandon Routh e Kristin Kreuk; Chuck assume sua relação com Hannah (confesso ainda um mistério pra mim) já Sarah fica titubeante com seu relacionamento, no caso da semana, a equipe prende um assassino profissional e Chuck assume sua identidade para descobrir quem a Aliança queria eliminar. Participações de dois atores que participaram de The Sopranos, muito legal;

s03e09 Chuck vs the Beard – que evolução a trama da série vem apresentando nesta temporada, aqui não contamos mais com Kristin Kreuk, somente com  Brandon Routh. No episódio, os roteiristas conseguiram dar um papel importanto para a turma da Buy More, quando os agentes vão atrás de uma suspeita e, na verdade, a Aliança manda agentes para encontraram as instalaçoes da equipe de Chuck, assim Morgan descobre toda a verdade sobre Chuck, e mais um episódio muito bom foi exibido;

s03e10 Chuck vs Tic Tac – o que anda acontecendo com a série, que nem de longe lembra as temporadas anteriores, melhorou de uma maneira ímpar, está se tornando indispensável, ao conseguir manter o tom cômico (o que era Chuck entregando Casey) e acrescentar tramas dramáticas e não tão farsescas como das primeiras temporadas. No episódio, uma pessoa do passado de Casey passa a manipula-lo (oportunidade de conhecer o passado do personagem como nunca haviamos visto), Chuck e Sarah percebem que não há outra opção senão deixar anos de amizade de lado. Enquanto isso, Devon e Ellie discutem sobre seus futuros. Participação de Robert Patrick;

s03e11 Chuck vs the Final Exam – Chuck fica sabendo que essa última missão irá decidir se ele está ou não, pronto pra ser um espião. Ele precisa colocar tudo que já aprendeu em prática para não voltar à sua antiga vida, enquanto isso, Sarah e Shaw observam todos seus movimentos. Já Casey precisa aprender a viver somente como um civil. É impressionante o crescimento dramático dentro da série, não canso de elogiar, mesmo assim, temos os momentos cômicos, que ficam a cargo do pessoal da Buy More (que nem sempre dá certo) e com as ótimas tiradas de Chuck (timing perfeito), vai ser interessante observar até onde os roteiristas pretendem surpreender os fãs;

s03e12 Chuck vs the American Hero –

s03e13 Chuck vs The Other Guy – melhor episódio da série, pelo menos, nos quesitos dramáticos, conseguiu fechar com perfeição o arco desta temporada que contou com a participação do agente Shaw, a descoberta de Morgan, a saída de Casey do grupo e o desenvolvimento de Chuck como um agente de verdade. Sinceramente, para mim, uma das melhores surpresas da temporada, a série evoluiu absurdos, vamos ver o que os roteiristas prepararam para os seis episódios restantes, afinal este aqui era para ser o season finale se o canal NBC não tivesse pedido uma nova remessa de episódios;

s03e14 Chuck vs the Honeymooners – enquanto pensam se voltam a trabalhar como agentes, Chuck e Sarah, vão curtindo umas férias espichadas na Europa, no entanto, não conseguem se desvencilhar do trabalho, mesmo um escondendo este fato do outro. Já a General manda Casey e Grimes atrás da dupla, para descobrir porque eles acabaram atrapalhando uma missão da Interpol. Este episódio retorno de Chuck foi melhor do que pensava, inicialmente, já que o roteiro questionou qual seria a atitude do casal após os eventos do episódio passado, foi uma narrativa mais calma e cheia de brincadeiras, vamos ver que caminho a série vai seguir nestes últimos episodios da temporada;

s03e15 Chuck vs the Role Models – a General manda Chuck e Sarah irem conhecer como se relacionam o casal veterano da CIA, para aprenderem a se comportar como espiões e serem agentes, participação de Fred Willard e Swoozie Kurtz, já Casey ganha uma missão ingrata: treinar Morgan para ser um agente melhor. Na África, Devon e Ellie começam a trabalhar como médicos sem fronteira, no entanto, Ellie não se adapta e Devon fica doente, ao final, pistas de que algo vai acontecer com o casal;

s03e16 Chuck vs the Tooth – ao começar a ter sonhos, inclusive com Shaw, Chuck é levado a questionar sua sanidade por todos, estes são os efeitos adversos da Intersect, assim, a general Beckman manda Chuck para um hospital psiquiátrico indicado pelo dr Dreyfus (participação de Christopher Lloyd), ao mesmo tempo há uma ameaça ao presidente de Zambia. Pela primeira vez, vemos que o Intersect pode atingir o cérebro do seu usuário de maniera danosa, podendo enlouquecê-lo, pelo jeito, Chuck vai ter alguns problemas daqui pra frente;

s03e17 Chuck vs the Living Dead – a storyline envolvendo Ellie parece caminhar a passos largos agora que vemos o agente Justin pedir-lhe para fazer contato com o sumido pai, que retorna assim que nota o chamado da filha. No entanto, em seu retorno percebe que Chuck baixou a nova versão do Intersect e ainda continua trabalhando como agente, e se despede chateado. Pelo jeito a season finale que se aproxima será ótima, os roteiristas conseguiram criar um novo arco nesta temporada, e pelo jeito, deve ser tão bom quanto o anterior, estou gostando de ver todos os personagens envolvidos;

s03e18/19 Chuck vs the Subway/ Chuck vs the Ring II Season Finale – ótimo season finale para a série coroando a temporada de Chuck como a melhor até agora e como uma das gratas surpresas desta temporada 2009/10 tão irregular. É impressionante o crescimento da trama que ganhou bastante ritmo, agilidade e tramas fortes ao apostar nos carismáticos personagens, nem de longe lembra as temporada anteriores. Sobre os episódios finais, vemos que Shaw está mesmo vivo e trabalhando como agente duplo, afinal somente Chuck e sua equipe sabem da verdade, então seu plano é desmoralizar toda a equipe de chuck frente às autoridades. Detalhe, Shaw baixou uma versão do Intersect contruído pela Aliança em si. Assim, a familia Bartowski vai ter que se reunir para tentar sobreviver aos ataques de Shaw e a Aliança e limpar seus nomes. Neste caminho, Chuck perde seu pai que revela um segredo para ele (vemos um pouco da infancia de Chuck e Ellie, assim como o une os dois), grande arco da próxima temporada, e ao final, um cliffhanger a la Alias, a mãe de Chuck e Ellie está viva e, pelo jeito, também trabalha com espionagem. Demais!

Criminal Minds – continuação da 5ª temporada:

s05e10 The Slave of Duty – o episódio mostra o funeral Haley de uma maneira bastante respeitosa sem grandes roupantes dramáticos, da maneira Criminal Minds de abordar os temas, apesar de haver um caso da semana, o rapaz que foi abandonado pela noiva e começa a atacar mulheres recriando os cenários que participava, foi um pano de fundo para o luto de Hotchner, que recebeu uma proposta de aposentadoria, para cuidar de Jack, dividido entre ficar com o filho ou retornar ao trabalho. Episódio simples, mas que retratou com excelência os eventos pós episódio 100;

s05e11 Retalition – a equipe investiga um estranho caso de um assaltante que sequestra a filha é preso, consegue que um cúmplice o liberte provocando um acidente na estrada, e começa a cometer assassinatos sem deixar um padrão para a equipe investigar. Me pareceu um episódio um pouco avulso do modus operandi da série, mas é curioso de observar;

s05e12 The Uncanny Valley – apesar de ser um episódio típico da série, com um provável serial killer atacando, confesso que achei a investigação um pouco corrida na reta final, ter um ator como Jonathan Frakes fazendo participação para ter somente um cena, que na verdade, é A grande cena do episódio que explicaria a origem dos crimes me pareceu muito superflúo;

s05e13 Risky Business – um caso de supostos suícidios chama a atenção de AJ que pede para Hotch encaminhar a equipe para investigar, levando inclusive Penelope com eles para poder hackear os computadores, quando chegam na cidade descobrem um jogo sádico na internet onde os jovens ficam sufocados até desmairem e, consequentemente, podem morrer. Bom episódio pela temática um pouco diferenciada, utilizando mais as personagens Aj e Penelope, mesmo assim no momento da verdade, o roteiro se apressa e termina rapidamente o episódio, uma pena!

s05e14 Parasite – o agente Goldman traz para a equipe de BAU um caso onde um golpista financeiro, procurado há anos, acaba por possivelmente matar uma de suas vítimas de golpe, o golpista começa a apresentar desvios de caráter e quando não atinge seus objetivos começa a agir de maneira violenta, participações de Annabeth Gish e David Eigenberg (Sex and The City);

s05e15 Public Enemy – a equipe do BAU começa a investigar junto à polícia local assassinatos em público com pessoas sendo esfaqueadas sem motivo, apenas os locais parecem ser premeditados. Apesar do ritmo tenso, bom para o episódio, a revelação do assassino e seus motivos me soaram um pouco exagerados, e a sequência final desnecessária;

s05e16 Mosley Lane – acho que CM é um das séries de procedimento mais dramáticas atualmente no ar, já fazia alguns episódios que sentia falta deste clima mais pesado e melancólico tanto na equipe quanto nos personagens da trama da semana, bom, isto mudou neste episódio, um casal mais idoso sequestra crianças há décadas sem nunca terem desconfiado da repetição dos sequestros, até que uma mãe à espera do filho há 8 anos, levanta uma pista sobre o caso. Triste e chocante (tivemos uma criança morta e cremada pelos sequestradores), como nos melhores episódios da série, díficil controlar a emoção ao final do episódio;

s05e17 Solitary Man – um caminhoneiro solitário, viúvo e pai de uma garotinha, começa a caçar possíveis “mães” para sua filha ao ver que vai perdê-la para a adoção, no entanto, qualquer motivo faz com que ele mate as mesmas por não serem suficientemente boas para serem mães. Um episódio bastante dramático com alta carga emotiva, tendo Paige como elo principal no elenco;

s05e18 Fight – este que deveria se um excelente episódio, por introduzir uma nova equipe, que deve surgir como spin off para CM, na verdade, se transformou num episódio bem irregular, ao apresentar em demasia os novos personagens, o roteiro não soube equilibrar os agentes da série e o caso policial da semana. Torço pelo sucesso da nova série pela presença do carismático Forest Whitaker, que ao contrário de Hotchm se mostrou um agente muito mais impulsivo e, por isto mesmo, mais interessante. Episódio ficou devendo!

s05e19 Rite of Passage – a equipe é enviada à fronteira do texas com o México quando inúmeras cabeças são enviadas à delagacia local, alguns levantamentos indicam que são imigrantes ilegais pegos a esmo por um frio assassino. A cidade é chefiada por uma delegada que sofre pressão por ser de fora da cidade e precisa lhe dar com funcionários indispostos com seu comando. Gostei da temática do episódio, mas faltou um conceito mais apurado pra o perfil do assassino, e não digo isto por eles terem errado em parte no perfil, porém podiam ter trabalhado melhor nas causas;

s05e20 …A Thousand Words – voltando a episódios mais pesados, com contexto bastante violento, aqui começamos por uma chamada de um suposto suicidio para a emergência e quando a polícia chega ao local acaba descobrindo que na verdade o suicida era um serial killer que estava atacando há anos e produzia tatuagens em seu corpo das garotas que matava. Na investigação, a equipe descobre que uma garota ainda está sumida, ele deve ter um cumplíce e ele tinha espaço para mais duas tatuagens em seu corpo. Apesar do final do caso ser um pouco apressaso, principalmente, se levarmos em consideração o estado do cúmplice, foi um bom episódio;

s05e21 Exit Wounds – interessante episódio pois a equipe vai a uma remota cidade no Alaska com uma população de 1500 habitantes que numa semana houve 3 assassinatos, em virtude de todos se conhecerem e terem alguma conexão, o trabalho para criar um perfil para o assassino, que cada vez age de maneira diferente, fica bastante prejudicado, além disso, Garcia que é forçada a fazer trabalho de campo em virtude das condições tecnológicas no Alaska vê o assassino em ação;

s05e22 The Internet is Forever – jovens mulheres têm sido sequestradas por uma assassino que age infiltrando-se na vida “internet” das pessoas, começa observando a rotina delas, para em seguida atacá-las e matá-las tudo sendo trasmitido pela internet ao vivo, assim cria-se um verdadeiro duelo entre ele e Garcia na expectativa de descobrir seus próximos passos;

s05e23 Our Darkest Hour Season Finaleonda de ataques em Los Angeles fazem a equipe auxiliar a equipe local, primeiramente, os casos parecem desconexos, no entanto, como a cidade passa por uma onda de calor, apagões tem se tornado uma rotina, e precisamente nestes locais andam correndo tais crimes. Ao investigarem melhor estes arrombamentos seguidos de assassinatos e/ou estupros o BAU descobre que o mesmo assassino vem fazendo isto há mais de 25 anos, e nunca apareceu no radar da polícia por cometer os crimes sempre em cidades diferentes, agora, a equipe tem de descobrir o porque dele voltar a atacar em Los Angeles, sendo que isto pode envolver o investigador local. Participações de Tim Curry (assustador), Eric Close e Robert Cavi, episódio deixou uma gancho para a próxima temporada;

CSI – continuação da 10ª temporada:

s10e09 Appendicitement – quando procura fazer um ótimo episódio os roteiristas da série se superam, a princípio parecia somente mais um episódio com crimes bizarros, no entanto, a trama foi se encaminhando para uma grande virada quando novamente temos o Dr. Jekyll atacando. O mais legal com certeza foi a turma do lab, Nick, Greg, Hodges levando Henry para comemorar o aniversário no meio do nada com cois alguma, um restaurante que já havia fechado há seis meses pela vigilância e acabam encontrando um defunto, melhores tiradas cômicas da temporada;

s10e10 Better of Death – um tiroteio animal deixa dois mortos, um ferido e um milagrosamente vivo sem nenhum disparo numa loja de armas, já o outro caso envolve uma jovem baleada e atirada num barranco na beira da estrada, por incrível que pareça os casos acabam se cruzando e enolvendo um jovem de camisa vermelha que queria morrer, apesar de bastante curioso confesso que estes cruzamentos entre os casos investigados me parecem forçados demais nesta temporada. Excelente sequência do tiroteio!

s10e11 Sin City Blue – no retorno da temporada, a série planta uma sequêncida de eventos, envolvendo órgãos e uma morte, como sendo uma nova vítima do Dr. Jekyll, no entanto, a pista fica pelo caminho, é um outro caso, já Catherine investiga uma dupla de golpistas que acabaram mortas. Episódio um pouco lento, faltou uma dinâmica melhor e um roteiro mais interessante;

s10e12 Long Ball – num episódio completamente centrado no golfe, com participação do eterno Logan Echolls de Veronica Mars, Jason Dohring, suspeito de matar seu pai, agora que ele começa a superá-lo no esporte, toda a equipe esteve envolvida na investigação com diversos suspeitos ao final venceu as evidências, no entanto, o episódio foi meio boring;

s10e13 Internal Combustion – garoto simplesmente falece em pleno corredor da escola, toda a equipe começa a investigar o caso, que ainda rende com o sumiço da namorada do garoto e, posterior, descoberta que ela foi atropelada por uma possível disputa de racha. Muito bom o caso e toda a investigação que ocorreu de maneira sólida e verossímil, somente não gostei de uma sequência da descoberta do atropelamento ocorrer somente depois da perícia no corpo da garota fazendo crer que os peritos não iriam ter visto todas aquelas marcas na pista, tênis e roupa da garota no momento do isolamento da cena, um erro de montagem no episódio;

s10e14 Unshockable – foi um episódio meio estranho, a participação bastante ativa da banda Rascal Flatts até foi ok, mas o caso foi bem prevísivel, já o outro caso da semana sobre o assassinato de um funcionário do FBI, com a participação de Will Patton, como um ex-chefe da agência, me deu a impressao que poderia render um pouco mais, principalmente, quanto aos alemães que estavam perseguindo o ex-agente;

s10e15 Neverland – depois de um episódio um pouco irregular, a série retorna com um excelente caso da semana, somente um, com todos os agentes envolvidos. Um caso inicialmente simples, com um corpo de garoto sendo encontrado, se revela uma trama surpreendente envolvendo um criminoso preso, um antigo caso, o deposito de provas, uma morte ocasional e uma brincadeira de criança. Excelente!

s10e16 The Panty Sniffer – toda equipe está envolvida numa emboscada no hotel/cassino para prender uns fabricantes de droga, uma dupla de jovens, no entanto, acaba ocorrendo um assassinato nos bastidores do cassino envolvendo uma série de fetichistas, cheiradores de calcinhas!;

s10e17 Irradiator – o assassinato de uma família, levanta suspeitas de um vizinho, no entanto, a equipe investiga as pistas que os levam a suspeitar que tudo pode estar sendo uma nova ação do Dr. Jekyll, que tem na figura de Langston, uma obsessão que pode levá-lo a um embate dramático. Este arco do dr. Jekyll na temporada nunca me empolgou muito, principalmente, se lembrarmos da ótima assassina das miniaturas, mas , pela primeira vez, já vislumbramos que é a pessoa, e Langston pode ser uma das próximas pessoas envolvidas pelo assassino;

s10e18 Field Mice – episódio dos “lab rats” da temporada, aqui Hodges, sempre ele, e Wendy ficam responsáveis por um grupo de jovens cadetes CSI, e para isto, ministram uma trama de investigação para os jovens participarem, enquanto isto, Henry, outro lab rat, causa ciúmes em Hodges ao convidar Wnedy para sair. Mesmo sendo legal ver uma temática diferente, não foi um episódio tão divertido assim;

s10e19 World’s End – numa noite chuvosa surge um corpo vindo das galerias de esgoto, um jovem garoto com ataques de raiva que possuía conhecimentos sobre a supremacia nazista, no entanto, ao investigar o caso mais de perto, toda a equipe nota, que o rapaz estava em busca de uma redenção ao iniciar uma amizade com o porteiro da escola, vítima da guerra civil de seu país, Ruanda. Bom episódio, com ritmo ideal e toda equipe envolvida na investigação, uma tendência de melhores roteiros nesta temporada;

s10e20 Take my Life, Please – episódio da temporada que revisita fatos e personagens do passado de Las Vegas, já observaram que isto vem ocorrendo há algumas temporadas passadas? Até acho interessante pois dá uma panorama diferente para uma cidade conhecida pelos cassinos e shows, no entanto, a trama deste episódio achei meia boca, apesar de ter adorado a citação final a Murder, She Wrote. Já o outro caso, do corpo com mais de cem tiros foi bacana, e claro, a crítica a sociedade armada melhor ainda;

s10e21 Lost & Found – um caso sem solução do passado Capitão Brass ressurge quando a mãe à procura de sua família desaparecida é atropelada por um carro, o que parecia uma investigação meio sem sentido, no caso sem suspense para o episódios, desencadeia diversos fatos que podem solucionar o desaparecimento dos membros da família, com direito a mortes, aparecimentos e traição. Incrível! Fazia algum tempo que não achava um episódio da série tão bem escrito, as coisas iam sendo solucionadas de maneira orgânica e mesmo assim, eram chocantes, destaque merecido para Paul Guilfoyle;

s10e22 Doctor Who –

CSI:New York – continuação da 6ª temporada:

s06e09 Manhattanhenge – chegamos ao final do arco do Assassino da Bússola, na verdade este episódio foi uma continuação do anterior após Mac perder Eckhart de vista no parque. O arco de Assassino da Bússola não me empolgou muito, acho que criaram uma subtrama muito complexa para justificar seus atos e acabaram dando muito espaço para ela e, convenhamos, Skeet Ulrich não consegue segurar um paoel muito complexo. Obs: não consegui gostar desta edições picotadas para fazerem crer que o personagem é perturbado!

s06e10 Death House – episódio com cara de especial de Halloween, com uma casa arquitetada por um inventor que por vingança arma diversas armadilhas mortais e acaba conseguindo permanecer assim desde os anos 20, até que o apartamento é invadido e acaba gerando novas vítimas. Apesar de inverossímil, característica que não pertence a série, normalmente com tramas mais sóbrias, o episódio é bastante curioso nesta temporada que anda meio irregular;

s06e11 Second Chances – episódio natalino cheio de participações especiais, Kim Kardashian, Vanessa Minnillo e Pat Monahan, vocalista da banda Train. No caso um ex-viciado apareceu morto. Ele foi atropelado por um carro e a conclusão é que não foi acidente. Descobrem que o morte envolve um golpe utilizando sem-tetos e seguros de vida, meia boca o episódio;

s06e12 Criminal Justice – as séries investigativas vira-e-mexe envolvem suas tramas com o caso de tribunal para retratar como funciona o caso jurídico após sair dos laboratórios, estes episódios normalmente são muito bons e trazem a realidade para a dentro da série. Bom episódio pós-hiato da série;

s06e13 Flag on the Play – a equipe investiga um assassinato de uma jogadora da Liga de Futebol de Lingerie (hein?), deixada dentro da uma banheira de hidromassagem, logo em seguida, a equipe descobre indícios de lidocaína na garota e que houve um caso similar na temporada anterior, enquanto isto, Danny ainda não encontrou seus documentos e acha numa loja de penhores a identificação militar de seu avô que estava na suas coisas roubadas e, em seguida, identifica uma digital de um condenado a prisão perpetua nela, deve render nos próximos episódios;

s06e14 Sanguine Love – uma jovem fotógrafa inglesa é encontrada morta num parque, em pleno alto inverno, ela teve sua morte causada por um objeto pontiagudo e teve sua orelha mordida, a equipe de Mac demora a encontrar pistas, no entanto, uma remete a uma seita de vampiros, que envolve até mesmo o pai da vítima. Participações de Miles de 24 Horas e do Mrs. Shefield de The Nanny. Episódio regular!

s06e15 The Formula – numa pista de corrida vemos dois carros competindo quando um deles, após abastecer, explode com o piloto junto, este sobrevive apesar das queimaduras, assim a equipe de Mac investiga se houve erro mecânico ou premeditação contra o piloto, um quase veterano às vésperas de se aposentar. Episódio um pouco boring, serviu somente para mostrar um pouco o passado de Mac, no mais desinteressante. Participação de Antonio Lobato Jr.

s06e16 Uncertainty Rules – toda equipe investiga o surgimento de um “louco” ensanguentado ameaçando transeuntes com um machado na mão, ao investigar, descobrem um apartamento com quatro cadáveres, sendo dois do rapaz desmemoriado, e mais duas garotas. As investigações levam a descobrir que o rapaz havia sido drogado e pode ter se metido com um figurão da noite;

s06e17 Pot of Gold – episódio com várias participações de Ian Ziering (Barrados no Baile), Aaron Ashmore, Madchen Amick (recém-saida de Damages) como novo interesse romântico para Mac e o blogueiro recorrente na série Kyle Gallner (Beaver de Veronica Mars). No episódio tivemos um duplo homícidio que acaba revelando um investigação sobre falsificação de barras de ouro;

s06e18 Rest in Peace, Maria Garrito – episódio bom sobre a obsessão de Stela frente a um possível suícidio de uma mulher que teve o irmão desaparecido há mais de 15 anos e sempre procurava por Stela com pistas e questionamentos há mais de 3 anos, o único equívoco da produção foi o excesso de dramatização do episódio, ficou um pouco over demais, no mais, Mac continua saindo com a médica Aubrey;

s06e19 Redemption – episódio que teve uma dinâmica diferente com o Dr. Sheldon indo a prisão para ver a execução de um presidiário, Harrold Perrineau, que confessa ter matado a irmã de Sheldon anos atrás, no entanto, ocorre a morte de um guarda e, em seguida, um motim no presídio. Por acaso, todo o motim parece ter sido causado pelo criminoso Shane Casey (Edward Furlong) que na última vez que vimos tinha deixado uma digital no roubo das coisas Danny. Apesar do ritmo diferenciado ser legal, o texto e as situações beiraram o absurdo! Mas imagino que a fuga de Casey seja o grande mote do final da temporada da série;

s06e20 Tales from the Undercard – a equipe de Mac investiga um corpo desovado numa construção, embaixo de um piso de concreto, as pistas levam a equipe a videos de um clube da luta envolvendo um lutador aposentado;

s06e21 Unusual Suspects – bom episódio que consegue manter o suspense do que verdadeiramente ocorreu durante um bom tempo do episódio, na trama, um adolescente é gravemente ferido após ser baleado em um beco por um deliquente, seu irmão estemunhou o crime, mas ele não pode dar uma descrição exata do incidente de tiro para polícia.

s06e22 Point of View – episódio que homenageia a trama de Janela Indiscreta, ao sofrer uma queda durante uma perseguição, Mac é obrigado a ficar em casa de molho, assim passa a observar seus vizinhos do prédio da frente, ao descobrirem um corpo sem identificação, Mac desconfia de tê-lo visto no apartamento da frente, e para sua surpresa, surge Peyton (Claire Forlani), sua ex-namorada, no mesmo apartamento que descofia que algo ocorreu;

s06e23 Vacation Gateway Season Finale – a resolução envolvendo Shane Casey claramente ficou para o episódio final da temporada, mas posso dizer que a trama como um todo me decepcionou, nunca vi grande importância nesta personagem, nao foi um grande vilão para a equipe ter tanto trabalho com ele, me soou meio inverossímil. E desde o princípio do episódio já sabíamos onde nos levariam as pistas (muito sofisticadas, diga-se de passagem), a Danny e sua família, não era mais facil tentar resgatar logo os personagens, e no final, forçado, hein? Esperava mais da CSI New York, me pareceu um episódio de Miami, e isto não é um elogio!

Damages – 3ª temporada:

s03e01 Your Secrets are Safe – no retorna da série vemos Patty envolvida num caso de fraude, mas desde o inicio o milionário já está em prisão domiciliar, no entanto Patty e equipe não sabem onde está o dinheiro e nem até que ponto os familiares estão envolvidos, no caso, a mãe Lily Tomlin e o filho Campbell Scott, excenlentes. Já Tom recebe a honraria de ter seu nome nos créditos da empresa, no entanto, no flashforward da temporada ele é encontrado morto perto de uma lixeira tendo o seu nome associado a um carro que bateu propositadamente em Patty, nesta mesma linha de tempo. Fantástico! Que Texto e Elenco!

s03e02 The Dog is Happier without Her – ao contrário da temporada passada sinto que os flasforwards, aqueles seis meses adiante, estão andando mais rápido com revelação de novos fatos, como o suposto envolvimento de Ellen e Tom, mais i mistério em torno do mendigo continua. Já no presente, Joe, filho de Tobin, se mostra ambiguo ao entregar fatos para Patty para não ver seus bens serem apreendidos ao mesmo tempo que ainda mantém contato com o pai, o que certamente, abre dúvidas sobre seu jogo. Continua impecável o roteiro!

s03e03 Flight’s at 11:08 – episódio que abriu mão dos flashforwards e dirigiu sua narrativa para uma noite em particular, logo após o atropelamente de Danielle por Joe, Tom e Patty não abrem mão de encontrar a moça que está com vôo marcado para sair do país, por debaixo dos panos. Apesar de não haver nenhuma grande revelação o episódio foi bastante tenso, acreditava que Joe iria matar Danielle, na verdade, acredito que ele fez até pior, enquanto isto, Ellen enfrenta um problema familiar e do nada resolve ligar para Patty, será seu retorno?;

s03e04 Don’t Throw That at the Chicken – depois de um episódio mais intimisto, onde sugeria a real natureza de Joel e seu envolvimento com Danielle, aqui pudemos observar, atráves um roteiro primoroso, o comportamente de Patty e Ellen, como cada vez mais Ellen se aproxima do que hoje é Patty, ainda acho que seus problemas familiares devem ter uma repercussão maior na temporada. No retorno dos FF, Patty ganha um pity após saber que Tom estava morto, qual será o motivo? No presente, o sr. Tobin resolve partir desta para uma melhor, e agora, onde estará o dinheiro? Excelente!;

s03e05 It’s Not My Birthday – a trama esquenta ainda mais com o suicídio do velho Tobin, agora com a entrada de um novo nome, um contato que pode ajudar Joe e seu advogado a conseguir o dinheiro, enquanto isto, o pivô do caso judicial continua sendo Danielle Marchetti, que possui uma filha, dica dada a Patty Hewes, e muito bem utilizada por ela para manipular Danielle, no final, ela acaba sendo envenenada, mais um excelente cliffhanger e quem é o homem da luva que aparece carrgando Hayes no futuro?

s03e06 Don’t Forget to Thank Mr. Zedeck – finalmente conhecemos Mr. Zedeck, juntamente com Joe, mas ainda não tivemos pista alguma de seu papel nesta bagunça, Patty testa sua nova funcionária, que tem o hábito de consultar Ellen sempre. O episódio nos mostra Tom com seus problemas particulares em virtude do dinheiro que perdeu na fraude de Tobin, a chegamos à filha de Danielle Marchetti, que pode estar envolvida com o sumiço do dinheiro. Além disso, nos FF descobrimos uma mala de dinheiro que já pode ter sido vista no presente. Somente senti falta da abordagem daqueles sonhos malucos de Patty;

s03e07 You Haven’t Replacement Me – que trabalho incrível vem apresentando o ator Matin Short, me parece o grande destaque na temporada, sua storyline me pareceu um pouco shakesperiana, para não dizer outra coisa. Não tivemos muitas revelações sobre o futuro, somente suspeitas, no entanto, no presente Patty e Ellen vem jogando um jogo muito articulado e não consigo enxergar as consequências deste relacionamento, ótimo;

s03e08 I Look Like a Frankstein – a irmã de Jobin começa a ser procurada pela equipe de Patty, Ellen reencontra o filhe de Patty e descobre que ela coninua com a namorada e vai ser pai, obviamente, Patty também faz esta descoberta, mas o melhor ficou para o retorno de Ted Danson, ainda não sei porque motivo, agora, como um ambientalista engajado, e no futuro, Tom se encontra com Martin Short naquele apartamento e o advogado lhe entraga a maleta de dinheiro encontrada posteriormente, no porta malas do carro, mistééério…

s03e09 Drive It Through Hardcore – os episódios do meio da temporada da série, normalmente, me cansam, parecem não conseguir transmitir toda a qualidade da série. Este epsiódio, ficou entre a entrevista de Patty com Carol, bastante desequilibrada, a storyline de Frobisher, que urgentemente, precisa de uma importância, se não vai ser o maior fiasco desde a sotryline de Dana em 24 Horas nesta temporada. O pouco que apareceu dos eventos futuros, porém tiraram o episódio do marasmo, um Tom abalado parece se atirar de uma ponte, será??

s03e10 Tell Me I’m Not Racist –

s03e11 All the Crap about Your Family –

s03e12 You Were His Little Monkey –

s03e13 The Next One’s Gonna Go in Your Throat – Genial! não tenho outra expressão para a finale de Damages, chegamos ao episódio final cheios de supresas e muitas coisas ainda tinham que ocorrer, tivemos as participações de Wes e Ray Fiske de maneiras orgânicas dentro do episódio. O roteiro finalizou a questões sobre a primeira e segunda temporada que haviam ficado para trás e ainda, por cima, ainda nos presenteou com mais um momento WTH de Patty Hewes em sua juventude. O mais legal da série é que ao final tem-se a impressão que todas storylines da temporada tinham uma serventia para o arco narrativo como um todo. O elenco para variar, nada menos que fantástico, uma pena estar correndo o risco de cancelamento!

Dexter – continuação da 4ª temporada:

s04e08 Road Kill – a culpa pelo assassinato de um inocente persegue Dexter, que resolve de uma vez por todas eliminar Trinity, Debra descobre que quem atirou nela e assassinou Lundy não poderia ter sido Trinity pela sua altura. O aprofundamento da relação de Dexter e Trinity traz uma relação bastante interessante para Dexter, a dupla de atores consegue uma química incrível, mas por alguns momentos, parece que a trama não avança;

s04e09 Hungry Man – agora sim, a temporada conseguiu entregar um nível de excelência neste episódio, tanto de roteiro quanto de atuação,  achava que as tramas estevam muito dispersas e mesmo o fascínio de Dexter por Trinity/Arthur já estavam me cansando, no entanto, a dinâmica do episódio e as descobertas foram realmente muito interessantes, ótimo episódio;

s04e10 Lost Boys – nem só da descoberta do assassino de Lundy foi a surpresa que tive, descobrimos que o ciclo de Arthur envolve uma quarta vítima, realmente um personagem doente, pra variar, muito bem defendido por John Lithgow (indicação certa paras as premiações). O clima esquenta e os dois últimos episódios devem ser focados no jogo de gato-e-rato entre Dexter e Arthur, a única storyline que acabou ficando pra trás na temporada é a de Laguerta e Batista, mas, ainda me fica a impressão que deve estourar alguma bomba nesta trama;

s04e11 Hello, Dexter Morgan – confesso que apesar de muito ansioso deixei este episódio para assistir perto do último pra não perder o impacto da season finale, e imaginava um inevitável confronto frente a frente entre Dexter e Arthur, excelente cliffhanger! Dito isto, é interessante observar como a humanização de Dexter durante estas temporada somente “atrapalham” o trabalho do Dark Passenger, Dexter casado com filhos morando no subúrbio tem se mostrado o calcanhar de aquiles do Dark Passenger, e a season finale promete ser inesquecível;

s04e12 The Getaway Season Finaledifícil expressar em palavras o que realmente ocorreu nesta season finale de Dexter, impressionante o trabalho dos roteiristas, olhando toda a temporada em restrospecto, estava tudo lá mencionado ou insinuado. O arco da temporada foi a humanização de Dexter e como conciliar o pai de família e marido com seu Dark Passenger sem colocar em risco sua integridade física e psicológica, além de afetar as pessoas que o amam. Num primeiro momento, me parece a temporada mais perfeita da série, tudo se fechou como num ciclo e abriu um leque de opções para a 5ª temporada da série, claro que houveram tropeços, o ritmo inicial da temporada era meio desleixado, mas com a identificação do Trinity Killer a tensão somente foi crescendo, e algumas storylines se mostraram muito fragéis, principalmente, Laguerta e Batista (muito apressado e sem sentido aparente dentro da narrativa), alguns personagens ficaram somente na intenção, como a ambiguidade de Quinn, no entanto, outros como Debra chegaram no ápice. Mas, nada faria sentido se não fosse o trabalho de Michael C. Hall (sempre melhor a cada temporada, claro, graças ao roteiro) e John Lithgow, melhor antagonista da série, e como foi o melhor retratado, conseguiu imprimir seu talento para o suspense, garantia de presença nas premiações. E no finalzinho do ano parece que tivemos a melhor série de 2009!

Dollhouse – continuação da 2ª temporada:

s02e04 Belonging – episódio centrado na ativo Sierra, na verdade, Prya, com excelente desenvolvimento de algumas situações do passado da personagem, muito boa a trama, com envolvimento de Topher querendo ajudar a personagem e com um final chocante, não revelador, mas mesmo assim, chocante;

s02e05 The Public Eye – excelente episódio que trouxe de volta à tona a mitologia envolvendo a corporação Rossum e Dollhouse, o senador Perrin se mostrou um doll, ressurgiu Madeleine/November para depor contra a Dollhouse e descobrimos uma nova casa de bonecos, comandada por Bennet, participação de Summer Glau, além dela, Keith Carradine e Alexis Denisof;

s0206 The Left Hand – continuação direta do episódio anterior, como Adelle e Topher se dirigindo até Washington para entrar em contato com a Dollhouse de lá, comandada pelo ator Ray Wise (Reaper), Bennett tortura Caroline, assim ela a chama, dizendo ser ela causadora de uma traição. Enquanto, Topher procura pelo senador e Echo, ele deixa Victor com sua personalidade em LA para fazer comandos de lá, hilariante esta relação criador-criatura, ao final o senador acaba negando as suspeitas frente a Corporação Rossum;

s02e07 Meet Jane Doe – episódio que dá um grande salto para a realidade no futuro que vimos no episódio especial, Epitaph One, começa com Echo ainda desaparecida vivendo no Texas, e em seguida temos um salto de 3 meses, onde Adelle parece uma secretária/copeira em sua Dollhouse para Matthew Harding (Keith Carradine), Topher consegue chegar num projeto para imprimir personalidades em pessoas comuns; Ballard encontra Echo que passa a controlar suas personalidades, mas ao final, a leva de volta para Dollhouse onde Adele parece ter voltado ao controle após trair Topher. Muito bom episódio, parece que na reta final a série se focará nesta mitologia de Dollhouse e como chegou-se aquele futuro;

s02e08 A Love Supreme – temos em cena novamente Alpha, que até hoje não sei como consegue entrar tão fácil na Dollhouse, que surge matando todas as pessoas que tiveram lances amorosos com Echo, inclusive, sobre para Ballard que tem sua mente apagada, ficando em morte cerebral. Muito interessante como Alpha é um vilão anárquico, ele quer provocar o verdadeiro caos, me lembra um pouco as atitudes de Coringa, claro que aqui temos sua obsessão por Echo, mas ainda assim é o caos;

s02e09 Stop Loss – chegou o momento da libertação de Victor, após 5 anos de contrato, no entanto, assim que consegue a liberdade ele é sequestrado e recrutado para fazer parte de um exército conectado mentalmente, muito louco, da corporação Rossum, Boyd, Topher, Sierre e Echo vão tentar desfazer esta ligação, episódio bastante tenso e cheio de eventos, ao final, Adelle manda os três Dolls para o Sotão como punição;

s02e10 The Attic – finalmente conhecemos como funciona o Sotão, uma loucura sci-fi com toques Matrix, muito legal a série penetrar nestas viagens referentes a mitologia da série, no Sótão, Echo consegue descobrir como funciona os computadores da Rossum , encontra o criador da corporação (que foi traído por seu sócio) e resgata de maneira não dita seus companheiros e retorna a Dollhouse (uma falha no episódio não expor melhor este processo), assim descobrimos que a Adele desde o inicio vem trabalhando junto com o poder especial de Echo para conseguir derrubar a Rossum. Agora faltam somente 3 episódios para o término da série, que pela maneira que vem seguindo, vai terminar satisfatóriamente, uma pena para os fãs de ficção científica;

s02e11 Getting Closer – no retorno em 2010 a série vem para seu término com os últimos 3 episódios, a grande questão é como se dará a batalha entre os ativos e a Rossum Corporation, para isto, querem restruturar as memórias de Caroline, chamando Bennet para ajudar Topher, no entanto, surgem algumas surpresas quando a dra. Saunders reaparece. No entanto, como todo roteiro de reta final de Joss Whedon temos uma grande surpresa ao constar quem é a cabeça por detrás de tudo. Apesar de achar tudo um pouco forçado e corrido demais, sei que Whedon tem capacidade de fechar a série com uma trama excelente, faltam somente 2;

s02e12The Hollow Man – finalmente descobrimos o porquê de Boyd ter esta obsessão pela Caroline/Echo, um detalhe fundamental para a trama, se não ficaria muito frágil esta reviravolta de Boyd ser o chefão da Rossum, voltando a trama, todos foram para a Rossum tentar exterminar a perigosa tecnologia que Topher criou, como toda série de Joss Whedon tivemos mais uma despedida dramática e un final, aparentemente feliz, não conforme o preview de 10 anos no futuro. Interessante que mesmo abordando toda a tecnologia das impressões, Whedon reforçou que laços sentimentais entre as pessoas são suficientes para sobrepor as impressões, um detalhe sempre constante nos textos fantasiosos de Whedon. Falta somente 1!

s02s13 Epithaph Two: Return Series Finalepois é! então este foi o final precoce da série de Joss Whedon, o que dizer, o cara sabe como terminar a série e nos deixar angustiado, foi assim com todas suas séries, nenhuma campeã de audiência, no entanto, com fãs fiéis. Voltamos ao cenário apocalíptico do final da primeira temporada, com Mag, Zone e a menina com a Caroline impressa procurando o restante das pessoas que ainda não foram imprimidas. O episódio foi marcado por momentos dramáticos, como a morte de um personagem e o sacrifício de outro, no entanto, o que mais me chamou a atenção foi a importância dos relacionamentos amorosos entre os casais como Anthony e Prya, Echo e Ballard. Fim de série respeitável para os fãs, uma pena a trama inicial das Doll não ser comprada pelos americanos, que não conseguiram entender o conceito e diferenciá-los de garotas de programa, assim o lado sci-fi foi privilegiado e criou-se a grande conspiração da corporação Rossum, o que engrandeceu a trama, porém, de forma imediata a série teve seu fim decretado, afinal depois da exposição de Echo e da Rossum, não havia como a série apresentar os episódios isolados novamente;

FlashForward – continuação da 1ª temporada:

s01e10 A561984 – Mark e Demetri vão à China atrás da agente, Nhadra,  que sabia da morte de Demetri, conversaram com a agente mas acabam se envolvendo num problema diplomático que faz com que Mark seja afastado do FBI, enquanto isto, Lloyd e Simon vão a imprensa divulgar que podem ter sidos os responsáveis pelo blackout. Não sei se ainda há esperanças para a trama de FF, não vejo uma storyline funcionando realmente sem cair no clichê, improvável ou na ruindade mesmo, nem mesmo a revelação do envolvimente de D. Gibbons com Nhadra e o clima de estranhamento entre o FBI e a CIA empolgam ou deixam expectativas maiores;

s01e11/12 Revelation Zero – não quero comemorar muito, mas este hiato fez muito bem para a série, parece que perceberam o que funcionava melhor na série e o que esteva estragando-a, não sei se haverá tempo para contornar a crise criativa da série, em função da baixa audiência. Começamos o episódio com o melhor apresentado até aqui, as consequências do apagão na vida das pessoas, assim começamos vendo o que ocorreu com Bryce (otima aparição de Gil Bellows), notem como o personagem de Joseph Fiennes pouco apareceu, pelo menos, foi revelado o restante de sua visão assim como o personagem acordado no estádio. Continuo acreditando que o personagem de Simon, é um das coisas mais absurdas que vi em série, ultimamente, mas pelo menos, seu contexto ficou mais claro após este episódio;

s01e13 Blowback – depois de um episódio que demonstrava que a série poderia voltar aos trilhos tivemos um episódio totalmente enfadonho, com Aaron descobrindo que uma organização, Jericho, sequestrou sua filha e a levou para Kandahar, e a agente chatinha que quer ser mãe vai atrás de inseminação, tipo que roteiristas no momento de recuperar a audiência criam um episódio somente com tramas paralelas com os coadjuvantes mais chatos da série, um desperdício;

s01e14 Better Angels – Demetri, Simon e equipe vão a Somália pra investigar os eventos de 91, no entanto, ao chegar lá encontram somente um sobrevivente da época que não se encontrava naquele momento no vilarejo e se tornou um mercenário, acaba matando meia equipe (o que era muito óbvio, diga-se de passagem), porém os agentes descobrem que D. Gibbons passou por lá e fez um teste com o blackout na população, ao final uma revelação para Demetri, já Mark e a esposa procuram descobrir a visão da filhinha para tentar descobrir novas pistas sobre d. Gibbons, mas acabam por descobrir que Mark havia sido assassinado. Apesar da melhora em relação ao episódio anterior, as questões pessoais de todo elenco não funcionam, é impressionante, a capacidade dos roteiristas de não conseguirem criar um conflito pessoal interessante, senão fossem os mistérios…

s01e15 Queen Sacrifice – sou somente eu ou a série havia esquecido esta trama sobre um espião infiltrado na agência, não lembrei desta storyline quando iniciou o episódio, com todos verificando a fita que Gibbons deixou para Demetri, logo, vemos reuniões, entrevistas, suspeitas sendo levantadas e um espião sendo revelado, mas não é somente isto. O lado boring do episódio ficou com  a japinha indo trabalhar numa mecânica sem visto enquanto o médico se deixa levar pela babá;

s01e16 Let No Man Put Asunder – depois de um episodio legal tivemos mais um episódio muito fraquinho, voltamos ao assunto do assassinato de Demetri, que resolve antecipar seu casamento, as peripécias de Gibbons enganando a todos, o beijo meio absurdo entre Simcoe  e a “Penny” casada com Mark, tipo não deveriámos nos beijarmos mas…

s01e17 The Garden of Parking Paths – o que me mantém em frente à FF é suas brincadeiras com o tema, que mesmo com fraco texto e personagens, ainda permanece interessante. Estamos em 15 de março, dia da morte de Demetri que foi sequestrado por Gibbons para morrer com um tiro numa máquina estilo Jogos Mortais, todos partem atrás dele na Cia, sua esposa resolve levar Alda ao tribunal e, obviamente, ela caba fugindo e matando, não sei como achou, Gibbons no meio do nada com coisa alguma durante uma conversa com Mark. Resultado ficamos sabendo que Gibbons revivia aquele dia várias vezes, que tinha um quadro negro, escrito a giz, com vários dados mas em especial uma data em 2016 que com titulo “The End”. E assim vai a série, aos trancos e barrancos, detalhe surgiu mais um personagem que pode estar viajando no tempo, um doentinho mental interpretado pelo já eterno vilão de Battlestar Galactica, Gaius Baltar;

s01e18 Goodbye Yellow Brick Road – Janis continua frustrando os planos dos agentes do FBI como uma agente dupla, trabalhando para alguém ainda desconhecido, melhor coisa do episódio, ia achar o FBI muito pior que CTU, de 24 Horas, por ter duas agentes infiltrantes no mesmo período. Olivia dá algumas notícias perturbadoras a Gabriel, que foi submetido a inúmeros flash-forwards, esta trama parece estar ganhando muita atenção, mas não funciona comigo. A vida de Aaron está em perigo no Afeganistão, quando ele tenta se misturar às pessoas em sua busca pela filha, total desperdício de tempo no episódio;

s01e19 Course Correction – num momento inacreditável da trama, os roteiristas trazem de volta à cena o responsável pela organização das mão azuis, sim, nem lembrava mais!!, tudo isto para trazer à tona a incerteza sobre a morte prevista para Demetri e as demais pessoas que não tiveram FF, resgataram também, a moça que iria morrer e que causou o suícidio daquele agente na primeira parte da temporada e da agente britânica. O FBI finalmente descobre quem é o suspeito zero, e claro, deixa Simon sumir, sendo ele o possível responsável pelo segundo apagão, e num outro momento despercídio de tempo, Nicole, babá/enfermeira, descobre que Keiko esta na cidade;

s01e20 The Negotiation – um dia antes do futuro visto dos flasforwards, dia 28 de abril, Mark tenta chegar no chefão da organização, Janis é mandada pelos seus superiores a matar Mark, enquanto isto, Aaron parte para o Afeganistão atrás de sua filha. Não sei como os roteiristas conseguem perder tanto tempo sem dizer nada a dois episódios finais da série, que pelo jeito, não terá um final fechado, afinal foi cancelada;

s01e21 Countdown – chegamos no dia  29 de abril, Mark consegue perder seu equilibrio e acaba sendo afastado pelo diretor, já Janis e Demetri (abandonado pela noiva) tem que decidir se ajudam ou não Simon em sua busca de vingança, e  Bryce descobre que Keiko está na cidade. Pelo andar da carruagem, todos de alguma maneira podem ter ou não seus FF realizados, parece que o destino é mais forte que o livre arbítrio, mas ainda acho que o segundo apagão será um tiro no pé;

s01e22 Future Shock Series Finale

Friday Night Lights – continuação da 4ª temporada:

s04e02 After the Fall – após o fracasso do jogo de estréia, o treinador Taylor tem dificuldade em reunir o time novamente, nem mesmo Landry lhe ajuda, já a diretora Tami tem que lhe dar com uma decisão polêmica sobre um jogador que está na escola errada devido ao zoneamento, Saracem inicia um estágio com um artista plástico bem estranho;

S04e03 In the Skin of Lion – para tentar unir o time o coach Taylor manda todos queimarem seus antigos uniformes para reiniciar o time, no entanto, não contava com tantas dificuldades para juntar dinheiro e pagar pelo novo, o que gera conflitos até mesmo com sua esposa. Buddy faz um desabafo para seus companheiros de Panthers. Ótimo episódio impressionante como a série conseguiu se renovar;

s04e04 A Sort of Homecoming – coach Taylor tenta reavivar o passado dos Lions, para isto resgata seu antigo time campeão, e de quebra traz Buddy para seu lado, Tami ainda sofre pressão pela perda do astro Luke para a escola East Dillon. Landry ganha possível interesse romântico, e ao final, temo uma triste notícia para Saracen, seu pai morreu em serviço;

s04e05 The Son – que episódio, FNL mostra como fazer um excelente episódio sobre perda, fazendo frente a episódios chaves de Grey’s Anatomy, no quesito dramático, Zach Taylor entrega uma interpretação mágica, tentanto levar a morte do pai numa boa, uma pessoa que ele sempre odiaria, mas que mesmo assim, influenciou ele no seu dia-a-dia até então, sua revolta é emocionante, principalmente para quem acompanha o personagem nesta sua jornada. Um dos melhores episódios da série, sem a menor sombre de dúvida;

s04e06 Stay – Julia enfrenta uma proibição de sua mãe para viajar para um concerto de música durante as provas pois quer levar Matt para fazer um programa diferente, no entanto, esta aproximação mostra que talvez Matt precise ir embora da cidade ir adiante, já coach Taylor enfrenta um time invicto e percebe que seu time pode começar a evoluir em campo; em seu retorna das férias Lyla fica novamente com Riggins, para alegria deste;

s04e07 In The Bag – coach Taylor elege Vincent seu quarterback no time, apesar de constantes descofianças; com a decisão repentina de viajar de Matt, Julie sofre pelo suposto fim do namoro, já Luke precisa ajudar seu pai na fazenda e sofre un acidente nela. Último episódio de 2009, a temporada continua excelente, numa crescente e os próximos episódios prometem bastante agito em Dillon;

s04e08 The Toiwlet Bowl – o nome do episódio se refere ao confronto entre as duas piores equipes do campeonato, já Tami e Julie viajam para conhecer uma das faculdades para Julie, que ainda se mostra muito abatida pela separação, Riggins deverá se envolver em problemas para ajudar no problema financeiro do irmão, já Landry ainda não sabe mais se envolveu num triângulo amoroso com Becky e Vernon;

s04e09 The Lights of Carrol Park – coach Taylor resolve, depois de presenciar um assassinato, fazer alguma coisa pelo parque Carrol onde jovens se encontram sem muita expectativa, une-se a um benfeitor e organiza um jogo entre o time do parque e o de sua escola, episódio bacana mas que fugiu das storylines da temporada;

s04e10 I Can’t – episódio focado nos estrantes da temporada, Vernon vê sua mãe passar por mais uma overdose e não ter dinheiro para interná-la numa clínica particular, resolve apelar para os “amigos” do bairro para levantar o dinheiro, já Becky vai conservar com Tami para resolver o que fazer, obviamente, escolhe por abortar o bebê sendo apoiada pela sua mãe, mas algo me diz que os conselho de Tamu vão perseguí-la da alguma maneira;

s04e11 Injury List – episódio que preprara o terreno para a finale, traz o retorno de Matt, pelo telefone a princípio, sendo obviamente desprezado por Julie. Já Venon tem problemas com suas dívidas nesta sua vida noturna e, Luke pelo seu problema com os medicamentos. E o terreno se prepara para o jogo que deve ser o tema do episódio final Lions vs. Panthers;

s04e12 Laboring – a Tami continua a sofrer as conseqüências de simplesmente fazer o seu trabalho numa cidade bastante conservadora e os Riggins passam de alegria extrema, ao pior momento de suas vidas, e que deve fechar a participação de Tim Riggins na série

s04e13 Thanksgiving Season FinaleMatt está de volta na cidade para o Ação de Graças para encerrar de maneira digna a sua participação na série (e como seus momentos com Julie são bonitos e parecem tão sinceros), Tim se despede do mundo quando precisa tomar uma decisão difícil e o duelo mais esperado do ano finalmente chegou: Lions vs. Panthers. Bastidores nervosos cheios de pegadinhas entre as equipes, achei incrível os palitos no campo. Ao final, no melhor estilo hollywoodiano, temos o ascenção de um jogador desacreditado, o time se unindo para conquistar a tão sonhada vitória. Apesar de alguns altos e baixos, até mesmo em função da troca de elenco, foi muito corajoso este reinício da série jogando o coach Taylor para a escola mais pobre da cidade dividida, alguns personagens e storylines não renderam de maneira suficiente, alguns episódios não tinham dinâmica, no entanto, tivemos um episódio excelente The Son, uma pequena obra-prima da série, que combina com a vibe cinematográfica deste último ano, os filmes com temática de guerra como Guerra ao Terror e O Mensageiro, notem a similaridade;

Fringe – continuação da 2ª temporada:

s02e09 Snakehead – ótimo episódio para John Noble, que começa a ser lembrado nas premiações como coadjuvante, quando Walter começa a querer ser mais independente de Peter, no caso bizarro da semana, Olivia e equipe investigam a morte de chineses clandestinos infectados com um parasita que pode ser utilizado para reconstituir o sistema imunológico da paciente imunodeprimidos;

s02e10 Grey Matters – excelente episódio, impressionante como nesta primeira parte da temporada as tramas têm se concentrado em Walter, aqui, inclusive, revelando alguns detalhes importante da personagem de Walter atualmente, temos o retorno do cara que era a cabeça congelada de episódios passados, se mostrando um grande vilão, seu nome Thomas Newton. Também descobrimos que seu personagem está atrás do portal do universo paralelo e, de brinde, temos uma nova inserção de William Bell;

s02e11 Unearthed – episódio perdido da primeira temporada que foi encaixado neste retorno de hiato da série para fazer companhia a House numa segunda-feira, enquanto 24 Horas não chega. O episódio tem uma pegada mais mística ao mostrar uma garota que dada como morta começa a esboçar frases russas e segredos militares de um oficial morto recentemente, há logicamente uma questão de fé retratada através da mãe, mas que não me pareceu muito bem trabalhada, um episódio “caso da semana”, com participação do personagem Charlie, ainda vivo na primeira temporada;

s02e12 Johari Window – inicialmente se mostrando um episódio baseado em filmes de terror como Viagem Maldita, envolvendo pessoas com deformações, o roteiro conseguiu me surpreender ao buscar uma explicação mais científica para o caso, não esquecendo de relatar as consequências do sequestro de Walter, agora com bastante medo sobre sua segurança, mesmo assim, um episódio somente ok;

s02e13 What Lies Below – episódio “quarentena” da série, sempre há um desses em toda série, já notaram? Bom, o episódio foi tenso e ok, no entanto, o que pra mim salvou o episódio foi o que Walter disse pra Astrid sobre Peter morrer novamente, pode ter sido o princípio desta trama começar a ser abordada na série;

s02e14 The Bishop Revival – parece que os roteiristas de série perceberam que o grande destaque da mesma é o personagem de John Noble, Dr. Walter Bishop, só tem dado ele neste temporada, sorte nossa! Neste episódio conhecemos um pouco do passado dos Bishoff, sobrenome original dos personagens, afinal o pai de Walter era um cientista nazista, que acabou servindo de espião para os americanos até sua transferência para a América em 1943. Esta trama vem a tona quando um antigo experimento de Bishop vô é utilizado nos dias atuais, na verdade, é um veneno que mata por particularidades genéticas, como cor de pele, olhos, etc. Episódio muito bom alavancado pela boa audiência numa dia de reprises nas emissoras adversárias, o que comprova que a abaixa audiência da série é fruto de seu mal posicionamento da grade da Fox, não esquecendo que a série disputa audiência com CSI, Grey’s Anatomy, The Office e Supernatural;

s02e15 Jacksonville – posso ainda estar sob o impacto do episódio mas, este com certeza foi um dos episódios mais fantásticos da série, que entra em hiato e retorna somente em abril para fechar esta temporada. A começar pela incrível abertura, inesquecível, temos um evento que traz todo um predio e as pessoas nele do universo paralelo se “misturando” com o mesmo cenário deste mundo, muito louco, bem fringe, assim, Walter raciocina que em seguida para equilibrar os mundos um prédio daqui será “mandado” para lá. Para conseguir antecipar este evento, Walter leva Olivia, que fazia teste com o cortexipan quando criança, para aumentar sua percepção, à creche na qual eram feitos os testes, em Jacksonville, o que rende um retorno de mémorias que a agente não possui mais. Gostei de muitas coisas no episódio, desde a maneira como Olivia diz não sentir mais medo, ao choque da realidade de sua infância e, claro, a cena final com Peter e Walter. Ótimo!

s02e16 Peter – a série retorna de seu segundo (?) hiato com a trama que revela o surgimento de Peter da realidade paralela para Walter, que está se justificando para Olivia, o episódio ganhou até mesmo uma abertura oitentista pois a trama se passa nesta década, com caracteres estilizados e tudo, um episódio irretocável para a mitologia da série e que ganhou muita carga drámatica com os contornos de Walter e seu incrível intérprete John Noble. Conhecemos a mãe de Peter e vimos diversos detalhes de coisas que passaram na época. Um episódio irretocável, Fringe soube a hora certa de revelar certos mistérios;

s02e17 Olivia in the Lab with the Revolver – quando uma mulher perfeitamente saudável é encontrada morta com uma doença que ela nunca teve, a equipe Fringe investiga a origem dessa doença fatal inexplicável, antes que isso aconteça com mais pessoas. Enquanto isso, Olivia tem dificuldades em manter o segredo de Walter sobre Peter e a sua lealdade a Peter é testada. O episódio meio que funcionou como um misto de caso da semana + mitologia, afinal o a doença misteriosa envolvia os participantes das experiências em Jacksonville, logo, Olivia também se verá envolvida;

s02e18 White Tulip – fiquei quase o episódio todo imaginando qual relação do episódio com o título, até a revelação de Walter para o cientista, também trágico, vivido pelo eficiente Peter Weller, que busca em uma viagem no tempo salvar sua esposa de um acidente que lhe matou, no entanto, suas experiências têm causado a morte de diversas pessoas em função da energia liberada pelo experimento. Episódio dramático e tenso, um show de interpretação de John Noble e de uma sensibilidade ímpar, nem parece uma simples série de casos sci-fi;

s02e19 The Man from The Other Side – Newton retorna à serie para conseguir trazer algo/alguém do outro universo com a chegada de novos metamorfos que o ajudaram na missão, com isto a equipe lutando contra o tempo tenta descobrir em qual região da cidade eles atacarão ao mesmo tempo, Walter cria um experimento que pode combater a energia criada por Newton para a missão, no entanto, é tarde demais, e assim Peter acaba descobrindo que ele pertence ao outro mundo e destrata Walter, numa cena emocionante, já Newton consegue trazer uma pessoa do outro universo, mas ainda em estágio delicado de saúde;

s02e20 Brown Betty – dando um tempo nos acontecimentos da temporada tivemos um episódio “brincadeirinha” dentro da série, ao buscar por informações do sumiço de Peter, Olivia pede para Astrid cuidar de sua sobrinha, no entanto, Walter fez uso de “ervas” e está meio viajandão, resolve contar uma história para a menina que remete aos policias dos anos 40/50, com clima noir, e contando com todos personagens reais em sua narrativa e algumas músicas sendo entoadas. Pela primeira vez, Fringe mostra que já conseguiu criar uma mitologia ao mostrar que consegue brincar comos  “clichês” da série;

s02e21 Northwest Passage – episódio no qual descobrimos por onde anda Peter, após descobrir que Walter lhe trouxe do universo paralelo, mas a trama foca um “caso da semana” no qual Peter se envolve, garotas somem e aparecem mortas faltando partes do cérebro, Peter, rapidamente, acredita que seja Newton lhe perseguindo e conta com a ajuda da xerife local (participação de Martha Plimpton, numa personagem excelente, muito bem trabalhada pelo roteiro), já Walter demonstra não saber como levar sua vida adiante sem Peter e precisa contar com a ajuda de Olivia. A trama tev um término até mesmo banal, no entanto, na ultima cena vemos Newton e o já mais que citado nos blogs “Walternative”, é a reta final da temporada!

s02e21 Over There parte 1 – chegou a hora, finalmente, conhecemos um pouco do universo paralelo, logo na introdução do episódio, com direito a Olivia ruiva, e Kirk Acevedo ainda vivo, trabalhando na divisão Fringe! Então retornamos para a “nossa realidade” com Walter descobrindo que Peter foi para  a realidade paralela com Walternativo, o secretário de Estado do universo paralelo, e pelo que pude observar ele deve ser um “Walterevil”, com direiro a traquitana envolvendo Peter e o fim do mundo. Na realidade paralela, Olivia, Walter e mais 3 jovens que fizeram parte das experiências junto com Olivia, precisam se adaptar aos problemas da viagem. Muito bom e o próximo promete mais ainda. Ao final uma ceninha com William Bell;

Glee – continuação da 1ª temporada:

s01e12 Mattress – faltando uma semana para as Seletivas, a escola se envolve nos famosos anuários, o Glee a principio não quer aparecer para não se trasnformar em motivo de chacota, no entanto Rachel não desiste, inclusive, consegue para eles um comercial local para tornarem-se mais conhecidos e, assim, quem sabe não serem pintados nas fotos. Já Will finalmente descobre a farsa da Terry e depois de uma regra quebrada, que Sue aponta para fechar o Glee Club, ele se afasta do comando do Clube. Falta somente um episódio para o Fall Season da série, que retorna somente em abril.

Melhor frase de Sue Sylvester do episódio: “Aproveitei que fiz um lifting nos olhos e retirei o canal lacrimal, afinal não usava mesmo!”

s01e13 Sectionals – episódio final desta primeira parte da temporada, que retorna somente em Abril/10, com o roteiro fechando quase todas as pontas soltas durante a temporada, tivemos a revelação da gravidez de Quinn para Finn, atráves de Rachel, o coral enfrentando a seleção com a trapaça de Sue sendo descoberta por todos e a relação de Will e Emma ganhando novos contornos. Na verdade foi um dos melhores episódios de Glee, principalmente, pela dinâmica que estava bem agitada, muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo (como um legítimo episódio final), os musicais estavam ótimos com destaque para Mercedes e sua versão de “And I Am Telling You”, de arrepiar, ainda tivemos inúmeras tiradas cômicas como as das Cheerios, os jurados “experientes” do concurso e a guerra declarada de Sue para Will;

s01e14 HellO – o retorna da série mais hypada do momento chega cheio de promessas, mas o que se vê é uma reintrodução ao universo Glee, Sue dá um jeito de voltar por cima e chantagear o diretor assim, o Glee Club continua sua batalha por reconhecimento, surgem dois novos triângulos amorosos, a técnica do Vocal Adrenalines para o professor Will e o astro do mesmo coral para quebrar o romance entre Finn e Rachel. As músicas rolaram com o tema Hello;

s01e15 The Power of Madonna – Sue resolve investir na imagem de Madonna, sua ídola, para criar uma melhor atitude para suas cherrios, já Will aproveita a temática para desafiar os alunos do Glee Club para interpretarem o repertório da cantora, nos bastidores só se fala em sexo, ao som é claro de Like a Virgin. Bom episódio com excelentes interpretações, e boas tiradas como as diversas Madonnas nos corredores do colégio;

s01e16 Home – não sei até onde Glee conseguirá chegar com suas tramas lisérgicas, pois não há a menor preocupação com a dramaticidade e regularidado dos personagens, todos servem à ocasião do roteiro, músicas e outras desculpas. Por enquanto, ainda diverte e consegue participações como o retorno de Kristin Chenoweth, agora amante de um ricaço e dona de uma pista de gelo, onde Will pede para o grupo ensaiar, muita música broadway com a excelente e carismática cantora/atriz, e na escola, Mercedes deve emagrecer para permanecer com as cheerios, já Kurt empurra seu pai para a mãe de Finn, para ficar mais próximo dele;

s01e17 Bad Reputation – em virtude de um video de “Physical” em que Sue aparece dublando Oliva Newton John, e vira chacota de toda escola, assim Will pede para todos para escolherem músicas bregas para apresentarem, em paralelo a isto, surge uma lista de sexys do Glee Club e Rachel aparece em último. Somente não gostei da participação de Molly Shannon, boa comediante num papel meio sem sentido;

s01e18 Laryngitis – a voz de Rachel vai pro espaço por problemas de saúde e a guria começa a surtar, Finn, acaba lha dando um exemplo de superação ao apresentar-lhe a um particular amigo seu, no Glee Club, Puck tem seu cabeloi cortado e perde sua popularidade, resolve tentar se aproximar de Mercedes para reconquistá-la; Kurt tem outra crise de ciúmes de seu pai, pela aproximação com Finn, tema já abordado num recente episódio que não sei porque retornou, episódio meia-boca, nem mesmo as apresentações me empolgaram;

Grey’s Anatomy – continuação da 6ª temporada:

s06e11 Blink – preciso confessar que não sinto falta alguma de Izzie, já sinto que os roteiros não conseguem suportar tantos personagens, ou mais alguem notou que os médicos do Mercy estão tão perdidos na narrativa da série. Neste retorno em 2010 fiquei um pouco decepcionado com a storyline de Mark Sloan e sua filha, o que gerou uma participação tão desnecessária de Addison, em compensação a trama envolvendo Christina, Owen e Teddy foi muito boa, salvou o episódio desta transição de meio de temporada, já Derek descobrindo o vício do Chief foi tão …boring!

s06e12 I Like You so Much Better When You’re Naked – depois de um episódio bem “marromeno”, a série mostra o porque do seu sucesso e de sua forte identificação com as pessoas ao tratar da velha questão paixão ou profissão, isto serviu para Owen e Yang, ainda tentando dar certo apesar de Teddy, Meredith bem que tentou mais não conseguiu proteger o Chefe do seu vício, e Karev numa atitude surpreendente termina tudo com Izzie quando esta retorna tentando consertar tudo entre eles. Não adianta quando fala de amores e rompimentos o roteiro da série chega em seu ápice;

s06e13 State of Love and Trust – gostei bastante deste novo episódio narrado por Derek Shepard, que tomou o posto de Chefe após denunciá-lo por alcoolismo para o Conselho do Seattle Grace. Não foi somente Derek quem ganhou espaço ao assumir seu novo cargo no episódio, o Chefe teve que escolher entre se aposentar ou ir para a reabilitação, Karev foi para a pediatria, Bailey e Meredith tiveram que arcar com as consequencias ao na mesa de cirurgia  a paciente retornar da anestesia e ficar traumatizada, e roubando cenas, Yang e Owen discutem a relação;

s06e14 Valentine’s Day Massacre – em plena noite dos Dia dos Namorados americano, Shepard e Meredith e Christina e Owen iriam fazer um programa de casalzinho para desespero de Yang e Meredith, no final, logo todos são chamados ao hospital devido a um acidente que deixou dezenas de pessoas feridas, o teto de um restaurante caiu. Sloan tem que lhe dar com sua filha que não lhe disse que pretende dar o bêbe para a adoção, Meredith precisa escolher se acompanha Derek num breakfest, como sra. Shepard. Bailey continua sem jeito frente ao anestesista e Lexie resolve mudar seu visual, está loiríssima!;

s06e15 The Time Warp – mesmo que a série já não consiga ter uma regularidade excelente, confesso que anda me agradando. Este episódio que foge um pouco do habitual da série, explorando flashbacks de importantes personagens, deixando de lado os residentes de hoje, com exceção de Karev, mostra que a série de Shonda Rhimes já criou um universos a parte para seus personagens, com pequenas referências de acontecimentos e personagens, já conseguimos descobrir pistas de sua atual momento, como deixa bem claro a cena final no bar. Claro que a melhor trama foi de antigo Chief, que inclusive ganhou a presença de Paula Patton como Dra. Grey, numa época onde médicas mulheres eram tratadas como enfermeiras e a AIDS era conhecida como GRID, excelente adaptação temporal, além disso, ver a dra. Bailey residente mostrando sua interna nazi foi ótimo;

s06e16 Perfect Little Accident – episódio que, obviamente, não foi tão bom quanto o anterior, confesso que a trama envolvendo Karev e Lexie não me cativa em momento algum, somente serviu para eu notar como a personagem de Meredith está ótima nesta temporada. Ja Sloan anda “comendo” meio hospital, alguém mais acha estranho todos saberem disto e nada acontecer com o médico?. O caso principal envolveu o interno do Mercy dr. Avery que chegou ao hospital trazendo seu avô, um grande médico (que inclusive tem um prêmio com seu nome), claro que ele não gosta da pressão exercida pelo avô, que chega ao Seattle pedindo pelo dr. Webber, que está reiniciando seus trabalhos. Gostei da postura de Sheppard no transcorrer do episódio, achava que ele iria começar a amolecer, mas não, está mantendo a coerência do cargo que ele tanto almejava; episódio ok;

s06e17 Push – em seus primeiros dias de rotina, dr. Weber já começa a aprontar das suas, tenta “roubar” uma paciente com um tumor enorme de Hunt, usando a velha psicologia de que estaria se aposentando, ao final Sheppard, decide que os dois devem criar métodos para a cirurgia e a melhor será utilizada, neste meio Christina acaba jogando pelos dois times, muito legal! Já Callie tenta que Sloan comece um relacionamento sério para isto indica convidar Teddy para um jantar, esta storyline que promete se desenvolver nos próximos episódios me pareceu bastante interessante, cria um gancho para Teddy e, já neste episódio, tivemos a bela cena de Little Grey no banheiro; melhor se deu Mirando ao ter seu terceiro encontro com o anestesista, claro que dispensa as sequências clichês sobre depilação e metáforas, deixa isto para Cougar Town, um episódio bem legal com um equilibrio entre os personagens como a série sempre teve em seus melhores momentos;

s06e18 Suicide is Painless – a série encontrou sua zona de conforto e, consequentemente, qualidade, trouxe o passado do personagem Owen para o presente quando este é requisitado por Teddy para conferir suicídio assistido para uma paciente terminal de câncer, este evento traz a Owen lembranças de um amigo da guerra que passou por situação semelhante. Mesmo tendo uma trama principal, o episódio trouxe diversos outras storylines para os demais episódios, como Callie tendo que assumir para Arizona seu desejo de ser mãe, Meredith ter uma cirurgia roubada por Shepard e o Weber tentando se “misturar” com os demais residentes que o respeitam em demasia. Ótimo episódio e muito emocionante, como os bons tempos de GA, e por falar nisto, alguém sente falta de Izzie na série? Acho que não!

s06e19 Sympathy for the Parents – Shonda volta a focar a paternidade/maternidade para seus personagens, uma temática recorrente neste final de temporada, forte indicativo que teremos bebês na próxima temporada. É interessante observar que somente na 6º temporada descobrimos o passado de Karev, um personagem muito bem defendido por Justin Chambers, principalmente, por ser muito antipático em diversos momentos, o episódio foi dele com o surgimento de seu irmão, o que acaba trazendo muitos conflitos para o personagem (que teve que lhe dar com o pai sumido, mãe viciada e dois irmãos mais novos). Nos casos da semana, que indiretamente também versavam sobre filhos e continuidade, tivemos uma policial baleada que o marido gostaria que largasse a profissão para terem uma família e um casal de pessoas mais velhas, sem filhos, que precisam lhe dar com um câncer terminal da esposa e um pedido para não acordar do coma, emocionante. Há algum tempo, a série não tinha um caso tão dramático como este;

s06e20 Hook, Line and Sinner – confesso que imaginava que o episódio não fosse ser muito interessante porque não aguento estas storylines de Sloan com a filha irresponsável e a maternidade envolvendo Callie e Arizona, no entanto, os roteiristas souberam trabalhar de maneira acertada estas subtramas e, ainda, acrescentaram a possível substituição de Teddy por um outro cardiologista, o que mexeu com Hunt de uma maneira que eu não esperava. Além disso, tivemos Meredith descobrindo do interesse da novata que auxilia seu marido, e agindo de maneira adulta na situação, outra surpresa;

s06e21 How Insensitive – episódio que marcaram retornos importantes para a série: 1) os pacientes bizarros, um gordo com mais de 300 quilos que toda a equipe se envolve e, aos poucos, são dispensados por fazerem piadinhas ou risos, coisas que Bailey proibiu; 2) o personagem de Sympath for the Parents, o senhor que teve a mulher desligada dos aparelhos por Shepard, chega com advogados ao Hospital deixando Derek numa situação bastante incomodada. Além disso, tivemos Yang se envolvendo com uma menina que chegou ao hospital pois sua mãe está tendo um infarto, emocionante, indicação certa para a atriz!!

s06e22 Shiny Happy People – houveram casos em demasia, notem como a paciente com queimadura e sua amiga ficaram de lado, até mesmo a menina quase esquizofrênica sobrou na trama, afinal além do desenvolvimento dos personagens recorrentes, Bailey com ciúmes do namorado, Callie e Arizona afastadas, Meredith tentando ajudar Christina, Hunt e Christina botando sua relação em “pratos limpos”, tivemos o melhor que a trama de Shonda Rhimes consegue criar neste anos todos de GA (também presente em momentos em Private Practice), RELACIONAMENTOS AMOROSOS, o que foi a declaração de amor do casal de velhinhos, até decorei seus nomes, Betty e Henry, durante seus depoimentos para os médicos contando como eles não ficaram juntos e se arrependiam disso décadas atrás, mexeu com todos os personagens, é o ponto máximo dos roteiros de Grey’s!

s06e23/24 Sanctuary/Death and All His Friends Season Finale – Shonda Rhimes volta a imprimir um tom tragico na season finale da GA, depois da tragédia com Izzie e George temos um momento “E.R.” da série, um atirador provocando pavor nos corredores do hospital, matando inúmeros figurantes e alguns coadjuvantes desnecessários do Mercy, no entanto, sobrou bala para diversos personagens. O mais curioso é que o atirador era um velho conhecido nosso desta segunda parte da temporada, o sr. Clark, aquele senhor que não aceita que Shepard tenha desligado os aparelhos de sua esposa, e agora ele quer vingança. Além deste evento, tivemos todos os personagens resolvendo/abrindo suas storylines, Hunt teve que escolher entre Teddy e Yang (num ótimo momento novamente, merece ser indicada novamente ao Emmy), Lexie precisa também lhe dar com Karev e Sloan, Callie e Arizona descobrem que podem ficar juntas novamente, Meredith descobre estar grávida e, para mim, o momento mais triste do episódio Bailey tendo que encarar que não conseguirá salvar Charles (um dos residentes do Mercy limados da série), é Grey’s em sua essência. Chandra Wilson arrasa novamente e destaco também a pequena mas, importante, participação de dr. Webber. Foi uma temporada melhor que a quinta, houve uma pequena irregularidade no meio da temporada, no entanto, os arcos finais (com exceção da filha de Sloan) renderam muito material para a série, que continua um das minha favoritas;

How I Met Your Mother – continuação da 5ª temporada:

s05e10 The Window – a mãe de Marshall manda para ele itens que sua infância, inclusive uma carta que ele havia escrito pra sim mesmo aos 15 anos para ler quando tivesse 30, já Ted fica sabendo da oportunidade de sair com a garota normal perfeita, uma guria que quando Ted ia tentar sair com ela já estava namorando novamente, fazendo-o esperar anos por outra oportunidade, assim ele cria uma operação de guerra para nenhum homem chegar perto dela, hilário, já a trama de Marshall ficou um pouco perdida em comparação com a de Ted;

s05e11 Last Cigarrete Ever – último episódio do ano focado no vício de cigarros dos personagens, iniciando por Marshall e Robin e, atingindo a todos os demais, para surpresa dos filhos de Ted no futuro, não foi um grande episódio, principalmente, cômico, a série fecha com uma primeira parte da temporada irregular, acho que os roteiristas precisam mesmo resgatar a trama da mãe do título;

s05e12 Girls vs Suits 100º episódiopara marcar a incrível marca da série, temos um episódio com um número musical protagonizado por Barney e seu amor pelos seus ternos, já na narrativa da série finalmente chegamos na casa da Mother da série, está certo que na verdade Ted estava saindo com sua colega de apê, a lindinha Rachel Bilson, já no MacLaren’s surge uma bartender mulher super gostosa que agita com Barney e Lily, ela faz com que Barney deixe, momentaneamente os ternos de lado, rendendo os momentos mais engraçados do episódio, super caprichado e com ótimo roteiro;

s05e13 Jenkins – divertido episódio centrado na nova colega de trabalho de Marshall, a gostosa Amanda Peet, que Marshall tem receio que Lily tenha ciúmes, já Robin descobre que alguns dos alunos de Ted assistem seu telejornal, somente não desconfia que seja pelas suas intervenções durante as entrevistas;

s05e14 The Perfect Week – enquanto todos enfrentam problemas numa semana atípica, Barnery relembra junto a um famoso jornalista desportivo sua escalada pela semana perfeita, onde ela saí durante 7 dias com 7 mulheres diferentes, episódio muito bom;

s05e15 Rabbit or Duck – episódio passado no Valentine’s Day, foi um dos mais fracos da temporada, Lily e Marshall ficaram responsáveis por conseguiur um encontro para Ted, Barney vai ao Super Bowl apenas para divulgar seu numero telefônico e conseguir mais encontros, claro que ele começa agir igual a um viciado e Robin dá uma chance ao colega de bancada;

s05e16 Hooked – episódio temático da série, no caso, sobre pessoas fisgadas por outras no relacionamento que nunca ocorrerão (famoso step). Ted fica preso num flerte com Carrie Underwood (lindinha!!) que sempre promete começar o namoro mas não naquele momento, assim, todos relatam momentos onde fisgaram ou foram fisgados neste relacionamentos, além disso, tivemos uma das armas de Ted para figar uma garota, um porquinho bebê. Bem divertido;

s05e17 Of Course – legal retornarem ao tema do namora de Barney e Robin, que parecia ter terminado muito fácil, sim, Robin vem sofrendo com o comportamento de Barney mas escondia de todos, até que ao entrevistar uma escritora de livros para solteiras (participação que caiu como uma luva para o sex appeal de Jennifer Lopez), Robin pede para que ela teste Barney, que ficaria até o 17º encontro sem conseguir transar com ela. Episódio não tão engraçado, mas muito bom, ainda tivemos Ted cantando;

s05e18 Say Cheese – ótimo episódio passado no aniversário de Lily, contando como Ted atrapalha suas mémorias afetivas pois em cada foto de seu álbum comemorativo, Ted aparece com uma garota diferente. Já Robin nota que Barney sempre sai do mesmo modo em todas as fotos e começa a perturbá-lo para pegá-lo em em ângulos diferentes. Muito bom quando a série consegue criar dinâmica entre o passado, presente e o futuro da turma de amigos, sem parecer forçado;

s05e19 Zoo or False – achei um dos episódios mais fracos desta temporada, digno de sorriso amarelo somente, a trama brincou com uma mentira que Marshall teve que contar para o grupo ao ser assaltado, já barney diz que mentira é fundamental, e Lily em função da violência sofrida por Marshall resolve comprar uma arma, e que com que marshall mude sua história para evitar que Lily adquira uma arma;

s05e20 Home Wreckers – no casamento de sua mãe com um tipo meio hiponga, Ted resolve comprar uma casa velha para restaurá-la e viver lá no futuro com sua família, todos seus amigos acham a idéia absurda, até porque a casa está caindo aos pedações conforme o empreiteiro que surge durante o episódio. ao final descobrimos que, realmente, aquela será a casa que Ted usa para contar as histórias para seus filhos;

s05e21 Twin Beds – Robin recebe o convite de Don para morarem juntos, isto ocasiona uma crise hilária de ciúmes em Ted e Barney, para reconquistarem Robin, já Marshall e Lilly descobrem as maravilhas de dormirem em camas separadas. Episódio simples, mas muito divertido!

House – continuação da 6ª temporada:

s06e09 Wilson  – em seu último episódio da temporada temos a atenção voltada para o cotidiano de Wilson, sua batalha em manter seus pacientes vivos e esperançosos, o caso da semana envolveu um paciente de Wilson com câncer remissivo há mais de 5 anos que, na verdade, virou seu amigo, como sempre diz Wilson, que apresenta um problema de saúde desconhecido que House afirma ser o câncer de volta. O show ficou por conta da interação de House e Wilson, sua aposta e o temor de House, numa cena bastante surpreendente, pela sáude de Wilson, como bônus tivemos House se escondendo de Cuddy no hospital. Depois da excelente season premiere, a temporada caminhou por um trajeto, no minimo, estranho, os casos médicos tornaram-se pano de fundo e o grande destaque foi a “recuperação” de House e o relacionamento com os demais personagens, se House está recuperado, ainda não sei dizer, talvez nem mesmo os roteiristas, já vimos em um dos últimos episódios que House ainda não consegue deixar de manipular as pessoas ao seu redor;

s06e10 The Down Low – House retornou um com episódio bastante cômico e descontraído, primeiro tivemos House e Wilson mudando de apartamento e disputando a atenção da vizinha, sendo que House lhe diz que são um casal gay, hilariante, já no hospital temos a equipe fazendo uma pegadinha para Foreman deixar a arrogância um pouco de lado, o caso médico era de um traficante que nega informações sobre seu passado médico e outros detalhes. Obs: excelente cena de House “entrevistando” o amigo do traficante;

s06e11 Remorse – enquanto House tenta se acetar com algumas pendencias do passado, especificamente, um colega da faculdade, Thirteen desconfia da nova paciente, que apresenta traços de psicopatia, e acaba batendo de frente com ela, inclusive é uma das melhores pacientes em meses da série, extremamente fascinante e interessante, claro que nem tudo são flores, mas finalmente parece terem resolvido a tensão entre Foreman e Thirteen;

s06e12 Moving the Chains – o caso da semana envolve um futuro atleta do futebol americano que apresenta diversos sintomas incompativeis, já House e Wilson começam a sofrer retaliações no apartamento novo sem possível mandante, e Foreman recebe a visita de seu irmão, participação de Orlando Jones, que estava preso e para desespero do mesmo House contrata o irmão para descobrir alguns segredos de Foreman. Episódio bastante agitado pelas diferentes storylines, claro que a melhor era a mais divertida, as armações para House e Wilson, bom episódio;

s06e13 5 to 9 – passadas seis temporada os roteiristas resolveram testar a audiência ao centrar os roteiros nos personagens coadjuvantes, primeiro foi Wilson, agora chegou a vez de acompanharmos Um dia inteiro de Cuddy, seus problemas administrativos, com funcionários, financeiros, as questões de House que surgem a todo momentos e ainda seu papel de mãe e namorada de Lucas. Foi um episódio muito bacana, House aparece pouco (mas sempre marcando presença com suas perolas), mas principalmente, Cuddy merecia depois de todos estes anos, é interessante observar como seu trabalho pode ser desgastante e mesmo assim, ela tem paciência para aturar as armadilhas e problemas de House;

s06e14 Private Lives – em seu novo retorno aos inéditos House volta a apresentar um roteiro interessante e bem desenvolvido, o caso da semana, com participação de Laura Prepon, como um blogueira viciada em seus posts que começa apresentar roxos no rosto e mais um quadro de inúmeros sintomas, já na equipe, House desafia Chase a ir numa rodada de encontros às escuras, enquanto isto, Chase e Wilson tentam descobrir um segredo envolvendo House e um livro de sermões; o mais bacana deste episódio foi o equilíbrio entre as tramas com participação de quase todos personagens, à exceção de Foreman, que não faz falta;

s06e15 Black Hole – chego a uma conclusão: o grande arco desta temporada não foi a rehab de House, nem mesmo a série se transformou novamente numa série de casos da semana, nesta temporada a aposta dos produtores, para o bem e para o mal, foram seus personagens coadjuvantes. A cada semana, cada um deles ganha luz sob os holofotes com uma storyline própria, dividindo às atenções com House e o paciente da semana. Neste semana tivemos House discutindo com Wilson sobre a mobilia, Taub tentando resgatar seu casamento e a paciente da semana com alucinções com um buraco negro, confesso que me surpreendeu o desfecho da trama, não esperava;

s06e16 Lockdown – pelo jeito a série vai ficar focada em diversas storylines daqui pra frente, acho um acerto, afinal após 6 anos, haja bons personagens e bons casos médicos para segurar a série, que de indispensável só mesmo a trinca House/Wilson/Cuddy. Aqui, estreiando na direção Hugh Laurie, tivemos um fato, o sumiço de um bebê, que provocou o isolamento de todos no hospital para averiguação do desaparecimento. Assim, Cuddy se envolve na procura pelo bebê, com direito a “momento House”, Chase recebeu a visita de Cameron e os dois ficam trancados numa sala para discutirem a relação, Taub e Foreman presos no arquivo não atrás dos segredos de House, Wilson e Thirteen jogam Verdade e Consequencia (e vemos como sera a entrada de Cynthia Watros de Lost na série), e House fica isolado no quarto de um paciente terminal que havia pedido para House atendê-lo anteriormente;

s06e17 Knight Fall – episódio ok na temporada, me pareceu que não soube aproveitar ou fazer impacto com esta comunidade que vive como na Era Medieval, no entanto, a entrada de Samantha, ex-mulher de Wilson, que retorna como sua namorada promete, House já apresentou suas armas, guardou, e ao final, fez um grande jantar ao novo casal e colocou as cartas na mesa para a linda Cynthia “Libby” Watros, quais serão as reais intenções de Sam ou é somente loucura de House?

s06e18 Open and Shut – acho que os roteiristas encontraram um texto perdido lá da primeira temporada, pois o grande destaque do episódio foi com certeza a paciente e o caso médico da semana, participação de Sarah de Prison Break, como uma mulher que tem um casamento aberto, sai com outros homens, enquanto isto, seu marido parece que não, mas tem outro segredo. Prato cheio para o sarcasmo de House, que ainda encontra tempo para criar as primeiras briguinhas entre Wilson e Sam, enquanto isto, Taub resolve pedir para a mulher para ter um casamento aberto, sinceramente, um personagem que não consegue acrescentar nada na série para mim há muito tempo;

s06e19 The Choice – mesmo não contando com um caso médico tão interessante e cheio de desdobramentos como no episódio passado, este episódio mostrou um lampejo do que deve ser a season finale da série nestes dois ultimos episódios, House não consegue se conectar com ninguém e, este deve ser o caminho para o retorno do seu vício, sinceramente, nada mais triste para o ser humano. No episódio, Wilson paga para que os pupilos façam programas com House para não deixá-lo sozinho, afinal Wilson está curtindo seu namoro com Sam, no caso médico, temos um ex-gay que passou mal no seu casamento hetero, participação de Adam Garcia;

s06e20 Baggage –

s06e21 Help Me Season Finale –

Human Target – 1ª temporada:

s01e01 Piloto Season Premire – pensando bem até que a nova série de McG dá um caldo, não que seja uma grande maravilha, mas tem um clima legal, um humor interessante e pode ser uma boa opção do gênero com o iminente fim de 24 Horas. O elenco é legal, principalmente, Chi McBride, ainda na vibe de Pushing Daisies, e aposto alto no humor de Jackie Earle Haley, o novo Freddie Kruger. Neste primeiro episódio Chance se transforma num intérprete para investigar as supostas ameaças a uma empresária que construiu um trem bala, claro que a ameaça persegue a moça dentro do trem onde ninguém pode fugir já que o mesmo está em movimento. Participação de Tricia Helfer, de BSG;

s01e02 Rewind – episódio bem bacana todo se passando num vôo comercial, Chance e Winston (que continua com tiradas a la Pushing Daisies) entram no vôo para proteger um hacker desconhecido que está indo se entregar depois que descobre um grande problema na rede mundial, no entanto, no mesmo vôo deve estar o assassino que está atrás dele;

s01e03 Embassy Row – Chance se infiltra na embaixada russa, depois de ver um antigo amigo assassinado por envenenamento, sua investigação o leva a conhecer uma agente do FBI infiltrada e, juntos, notam que está havendo uma leilão de armas internacionais da embaixada;

s01e04 Sanctuary – Chance é contratado para defender um informante de uma gangue de antiguidades que fugiu no último assalto e ficou livre, enquanto, os demais foram mandados para a prisão. Quando estes fogem Chance é contratado para segui-lo num santuário isolado, enquanto isto, Guerrero, procura nos relatorios de Winston algo sobre uma mulher da vida de Chance, algo que ele se sente culpado, pelo jeito deve ser o pano de fundo da série. Participação de William “Ethan” Mapother. Melhor episódio da série até aqui;

s01e05 Run – Chance e Winston ajudam uma advogada da promotoria que entrou um contato com um antigo chede de máfia, que estava sumido há anos, e agora promete entregar fatos e pessoas corruptas da policia, assim Chance precisa levar a advogada ao encontro desta testemunha mesmo ela sendo perseguida 24 horas por dia. Participação do eterno Homem Canceroso, William B. Davis, infelizmente matei a surpresa do episódio nos primeiros cinco minutos, o que fez com que o episódio perdesse um pouco a graça, no entanto a sequencia final mostra que Chance é capaz de tudo, e não somente um agente “bonzinho” que trabalha por dinheiro;

s01e06 Lockdown – meio sem compromisso esta série tem me agradado bastante, começa devagar e com o desenrolar do episódio vai ficando imperdível, aqui com participações de Mitch Pileggi e Kevin Weissman (Marshall de Alias), no caso da semana, Chance precisava resgatar um nerd de um prédio de alta segurança e tecnologia, ao final, descobrimos que o antigo chefe de Chance pode estar a sua caça;

Law & Order: SVU – continuação da 11ª temporada:

s11e10 Anchor – episódio centrado em Fin numa investigação de homicídios de filhos de imigrantes, como nada é tão simples na série, logo após prenderem o culpado no julgamento vemos um advogado querendo provar que o assassino sofreu uma lavagem cerebral por seguir as opniões de um preconceituoso apresentador de televisão. Participação de John Larroquete;

s11e11 Quickie – aparentemente mais caso de estupro seguido de morte, revela uma rede por celular de sexo rápido com desconhecidos, o caso da morte é resolvido mas no meio do caminho, descobre-se que um dos suspeitos anda espalhando o virus HIV discriminadamente entre as mulheres com quem sai. Bastante polêmico e reflexivo às questões levantadas pelo episódio, melhor ainda saber que teve uma audiência expressiva, a melhor da temporada, prestação de serviço da série;

s11e12 Shadow – num episódio aparentemente banal conhecemos uma das piores criminosas da série, no caso da semana, um casal de idosos é encontrado morto, se suspeita que o senhor tenha matado a esposa e se suicidado, no entanto, este casal faz parte da alta sociedade americana, milionários, deixando tudo para sua filha, uma sociopata sem caráter algum. Participações de Naveen “Sayid” Andrews e Sarah Poulson;

s11e13 P.C. – a unidade investiga a morte de uma lésbica e encontra resistência e perseguição por parte de um grupo engajado na questão, chefiado pela atriz, normalmente, em papéis cômicos, Kathy Griffin, quando estão investigando a morte descobrem se tratar de um assassino que vem agindo contra as lésbicas do bairro há mais tempo;

s11e14 Savior – neste episódio tivemos um religioso que passa a atacar prostitutas na rua e matá-las para livrá-las dos demônios, no entanto, uma de suas vítimas consegue fugir (participação de Mischa Barton, bem melhor do que eu esperava, mas adulta sem os vícios de The OC), uma jovem que mora com a tia deficiente e que precisará testemunhar para colocar o assassino atrás das grades; além disso, ela está gravida; episódio bastante dramático principalmente pela relaçao que Olivia cria com a jovem;

s11e15 Confidential – como a série me intriga quando coloca em cheque a própria Justiça. Neste episódio tivemos a dupla de agentes investigando o sumiço e ataque a uma mulher num prédio de escritórios visto num vídeo. Claro que a trama não ficou somente nisto e, tivemos mais, uma advogada no banco de reús e um preso injustamente, que poderia ganhar liberdade. Participação de Lena Olin;

s11e16 Witness – confesso que achei um dos episódios mais fracos da temporada, a trama sobre o abuso de mulheres em países do terceiro mundo, me soou como notícia velha, todos sabemos disso, não nos choca mais, ainda que seja muito importante divulgar para o grande público, principalmente, o americano, que nunca sabe de nada fora de suas fronteiras. Como roteiro faltou algo…

s11e17 Disabled – impressionante a dramaticidade deste epísódio, não bastasse a vítima ter sido estuprada, tendo ela esclerose múltipla em estágio avançado, sem conseguir caminhar nem falar, vimos que o tratamento dispensado por sua irmã, que vive do seu dinheiro, era quase tão monstrouso quanto o do estuprador, chocante. Inevitavelmente, me lembrou do temática de Preciosa, pela contrução da personagem monstruosa que se mostra a irmã da vítima, notem a participação do grandalhão de Um Sonho Possível;

s11e18 Bedtime – a dupla investiga um assassinato envolvendo uma jornalista que trabalhava infiltrada e disfarçada para fazer suas matérias, ao descobrir seu assassino, um assistente social, que já havia agido da mesma maneira há mais de 30 anos, Stabler e Benson descobrem que uma das supostas vítimas do estuprador e assassino não foi morta por ele. A trama dá uma guinada ao mostrar um grupo de jovens garotas, na época, que se envolveram com uma famosa figura da televisão, que fazia propaganda de colchões mas que traia sua esposa, a vítima do caso anterior. Nada muito acima da média da temporada;

s11e19 Conned – a morte de um jovem garoto num casamento, leva Stabler e Fin a conversarem com o filho de Fin, que abriga desabrigados e descobre que o jovem possuía amizade com outro diagnosticado por esquizofrenia, no entanto, o que os agentes não podiam imaginar era que este menor havia sido seduzido pela sua médica, que inclusive, engravidou do mesmo. Participação de Ally Walker, de Profiler;

s11e20 Beef – episódio meio sem sal nesta reta final da temporada, também irregular como a maioria das séries neste temporada, não conseguirem nem segurar a personagem da promotora Cabot, sempre ótima. No caso da semana, uma investigação revela que uma vítima com várias amostras de DNA cuja garganta foi cortada era um aspirante a jornalista de investigação sobre a expor as práticas altamente insalubres em uma fábrica de embalagem de carne;

s11e21 Torch – episódio que marca o inicio das participações de Sharon Stone da série, como a nova promotora, tranferida a mando de McCoy, ela foi parceira de Stabler anos atrás. Em seu primeiro caso, temos um incêndio numa casa que matou duas meninas, a príncipio o especialista acusa uso de aceleradores, cainda a culpa sobre o pai, que já utilizou de fraudes no passado para levantar dinheiro, no entanto, Jo Marlowe começa a acreditar na inocência do pai e precisa levantar provas que derrubem o laudo do bombeiro. Apesar de achar bastante interessante a entrada de Stone na série, achei o episódio muito fraco no contexto jurídico, principalmente, pela soberba do especialista;

s11e21 Ace – ao investigar o desaparecimento de uma mulher que foi estuprada e estava grávida, a equipe se depara com um forte quadrilha de tráfico de bêbes por  mulheres hungaras. O chefão e tão blindado que a promotora Marlowe é obrigada a usar de subterfúgios para forçar as pessoas à testemunharem. Episódio forte de alta carga dramática dando bastante suporte para o papelo de Sharon Stone, estou gostando da personagem, uma pena que é por poucos episódios;

s11e22 Wannabe – legítimo episódio de SVU, começa de um jeito e vai ganhando proporções dramáticas bem diferentes daquelas projetadas inicialmente. Aqui, ao caçarem um estuprador por uma praça, svu e a policia, acaba por prender o criminoso numa abordagem ilegal, no entanto, o que a promotoria não esperava é que o policial fosse uma menino de 16 anos infiltrado no esquadrão. Logo, tudo será muito mais difícil de investigar e comprovar.

s11e23 Shattered Season Finaleepisódio final da temporada que deixou um pouco de lado o foco investigativo ou mesmo um chocante crime sexual, aqui o sequestro de uma menino e sua consequente morte, detonam uma briga de um casal que disputava a custódia dele, cada um a sua maneira, e com seus motivos. As investigações levam a suspeitar que um dos pais foi causador do acidente, levando a mãe francesa ao colapso nervoso fazendo de Marlowe, o pai do menino, Olivia e a dra. Warner de refém no necrotério do departamento. Participação mais que especial da diva francesa Isabelle Hupert;

Lie to Me – continuação da 2ª temporada

s02e09 Fold Equity – excelente premissa de levar Cal e sua equipe para investigar o sumiço de um finalista de um campeonato mundial de poker em plena Las Vegas, sendo que os suspeitos são os próprios adversários do jogador, os melhores blefadores do mundo, um prato cheio para Cal que já havia sido expulso de Vegas, apesar do seu jogo predileto ser roleta. Boa premissa!

s02e10 Tractor Man – último do ano, caso de uma homem que dirige um trator até um centro político da cidade pedindo para falar com o presidente  se nao uma bomba explodirá, já na sede da empresa, enquanto enfrentam esta ameaça de bomba Eli fica responsável por cuidar de um bando de crianças que visitava as instalações de Cal. Novamente, tivemos um caso bastante tenso e imediatista, conforme vem ocorrendo durante toda esta temporada, no entanto, a inserção das crianças, possivelmente, em razão da época do ano, quebrou o ritmo nervoso do episódio;

Lost – 6ª temporada:

s06e01/02 La X Season Premiere – e foi dada a largada para a tão esperada última temporada de Lost, e quando achávamos que os roteiristas já haviam trabalhado com todo tipo de narrativa (flashbacks, flashforwards e viagens no tempo) começamos a temporada com “flash-sideways”, isto é, uma realidade alternativa que pode ter sido criada após a explosão da bomba na ilha que levou todos de volta para o vôo da Oceanic Airlines sem ocorrer a queda do avião. E agora, no que será que isto dará? Enquanto isto na ilha, no presente, todos estão de volta da viagem no tempo achando que a bomba não funcionou, Sawyer tem a oportunidade de se despedir de Juliet, que acabou deixando um gancho para a série atráves da participação de Miles, na praia todos se assustam, principalmente, Alpert com a presença do Men in Black, o falso Locke, que enganou Ben e ainda mostrou uma face sua que não conhecíamos, o Monstro da Fumaça. Apenas um pequeno resumo do que foi o episódio duplo, simplesmente, excelente, como a série nos mal acostumou durante este anos;

s06e03 What Kate Does – os roteiristas não devem mesmo gostar de Kate, os episódios centrados na personagem sempre são os menos interessantes, ainda bem que neste o grande achado é o retorno de Claire, tanto na Ilha quanto no flashsideways, onde descobrimos que Kate e Claire ainda têm seus destinos cruzados, no mais foram as fugas de sempre, criando vários núcleos que devem ser trabalhados durante a temporada, como Jack com o líder Dogen, Sawyer ainda lamentando a perda de Juliet mas já fora do templo. Gosto do episódio mas lamento que ele não pareça ser muito efetivo dentro da temporada final da série, onde a dinâmica podia ser diferente;

s06e04 The Substitute – sempre interessante a figura de Locke na série, tanto na Ilha como MIB quanto no flashsideway, foi um episódio bastante interessante, na Ilha Locke MIB tenta recrutar um Sawyer revoltado, coisa que pelo menos revelou que o destino/Jacob uniu os personagens na ilha e de alguma maneira eles estão dispostos com os famosos numeros malditos, já nos FS, Locke aparece como um pessoa revoltada com sua situação, casado e, por coincidência, acaba se encontrando como Hurley, Rose e Benjamim Linus. Ótimo episódio!

s06e05 Lighthouse – mais um ótimo episódio, com inúmera sequências impecáveis, Jack e Hurley (melhor personagem da temporada até aqui), indo atrás do tal Farol descrito no braço de Hurley, pelo jeito a explicação fundamental sobre os números foi dada, pra mim satisfatória, claro que gostaria de ver os desdobramentos dela. No flash-sideway, Jack sente na pele o carma ao se ver pai de um jovem bastante afastado dele, que continua divorciado, e com receio de lhe decepcionar, assim, como Jack se sentia em relação ao seu pai, Christian. Além disso, Claire mostra que perdeu mesmo a razão, tem uma teoria de que os Outros levaram Aaron e se tornou amiga de MIB, para surpresa de Jin;

s06e06 Sundown – episódio centrado em Sayid, com FS trazendo de volta a premissa básica de Sayid, a sua paixão por Nadia nunca parece se concretizar e seu lado violento que nunca o abandona; já na Ilha, vemos um confronto entre Dogen e MIBLocke para ver quem consegue manipular mais Sayid, ao final, MIBLocke arrasa com os habitantes do Templo que não foram para seu lado, e assim forma-se um pequeno exército com Sayid e Claire, ao mesmo tempo, Illana chega ao templo com Sun, Lapidus e Ben e consegue resgatar Miles, um dos melhores episódios da temporada com excelente dinâmica e bastante ação na narrativa;

s06e07 Dr. Linus – voltamos a ter Benjamin Linus como personagem da semana num episódio bastante instigante. Começando pelo flashsideway, vimos Ben como o professor de História bastante preocupado com seus alunos e, uma curiosidade, seu pai e ele foram embora da Dharma Initiative, primeira menção do grupo nos flashsideways. Na Ilha, Ben precisa enfrentar Illana quando esta descobre que foi ele quem matou Jacob, no confronto uma cena digna de Oscar para Micheal Emerson, mesmo assim, Illane preferiu contar com Ben em seu exército; já Jack e Hurley encontram Alpert que pelo andar da carruagem prefere acabar com sua vida, aqui vemos a transformação de Jack num “homem de fé”, e ao final os três chegam na praia, naquela famosa cena de reencontro com os demais, sempre emocionante! Não esquecendo que vimos quem está chegando à Ilha, qual será seu papel neste reta final? Ótimo;

s06e08 Recon – espisódio centrado em Sawyer, que aparece como um investigador no FS, ao lado de seu parceiro Miles, não esquecendo da participação de Charlotte, sempre em busca do criminoso que atormenta seu passado, na Ilha vimos que Sawyer se propôs ao plano do MIB e ver o que acontecia na ilha Hydra, e descobrir quais os planos dos recém-chegados, liderados por ninguém menos que Charles Widmore. Como será que seu personagem se encaixa na grande trama de série Jacob vs. MIB, e seu arqui-rival Ben, como as coisas devem se encaixa?

s06e09 Ab Aeterno – depois de temporadas e mais temporadas chegamos naquele momento tão ansiado por todos os fãs, quem é o personagem Richard Alpert, ou melhor, Ricardo. A resposta veio num episódio histórico dentro da série, cheia de episódios marcantes, como não ficar empolgado com a cheia de drama, romance e escolhas pelas quais Richard passou para chegar neste momento de dúvida presente na Ilha. Os roteiristas capricharam na mitologia, agora, sim acreditem, sabemos o que são a Ilha e a relação entre Jacob e MIB (esta dicotomia entre os personagens me fascina, até porque estamos a 7 episódios do final e mesmo assim, nenhum deles foi pintado como “meramente” um mocinho ou um vilão). Um único porém, a sequência de Hurley como Melinda “ghost Whisperer” eu sinceramente, dispensava. Excelente episódio!!

s06e10 The Package – o episódio dá uma acalmada no ritmo pós inúmeras revelações, para construir uma introdução à reta final da série, tivemos o flashsideways com o Sun e Jin, inclusive, revelando a sequencia com o Sayid no flashsideway do personagem em episódio ja exibido. Na ilha os acontecimentos foram muito mais interessantes, MIB vai tirar satisfações com Widmore, Alpert surge para o pessoal da Ilha avisando que devem evitar que o MIB embarque no avião e saia da Ilha, e descobrimos quem estava escondido dentro do subamarino, nosso querido personagem Desmond, inclusive, figura central no róximo episódio. Episódio apenas ok!

s06e11 Happily Ever After – fácil, fácil melhor episódio da temporada, fica um pouquinho acima da Ab Aeterno, que personagem fantástico é Desmond, e como os roteiristas souberam trabalhá-lo de maneira excelente desde a segunda temporada, Desmond é o personagem deslocado dos tripulantes do Oceanic 815 que, ao final da série, se mostrou um dos melhores (se não O melhor). Aqui vemos ele de volta à Ilha, presentinho de seu sogro, que diz que sua história da Ilha ainda não terminou. Widmore utiliza Desmons num experimento científico que faz o personagem, não sei bem ao certo como explicar, vivencias os flash sideways e ter relâmpagos de eventos que aconteceram na realidade conhecida por nós, é tempo de revermos George, que fez parte do cargueiro, Eloise Hawking, agora, Widmore, Daniel Faraday (sempre bem em cena também), Charlie e Penny. Como todos sabemos Penny é o que move Desmond, e neste episódio não foi diferente. Faltam somente 5;

s06e12 Everybody Loves Hugo – como não gostar de um episódio centrado em Hurley, que passou de ingênuo viajandão à representante de Jacob na Ilha, além disso, tivemos as participações de Libby e Michael, na realidade paralela, Hugo tem a oportunidade de reconhecer Libby e com isto, ter seu momento acordando para a realidade, com Desmond de sobreaviso, acompanhando tudo. Ao final, na realidade virtual, vemos Desmond atropelar violentamente Locke na cadiera de rodas saindo da escola, o que será que isto ocasionará nas narrativas;

s06e13 The Last Recruit – achei este um dos episódios mais dinâmicos da temporada, sem uma figura representante do episódio, tivemos a ligação de diversos personagens, quase todos, nos flash sideways, com destaque para o reconhecer de Sun com Locke e Illana surgindo como uma advogada. Já na Ilha, ao fugir do falso Locke, Sawyer corre com as incertezas de Jack, que volta à Ilha com o falso Locke, e quando achamos que Sawyer se unirá a equipe de Widmore o mesmo volta atrás, no entanto, ainda assim tivemos o encontro de Sun e Jin, finalmente, nesta temporada;

s06e14 The Candidate – e os eventos mais dramáticos começaram, aqui, tivemos a revelação das reais intenções do MIB e, isto, não inclui sair da ilha com os possíveis candidatos! confesso que ainda me surpreendo com as ambiguidades da série, estes eventos acarretaram na perda de alguns personagens principais, o que nunca deixa de ser emocionante. Mas mais emocionante foi a sequeência final com os sobreviventes! Nos flashsideways, Jack tenta convencer Locke de deixá-lo operá-lo, mesmo que para isto, tenha que ir buscar respostas sobre o acidente que deixou ele na cadeira de rodas. Prêmio certo para Terry O’Quinn neste temporada!

Misfits – 1ª temporada:

s01e01 Episódio 1 – é sempre prazeroso assistir séries inglesas, normalmente, mais consistentes e menos caretas que as americanas, aqui temos um caso de junção da sinopses, claramente, parece um misto de Heroes (que se perdeu completamente) com Skins (série teen inglesa com forte teor de drogas e sexo, bastante elogiada pela crítica). Desde o pricípio nota-se um cuidado em constriur personagens  para após termos em destaque o conceito da série, uma turma de delinquentes que adquirem poderes durante uma tempestade, sem grandes explicações de DNA ou outras baboseiras filosóficas a la Mohinder em Heroes. Piloto ok, ação ok e personagens bastante ricos, vale um conferida!

s01e02 – Nathan ainda sabe qual é seu poder, no entanto, ganha destaque no episódio ao ver o namorado da mãe agindo como um cachorro, nu em pelo, e acaba se envolvendo com uma mulher que também pode ter adquirido poderes. No pano de fundo do episódio, os personagens descobrem que alguém mais sabe o fim do monitor da turma, parece que será o arco da temporada, excelente personagem o Nathan assim, como o humor inglês da série;

s01e03 – Alisha sai testando na noite seu poder de excitação, Sally se envolve com uma garota explosica que também tem um poder especial e lhe atinge, e descobrimos que a supervisora está a procura do supervisor da turma desde o seu sumiço e que eles deviam estar juntos;

s01e04 – os roteiristas de Misfits se arriscam no espinhoso tema de viagens no tempo ao centrar o episódio em Curtis, que pelo jeito bão vê somente o futuro, pode ir ao passado. O episódio conseguiu sair ileso destas viagens no tempo, mostrou um pouco dos personagens antes da tempestade, somente não foi adiante nas questões que já haviam sido apresentadas, episódio muito bom;

s01e05 – desta vez o foco ficou quase que completamente em Simon, e sua repentina relação com Sally, a supervisora, que aproveitou a suposta fragilidade do rapaz para se aproximar e descobrir detalhes sobre o sumiço do seu namorado, além disso, Nathan surge com um suposto instinto paternal e Curtis não consegue terminar o namoro com sua antiga namorada, mais um bom episódio e destaque para trilha sonora, falta somente um episódio para o fim da temporada;

s01e06 Season Finalefoi uma excelente surpresa esta série inglesa, bem que Tim Kring poderia dar uma espiada e se inspirar para sua Heroes, o único equivoco do episódio final foi não ter terminado o arco envolvendo o monitor e a supervisora do centro dos jovens delinquentes, no entanto, neste último episódio conhecemos uma guria com poder de “sugestão” que fazia todos se comportarem como jovens religiosos e ficamos sabendo bem no finalzinho do episódio, de maneira cômica para variar, qual seria o poder de Nathan, um dos melhores personagens da tevê atualmente.

Modern Family – continuação da 2ª temporada:

s01e10 Undeck the Halls – sendo o episódio natalino da série, o humor não foi tao generoso como nos episódios anteriores, o que o roteiro priorizou foi os sentimentos em famílias e as mensagens, no entanto, as brincadeiras com os costumes colombianos, explicados por Manny são hilários, e os videos montados por ele, idem, Inocente!

s01e11 Up All Night – em seu retorno após o hiato a série mostra o pai de Manny, um colombiano que curte a vida mas sem responsabilidades, participação de Benjamin Bratt, já Phil sofre com uma suposta pedra nos rins, mas parece que vai morrer, hilariante sua relação com o filho, enquanto isto, Cam não consegue deixar sua filha chorando sem acudi-la para desespero de Mitchell. A comédia continua imbátivel!

s01e12 Not in My House – a série tem conseguido se sobressair com roteiros bens sacados e situações cômicas, conseguindo retratar um humor cotidiano e descritivo na rotina das famílias; neste episódio Cam irrita Mitchell ao se mostrar muito bonzinho com as pessoas, já na casa de Phil uma foto erótica no computador coloca todos em suspeita, claro que Phil não assume que seja sua, parece tão infantil quanto o filho, e um boneco de cachorro mordono causa inúmeros aborrecimentos para Jay e muitos sustos (Diablo) para Gloria;

s01e13 Fifteen Percent – em mais um hilário episódio, Phil mostra sua “superioridade” em tecnologia para Claire, já Manny e Gloria ajudam uma garota nerd, e Mitchell fica brabo com Jay quando esta apresenta Cam como apenas amigo dela para seus velhos amigos, entre eles, um suspeito Chazz Paminteri;

s01e14 Moon Landing – Claire reencontra uma antiga amiga do serviço e tenta se convencer das escolhas que fez, enquanto sua casa está uma zona, participação de Minnie Driver e do bigode de Magnun utilizado por Phil (hilário), Jay vai jogar squash com Cam e Mitchell cai na armadilha de tentar defender Gloria por um acidente de trânsito, quando ninguém faria isto (adoro o jeito pelo qual Manny tentou entregá-la). Mais um ótimo episódio, incrível o nível de qualidade da série!

s01e15 My Funky Valentine – continua mantendo a excelente qualidade, com dialogos engraçados, dinâmica interessante e o ótimo elenco. Episódio do Dia dos Namorados, Phil e Claire resolvem criar uma situação de desconhecidos para flertar e aquecer o relacionamento, Cam e Mitchell ficam com Manny e tentam ajudá-lo numa paquera da escola, já Gloria e Jay vão a show stand up que Jay queria ver, ao contrário de Gloria que queria dançar salsa, até que tudo não sai como o esperado;

s01e16 Fears – vocês não tem noção do como Modern Family é melhor comédia do ano, difícil alguém ter um texto e atores melhores em cena do que esta série. Neste episódio, todos tiveram que enfrentar algum medo, Phil e seu filho buscaram tesouros em baixo da casa (hilário), Mitchell e Cam tiveram que aceitar a idéia de que sua filha pode ter dito como primeira palavra “mamãe”, para tristesa de ambos. Já Jay e Manny foram forçados por Gloria a enfrentar o medo de montanha-russa. Logo na introdução do episódio o falso documentário perguntou para cada personagem qual seria seu maior medo, só esta sequência já valeu o episódio todo;

s01e17 Truth be Told – episódios centrado em verdades e mentiras, Jay mente para Manny de como sua tartaruga morreu, já Mitchell desconfia que seu chefe ouviu ele xingando-o no telefone, e Phil marca um encontro com uma antiga namorada que acaba despertando cíumes em sua esposa, mas depois se mostra muito amigável, mas as aparências enganam, participação de Judy Greer. Nem preciso dizer o quanto o episódio foi engraçado, qualidade excelente;

s01e18 Starry Night – Phil e a esposa tentam fazer com que seus filhos se tornem mais independentes com seus compromissos escolares, Cameron após um saia justa com Gloria resolve convidá-la para jantarem sozinhos, enquanto isto, Jay, Mitchell e Mannu vão assitir a uma chuva de meteoros. O texto continua engraçado e sem mais comentários pois acabo sempre me repetindo com esta excelente comédia;

s01e19 Game Changer – é aniversário de Phil e Claire resolve lhe dar um presente ansiado pelo marido, um Ipad, para isto precisa acordar cedo e esperar na fila da loja, claro que isto acaba não ocorrendo quando ela dorme no sofá, no mais, passa o resto do dia correndo atrás do presente, Cameron escuta uma interferência na babá eletrônica da filha e resolve interferir, já Jay, Gloria e Manny ficam envolvidos em disputas pessoais sobre quem é melhor no xadrez. O que foi a cena de Phil no aniversário de seu xará, imperdível;

s01e20 Benched – os roteiristas mostram como pegar um tema simples, pais que se sentem abandonados pelos filhos ou o domínio do sogro sob o genro (Jay e Phill), para fazer um episódio muito bom e engraçado, não consigo enxergar ninguém com texto mais cômico atualmente, nem mesmo TBBT. Praticamente, tudo aqui funciona de uma maneira mais orgânica, num misto de gags visuais, como os foras do sem noção Phil, com as tiradas do trio Jay/Gloria/Manny;

s01e21 Travels with Scout – o pai de Jay chega para visitá-los e se mostra tão engraçadinho quanto o filho, no entanto, Claire repara que ele pode estar com problemas, Cam substitui o baterista da banda do Dylan e arrasa, já Jay resolve levar Manny para ver um filme, no entanto, o filme era de terror, e acaba traumatizando o garoto. Não quero ser muito otimista, mas todas as storylines me divertiram neste episódio, inclusive Claire, que, aparentemente, me é a mais normal da família;

s01e22 Airport 2010 – Gloria resolve dar um presente de aniversário para Jay, uma viagem com toda família para o Hawai, para desespero de Jay. No aeroporto, Mitchell esquece da carteira e precisa voltar em casa para buscá-la levando Phill como motorista, já Claire nervosa com a viagem começa a relaxar com bebidas. Mais um episódio muito bom, bem escrito e com boas sacadas;

Monk – continuação da 8ª temporada:

s08e12 Mr Monk goes Camping  – para conseguir seu distintivo e resgitro novamente Monk precisa passar por um conselho de policiais, dois claramente elogiam o detetive, somente um deixa no ar sua decisão, Monk descobre que o filho deste policial irá num acampamento com Randall e outras crianças e se candidata para fazer parte de equipe e inpressionar o policial votante do conselho, claro que no caminho há uma dupla de assaltantes, o caso policial da semana;

s08e13 Mr Monk is the Best Man – o capitão Stottlemeyer convida Monk para ser seu padrinho na casamento dele com TK, mas o casal começa a sofrer atentados violentos que deixam TK confusa sobre o casamento, enquanto isto, Monk não desgruda da aliança do capitão;

s08e14 Mr Monk and the Badge – Monk consegue o tão sonhado distintivo novamente, mas acaba percebendo que muitas coisas mudaram nestes 12 anos no qual estava afastado, não conseguindo se adaptar à rotina de seu trabalho, agora, burocrático, Natalie também acaba indo procurar um novo trabalho;

s08e15 Mr Monk and the End – parte 1: um assassinato leva Monk e Leland a lembrarem da morte de Trudy há 12 anos atrás, por coincidência eles acabam descobrindo que ambos os casos tem fatos em comum, assim que o mandante descobre do envolvimento dele, manda um assassino envenenar Monk, que tem poucos dias de vida, levando-o a abrir um presente que Trudy havia lhe deixado no Natal no qual morreu e que Monk nunca havia aberto, trazendo uma grande surpresa para ele e revelações que podem faze-lo descobrir sobre o mandante do crime;

s08e16 Mr Monk and the End – parte 2 Series Finale: Monk se despede com um episódio bastante agitado e com uma grande surpresa para seu protagonista. Monk descobre quem é o mandante dos assassinatos e tenta conseguir uma confissão do mesmo, Natalie descobre o que havia envenenado Monk e assim descobrem uma fórmula para curá-lo, ao final, Monk descobre que Trudy havia deixado uma filha, que lhe foi tirada, e assim o detetive ganha um novo incentivo para viver e retorna para suas investigaçõs, Leland termina casado com sua Trudy e Randall se transfere para New Jersey para ser capitão e viver com Sharona. Participações de Craig T. Nelson, DB Woodside, Casper van Dien, Melora Hardin e Hector Elizondo;

NCIS – continuação da 7ª temporada:

s07e09 Child’s Play – os agentes são chamados em pleno Ação de Graças para investigar o assassinato de um militar que estava trabalhando como guarda-costas de crianças super-dotadas para o governo americano;

s07e10 Faith – em plena época de Natal, Gibbs recebe a visita de seu pai (coincidentemente o mesmo ator fez uma participação como avô de Booth em Bones, nesta temporada), o caso da semana envolve um fuzileiro assassinado enquanto fazia suas orações como seguidor da religião muçulmana, e, claro Dinozzo se envolve num amigo secreto hilariante;

s07e11 Ignition – em seu retorno aos episódios inéditos da 7ª temporada, a série ainda cita em alguns momentos o personagem de Robert Patrick, não lembro seu nome de cor, mas isto deve ser indicativo que o personagem deve retornar a qualquer momento. Já no caso da semana, temos um piloto que morreu envenenado pilotando uma mochila voadora, isto mesmo, e quem se mostra especialista neste equipamento é McGee, que acaba gananhando de Jethro, a liderança do caso, no entanto, ele é atrapalhado pelo surgimento de uma advogada que tem um passado com Jethro;

s07e12 Flesh ans Blood – DiNozzo recebe a visita de seu pai, um velhino meio golpista cheio da manha, participação do histórico Robert Wagner, que tenta manter uma postura classuda e se mete no caso do episódio, o caso propriamente dito, envolve uma explosão que atinge somente o motorista de um principe do Oriente, o que acaba gerando um problema diplomático;

s07e13 Jetlag – Dinozzo e Ziva vão a Paris buscar uma testemunha de fraude dentro da Marinha, nos Eua, Gibbs e McGee descobrem um fuzileiro que havia sido contratado para matar a testemunha de Dinozzo, logo, outra pessoa assume a missão, isto em pleno vôo a equipe precisa investigar quem pode ser o desconhecido assassino de aluguel;

s07e14 Masquerade – um militar latino se vê envolvido com uma ameaça de guerrilha que pode ser jogada política de forças desconhecidas em plena Washington, numa semana onde o Congresso votaria para reduzir custos com contratos tercerizados, surge novamente, a defensora Margaret Hart (já vista em séries como Heroes e 24 Horas), mas diferente do que eu pensava o embate dela com Gibbs tem fundo romântico, vamos ver como isto será trabalhado na série;

s07e15 Jack Knife – episódio que traz o retorno de um fuzileiro que Gibbs ajudou em temporadas passadas agora ele está afastado do serviço e acaba se envolvendo em transporte de cargas que pode ter originado a morte de um colega. No lado cômico da equipe McGee fica de babá de Gibbs em virtude do seu braço o que acaba cansando o agente que passa o episódio dormindo pelos cantos;

s07e16 Mother’s Day – um oficial da Marinha é assassinado numa praça junto a sua companheira, quando Jethro e sua equipe chegam descobrimos que a companheira do oficial assassinado é a ex-sogra de Jethro, que na verdade nunca descansou após a perda de filha e da neta, participação mais do que especial de atriz Gena Rowlands;

s07e17 Double Identity – Jethro e equipe investigam um tiroteio envolvendo um policial florestal e um fuzileiro que foi dado como morto há seis anos atrás no Afeganistão, quando iniciam os trabalhos descobrem que o sujeito levava uma vida dupla, já havia retornado ao Eua e estava casado com uma nova mulher;

s07e18 Jurisdiction – episódio bem bacana que contou com a participação de Diane Neal, a promotora Casey Novak de Law & Order SVU. O caso envolveu investigação de um mergulhador da marinha encontra morto numa praia, no entanto, o caso ficou na jurisdição dos NCIS e da equipe de investigação forense da Guarda Costeira (CGIS), e a morte do mergulhador parece estar envolvida com a procura de um tesouro marinho;

s07e19 Guilty Pleasure – uma velha conhecida de Gibbs retorna quando um agente da Marinha aparece morto, no caso, Holly Snow, que participou do episódio Jet Lag, aquele ela retorna para ajudar a equipe de Gibbs para encontrar uma garota de programa que está envolvida neste caso;

s07e20 Moonlighting – quando o trabalho de uma especialista em polígrafo da NCIS, que estava trabalhando numa empresa privada tambem, e por acaso, foi flerte de McGee, Gibbs e sua equipe trabalham junto com o agente senior do FBI Fornell, para descobrirem o motivo das tentativas em apagar os arquivos de poligrafo, chegando, inclusive a envolver uma juiza;

Nip/Tuck – continuação da 6ª temporada:

s06e04 Jenny Jungs – Matt vira um assaltante maquiado como mimico, conseguindo assim pagar pensão para a filha e pagar o aluguel para Sean e Christian, Teddy resolve se livrar de Sean e os filhos para conseguir botar a mão no dinheiro, para isto faz uma viagem de trailer em família. O caso médico é de uma mulher louca com peitos gigantescos que acaba atacando a todos a sua volta;

s06e05 Abigail Sullivan – Matt é atingido durante um assalto e aparece pedindo ajuda, com isto, Christian chama Julia (primeira vez na temporada) para resolverem o que fazer com ele, Sean descobre tudo sobre Teddy, e no caso médico, mulher com gêmeo parasitário resolve, através de ajuda do terapeuta, retirá-la do ombro, os restos do feto possuíam até nome, bizarro;

s06e06 Alexis Stone – confesso que estou acompanhando a série somente porque está terminando, os arcos que enolvem os personagens estão muito forçados e tudo parece um samba do crioulo doido, agora após uma suposta tentativa de suícidio, surge Erica (a talentosa Vanessa Redgrave), mãe de Julia, querendo a guarda dos netos junto com seu novo amor, um jovem italiano, Christian se envolve com uma transexual que quer voltar a ser homem, já Kimber repensa sua relação com Mike;

s06e07 Alexis Stone II – Matt e Alexis Stone pedem um procedimento cirúrgico incomum para Christian. Erica descobre a terrível verdade sobre seu novo marido. Depois de uma vida de tormento de sua mãe, Júlia procura vingança dela. Episódio bom, com certeza um dos melhores da temporada, até pareceu NT de antigamente, a participação de Vanessa Redgrave sempre acrescenta na série, e confesso que ao final, até fiquei com pena dela. Alguém mais lembrou de OZ neste episódio?

s06e08 Lola Wlodkowski – o episódio dá um tempos nos dramas e temas pesados e retorna para os casos clínico bem humorados lá dos tempos das primeiras temporadas, um casal de bonecos, Barbie e Ken, querem tirar os bicos dos seios, e uma gorda que se aceita muito bem, mexe com Christian. O episódio tambem abordou o louco amor entre Kimber e Christian. Bom episódio

s06e09 Benny Nilsson – Christian está numa crise financeira correndo o risco de ser até preso, assim pede dinheiro emprestado para Sean que desiste na última hora quando descobre que seu irmão dado como morto está vivo, Christian aproveita que o rapaz é um dito ex-viciado e faz Sean desconfiar da honestidade do irmão, como um vilao de novela mexicana. Infelizmente, Nip/Tuck dá um tempo da curva ascendente da temporada ao abrir uma nova storyline e trabalhá-la muito rapidamente;

s06e10 Wesley Clovis – surge a oportunidade de Christian e Sean libertarem Matt se eles operarem um preso obeso para ele poder ser executado na sua pena de morte, Sean inicialmente nega a possibilidade, no entanto, acaba aceitando, Matt em contraponto fica sabendo que o suposto criminoso era inocente e irá carregar com ele este fato. Kimber descobre estar grávida e sem o menor apoio de Christian acaba fazendo um aborto, o que lhe provoca esterilidade. Participação de Eric Stonestreet, o Cameron de Modern Family.

__________________________________________________________________________________________________________

s07e01 Dan Daley Season Premiere – a série retoma a questão da amizade/parceria de Sean e Christian, mostrando os dois recebendo um prêmio de sua antiga faculdade, enquanto em flashbacks, vemos como iniciou sua amizade e, claro, a manipulação de Christian desde sempre. No caso da semana, um paciente com Sindrome de Lesch-Nyhan que surge para fazer uma reconstrução, no entanto, quando solto suas primeiras atitudes envolvem auto-mutilação. Confesso que retomei a série apenas por saber que esta é sua última leva de episódios, os roteiristas se perderam demais, forçaram em tramas inuteis e a série virou um verdadeiro samba do crioulo doido, espero que o mesmo Ryan Murphy não cometa em Glee;

s07e02 Willow Banks – neste segundo episódio a série volta a velha ladainha de casais trocados, agora Sean se aproxima demais de Kimber, quando esta vira sua decoradora e Christian está largado em casa somente comendo e olhando esportes. Nos casos da semana, um rapaz acorda de um coma de 20 anos querendo ter novamente sua aparência de 20, e uma modelo super linda quer ficar feia, afinal ela não gosta de ser o centro das atrações pela sua beleza, e acaba se envolvendo com Christian;

Nurse Jackie – 2ª temporada:

s02e01 Comfort Food – em seu retorno, passado três meses dos eventos que finalizaram a primeira temporada, vimos que pouca coisa mudou na vida de Jackie, ela somente se afastou de Eddie (mas não por muito tempo) e se aproximou de sua família novamente. Jackie é responsável por aquele aparelho que comanda a farmácia, imaginem, o lobo cuidando das ovelhas!, no hospital o enfermeiro Momo não se encontra mais, e a equipe recebe aquele enfermeiro que era viciado novamente, o que deixa Jackie bastante incomodada, Zoey continua hilária somente com suas cara e bocas e dr. Cooper não larga do pé de Jackie, a temporada promete;

s02e02 Twitter – Jackie ainda precisa lhe dar com o medo de morte de sua filha, agora por incêndio, no trabalho cobre a Dra. O’Hara que saiu a noite e usou ecstasy. No caso da semana, uma família chega a emergência precisando fazer um exame para descobrir se seu filho possui fibrose cistica, como dr. Cooper demora em liberar a família e fica twitando o dia inteiro, Jackie se apressa em descobrir o resultado preliminar e liberar a família, uma atitude equivocada sua. Já Eddie surge novamente no bar de Kevin, como um velho amigo;

Party Down – 1ª temporada:

s01e01 Willow Canyon Homeowners Annual – aproveitando o intervalo das séries durante as festas de fim de ano, resolvi conhecer esta série de Rob Thomas (Veronica Mars) e outros roteiristas, entre eles o ator Paul Rudd, sobre um grupo de garçons que trabalham num bufê e tentam sobreviver no meio artístico, o tom é de humor negro e constrangimento, vale a pena pelo elenco, entre eles Jane Lynch (Glee) e vários atores de outros trabalhos de Rob Thomas, como Ryan Hensen (Dick Casablancas de VM). Neste primeiro episódio o bufê está presente numa reunião que premia os vizinhos numa espécie de condomínio, Henry retorna para trabalhar com o bufê após conseguir alguma notoriedade num filme e sumir, participação de Enrico Colantoni, o xerife Mars de VM;

s01e02 Califórnia College Conservatives Union Caucus – desta vez o bufê é contratado para uma convenção da juventude do partido Republicano, que deve inclusive contar com a presença do governador Arnold, claro que todos ficam alvoroçados, e a bagunça envolve charutos cubanos, uma bandeira americana e piadas sobre gay, ótima participação de Jane Lynch, convidado especial Jason Dohring, o Logan de Veronica Mars;

s01e03 Pepper McMasters Singles Seminar – o grupo de garçons vai trabalhar num evento para solteiros na terceira idade, Constance encontra um antigo caso e Casey resolve se divorciar para alegria dos companheiros, o timing cômico continua muito bom;

s01e04 Investors Dinner – a equipe vai trabalhar num jantar oferecido por um empresário para um grupo de investidores;

s01e05 Sin Shay Shun Awards Afterparty – o evento é uma festa após a premiação de filmes pornôs, prato cheio para o humor incorreto da série, enquanto isto, Henry e Casey começam a se relacionar;

s01e06 Taylor Stiltskin Sweet Sixteen – aniversário da filha de um produtor cinematográfico, no entanto, seus amigos populares não chegam, estão somente os seus antigos amigos é que vão a festa, Henry reencontra um antigo parceiro que tenta fazer com que o diretor lhe dê o papel no filme que está participando, enquanto isto, Kyle se envolve com a mulher do diretor. Participações e J. K. Simmons, Joey Lauren Adams, Breckin Meyer e Allison Scagliotti, de Warehouse 13;

s01e07 Brandix Corporate Retreat – o evento da vez é um encontro sobre vendas com um palestrante cheio de provas e brincadeiras para os vendedores, Ron se empolga e tenta fazer o mesmo com sua equipe, ao final todos descobrem que Henry e Casey se envolveram para desespero de Ramon;

s01e08  Celebrate Rick Sargulesh – estamos numa festa para homenagear Rick Sargulesh, que mais tarde descobrimos ser um assassino que escapou da justiça, a festa conta com seus amigos e todos reconhecem os garçons por seus filmes que acabam participando da festa sobrando todo serviço para Ron. Participação de Steve Webber;

s01e09 James Rolf High School Twentieth Reunion – temos a entrada de Jennifer Coolidge no lugar de Jane Lynch, Constance, o evento é uma reunião de 20 anos da turma de Ron, o que lhe causa alguns problemas, já Henry e Casey tentam acertar os pontos novamente, quando Henry pensa em voltar a morar com os pais;

s01e10 Stennheiser-Pong Wedding Reception Season Finalena recepção de casamento do ator George Takei e seu companheiro, temos o pessoal do Party Down tendo que dividir o trabalho com uma outra equipe contratada, chefiada pelo ultracompetente Uda, ex-funcionária de Ron, interpretada pela gracinha Kristen Bell. Casey recebe convite para trabalhar com stand-up num navio e acaba saindo da equipe e Henry é convidado a chefiar a equipe quando Ron assume a franquia;

Past Life – 1ª temporada:

s01e01 Piloto Season Premiere – confesso que acho esta série muito difícil de engrenar, primeiro pelo polêmico tema, reencarnação, que já afasta um grande público que não acredita nesta crença, segundo, criando com o tema, um drama de procedimentos, onde cada episódio é um caso estudado pela equipe do dr. Talmadge, que possui um projeto específico sobre o tema, no The Talmadge Center for Behavioral Health. Sobre este piloto, pouco a comentar, é muito fraco, com sua primeira metade cheio de apresentações e criando aquelas sequências com fotografia diferenciada do “cinema moderno”, cheio de picotes nos quais nunca sabemos se são sonhos, visões, etc. O elenco me pareceu um pouco fraco, não havendo um destaque maior, claro que a dupla de protagonistas, a dra. Kelly, e o ex-detetive, Price têm crenças e opniões diferentes, vide Mulder e Scully, somente na segunda metade o episódio dá uma melhorada considerável na dinâmica e ritmo, no entanto, me parece que já vai mimetizar a série Ghost Whisperer, daí vai ficar difícil. Acredito que dure poucos episódios no ar, no seu segundo episódio sua audiência já foi para 5 milhões no horário de Fringe, que bom, assim valorizam um pouco a série de J. J. Abrams;

s01e02 Dead Man Talking – os roteiristas não resistiram e, claro, abordaram o tema da reencarnação envolvendo um crime que acabou colocando uma pessoa no corredor da morte, assim, a série não consegue se qualificar continua esbarrando na falta compromisso com o tema, parece um “procedural” mal realizado, afinal de contas, pra que servem os demais personagens e a temática espírita. Só aguento mais um episódio neste ritmo!

s01e03 Soul Music série cancelada – a criação da série foi um verdadeiro equívoco, por momentos me lembrou Mental, tudo na produção parecia meio amador, os roteiros principalmente, não consigo crer que algum produtor pegue num texto como este e consiga vislumbrar uma série de potencial, o tema, reencarnação, ficou em segundo plano, afinal os episódios foram tratados sempre como “casos da semana”, e os personagens não possuíam característica alguma, nestes 3 episódios não foi apresentado nenhum pista da storyline para os personagens, para aprofundá-los, muito estranho. Neste último episódio exibido pela Fox, o caso envolvia duas pessoas tendo visões em conjunto, como almas gêmeas, no entanto, em ambas eles morriam;

Private Practice – continuação da 3ª temporada:

s03e09 The Parent Trap – Pete e Addison se envolvem numa gravidez de risco de uma mulher com 60 anos, Naomi e Sam se vêem com problemas de adolescente com sua filha e Violet acaba caindo nas graças do Capitão, pai de Addison. Bom episódio, principalmente, pela storyline de Violet, e finalmente, dão uma trama decente para Addison, já os casos médicos ficaram muito a dever;

s03e10 Blowups – episódio exibido em seguida ao anterior, traz um evento trágico, a casa de Dell explode em função de sua mulher voltar a usar metanfetamina, o que acaba machucando sua filha e colocando sua vida em risco, todos se envolvem com o acidente, gerando vários conflitos entre os médicos, já Addison com a chegada de Bizzy, sua mãe, descobre um segredo familiar que mexe com suas estruturas. Quando resolve ser dramática a série consegue seus melhores momentos, tudo funcionou perfeitamente no episódio, mas preciso dizer que não gosto de possibilidade de ver Sam e Addison juntos. Participação de Stephen Collins e JoBeth Williams;

s03e11 Another Second Chance – o episódio ainda esta repercutindo as tramas do ano passado, enquanto isto, Addison recebe a visita de Sloan e sua filha, para a tão desejada cirurgia, enquanto isto, os dois amigos não resistem à quimica, já charlotte e Cooper ainda não conseguiram superar suas desavenças, e Violet ajuda uma paciente de Cooper, na verdade mãe do seu paciente, que não consegue colocar nada no lixo e tem a casa imunda, um caso de trauma recente. É impressionante o salto de qualidade da série nesta temporada em comparação com as anteriores, parece que as tramas ganharam maior importância e são melhores trabalhadas, e neste episódio tivemos um cliffhanger interessante: a filha de Naomi e Sam aparece grávida;

s03e12 Best Laid Plains – a grande trama do episódio foi a a filha de Naomi e Sam assumir que estava grávida, as consequências para Naomi foram chocantes, vide seu total descontrole, bom para a série puxar o assunto de aborto e tratar o mesmo com seriedade mostrando os dois lados das crenças da pessoas, já Peter atendeu um paciente com problema no implante osseo do braço, Cooper e Charlotte ainda não se entenderam e Violet, novamente, rouba todas as cenas, alguém tem dúvida de qual seja a melhor personagem da série?

s03e13 Shotgun – como os roteiristas da série gostam de temas trágicos e “escolhas de sofia”, depois daquela trama onde os pais tinham que trocar seus bêbes de inseminação, agora, um casal tem que escolher qual de suas duas pequenas filhas receberá a doação do irmão recém nascido, pois há quantidade somente para uma, já com os personagens, Naomi não consegue decidir qual será sua atitude com a filha e seu bêbe/casamento com Dink, assim acaba ficando para trás pois Sam e a mãe do menino resolvem apoiar o jovem casal;

s03e14 Love Bites – a série aproveita o embalo do vampirismo e cria uma trama onde um menino morde uma garota e acaba passando hepatite, claro que um pouco exagerado, mas o enredo que a trama utiliza de amor eterno nesta faixa etária ate que foi interessante, também tivemos uma paciente que abandonada pelo marido tenta se suicidar estando grávida. Já no elenco regular, Naomi é paquerada pelo dono da clínica, Pete e Addison se consolam sexualmente e confessam seus amores impossíveis. Confesso que já cansei desta fase emburrada de Naomi, a personagem que nunca foi muito carismática para o público marca mais um gol contra;

s03e15 ‘Til Death do us Part – chega o dia do casamento de Maya e Dink, Sam resolve dar uma dura em Naomi que a princípio não iria no casamento da filha e, também, descobre sobre o affair de Addison e Pete, que o deixa bastante magoado. Cooper descobre que o novo pretendente de Charlotte é um viciado em narcóticos e no caso da semana, Addison, Pete e Naomi têm que lhe dar com as consequências de um nascimento de 25 semanas, uma criança que passara por diversas cirurgias e mesmo assim dificilmente sobreviverá, para desespero dos pais. Participações de Rosana Arquette, Bruno Campos e Sara Rue;

s03e16 Fear of Flying – em virtude da correira do dia-a-dia acabei armazenando alguns episódio de PP, sem perceber estava atrasado quase um mês, no entanto, pelo episódio que retomei, a série que havia mudado o tom na terceira temporada, deu dois passos para trás, e não sei dizer se haverá volta, PP deveria ser uma série mais adulta que sua irmã GA, o que não acontece, seus personagens, normalmente, agem como adolescentes burros, e todos parecem querer “pegar” os outros, tem mais troca-troca de casais que a falecida Barrados no Baile. Aqui, Addison deve lhe dar com a nova parceira de Sam, ao mesmo tempo que leva em banho-maria sua relação com Pete. Sheldon atende uma paciente de Violet enquanto esta está viajando com Cooper, assim, ele acaba se aproximando de Charlotte, ridículo, e Naomi fica dividida entre o chefão e o cadeirante, quando este se declara para ela;

s03e17 Triangles – lembro que tinha tentado voltar a assistir série normalmente, mas fiquei tão decepcionado com o último episódio que parei novamente, retorno agora porque na exibição americana a série já terminou (estou escrevendo em 16/05),e portanto preciso me apressar. Este novo episódio continuou mostrando os novos casai que estão se formando, uma chatice sinceramente, no entanto, se tem uma coisa que PP vem conseguindo manter, inclusive, melhor que Grey’s são os casos médicos da semana, aqui tivemos uma barriga de aluguel de trigêmeos que a gestante não conseguirá levar adiante, no caso pode morrer,  mas faltam somente algumas semanas para os bêbes poderem sobreviver à uma cesária precoce, decisão polêmica, e ainda mais quando a anova namorada de  Sam vai contra a decisão medica de Addison, no mais, finalmente Naomi percebe algo entre os dois;

Raising the Bar – 2ª temporada:

s02e01 Hair Apparent Season Premiere – no seu aniversário devido a uma aposta Kellerman acaba dosando suas tão famosas madeixas, Whitman resolve voltar aos tribunais, já no caso da semana, Kellerman precisa proteger um barbeiro acusado de posse de crack no seu negócio devido ao sobrinho que deu abrigo vender escondido dele;

s02e02 Rules of Engagement – Patrick defende um dupla de velhinhos acusada de falsificar a assinatura de um outro velho para pegar a aposentadoria do mesmo, já Michelle e Kellerman se enfrentam no tribunal sobre a identificação de um traficante de drogas e, acabam se envolvendo com um juiz estranho, um policial charmosão e vários truques jurídicos;

Supernatural – continuação da 5ª temporada:

s05e11 Sam, Interrupted – retorno dos episódios inéditos da série em 2010, a trama voltou com um episódio filler, o que necessariamente não acredito ter sido uma boa sacada dos produtores, após mais de um mês em hiato, a trama, como o próprio título se refere é passada num hospício onde Sam e Dean se internam para caçar um Espectro que anda matando os louquinhos internos, o episódio até que é ok, no entanto, estão forçando um pouco no lado psicológico de Sam, me parece que o roteiro sempre bate nesta mesma tecla;

s05e12 Swap Meat – so roteiristas ainda estão preferindo abordar o relacionamento dos irmãos nestes episódios filler, confesso que todos já estão me parecendo meio iguais/similares, todos tem um tom mais cômico e no final vemos os irmãos continuando seu caminho, inclusive por estes motivos, gostaria qua a série terminasse sua trama nesta temporada. O episódio especificamente falou sobre uma gurizada envolvida com bruxaria e demônios, até que um deles consegue trocar de corpo com Sam, o que acaba gerando algumas piadinhas, mas nada mais que isso, enquanto isto, ainda estou aguardando o apocalipse tomar forma nesta segunda metade da temporada. Obs: mesmo sendo exibido em meio a inúmeras reprises, com exceção de Fringe, a série perdeu audiência em relação a semana anterior, não seria um indicativo para os produtores voltarem ao arco da série?;

s05e13 The Song Remains the Same – o anjo Anna ressurge para Castiel dizendo que irá matar Sam, como Castiel conseguiu protegê-los dela, ela é enviada à 1978 para matar os pais deles, Mary e John, claro que os rapazes são enviados por Castiel para tentar evitar esta idéia. Apesar de saber que nada mudaria com esta viagem do tempo, acontecimentos e diálogos foram muito interessantes e a chegada de Miguel foi o ponto alto do episódio, já havia passado a hora da série retornar a mitologia da temporada;

s05e14 My Blood Valentine – aqui os roteiristas conseguem o equlíbrio exigido nesta temporada pelos fãs, em meio a um episódio temático, Dia dos Namorados, e filler, afinal nenhum avanço tivemos na storyline da temporada, pudemos conhecer o Cupido (hilário) e mais um Cavalheiro do Apocalipse, a Fome, tudo isto quando namorados começam a se comer, literalmente, e alguns outros exageros referentes a “saciar” atigem a comunidade. Interessante paralelo a Fome traça com os irmaos, enquanto Sam não consegue evitar que seu vício em sangue de demônio retorne, Dean é “lido” pela Fome como um ser vazio, sem sentimento algum. Muito bom episódio;

s05e15  Dead Man Don’t Wear Plaid – contrariando o que andei lendo por aí, até gostei deste episódio de retorno de Supernatural, que passou mais de mês em hiato, imaginava que seria mais um episódio “engraçadinho” da série, e ao contrário achei bem interessante, ao final, descobrir que o verdadeiro foco da trama se encontrava em Bobby, um grande suporte de Dean e Sam, que a Morte queria exterminar. Ok

s05e16 Dark Side of the Moon – iniciamos o episódio com os caçadores mandando bala, literalmente, em Dean e Sam por iniciarem o Apocalipse, como acabam indo para o Céu, com Zacharias pronto para pressionar os rapazes, eles começam a vivenciar suas melhores experiências (obs.: esta história de Sam ter como melhores momentos sem nunca ter Dean ou algum familiar por perto deve gerar algum conflito na reta final da temporada), Castiel consegue fazer contato com eles e pede para eles procurarem por um anjo chamado Joshua, que tem contato direto com Deus, durante sua estadia no Céu, encontram antigos amigos como Ash e Pamela. Muito bom episódio, apesar de não trazer nenhuma informação concreta sobre a resolução do Apocalipse, soubemos por Ash que eles já estiveram várias vezes no Céu e que Deus não se importa com a resolução deste conflito;

s05e17 99 Problems – Sam e Dean estão em desvantagens contra os demônios, quando são salvos de última hora por um caçador chamado Rob e seus conterrâneos que estão cientes do apocalipse e treinados para lutar e matar demônios. A pequena cidade é muito religiosa e Dean e Sam conhecem um pastor chamado Gideon, que apresenta-os à sua filha Leah e que ele diz ser uma profetisa. No entanto, esta aparente cidade em combate parece ser muito fundamentalista em seus apontamentos, ditos por Leah, em visões com os Anjos, assim os irmãos resolvem chamar Cas para ajudá-los. Bom episódio filler, caso da semana + mitologia, o destaque fica pelo momento de Dean, um servo de Deus, qual será o sentido real disto?

s05e18 Point of No Return 100º episódio – episódio comemorativo da série, e, diga-se de passagem muito bom, mostrando como os irmãos estão esgotados psicologicamente, principalmente, Dean. Dean começa a pensar que a única maneira de parar Lúcifer é dizer sim a Michael, mas os anjos decidem que não precisam mais dele. Dean, Sam e Castiel ficam horrorizados com o plano dos anjos e Zacarias retorna com uma nova missão. Emocionante o desabafo de Dean para um rosto conhecido nosso que reaparece neste episódio;

s05e19 Hammer of the Gods – episódio que tinha tudo para ser inesquecível, principalmente ao confrontar as demais religiões com o Lucífer do catolicismo, no entanto, os roteiristas erraram a mão, uma pena. Participação de Mark Pellegrino. Sam e Dean são raptados por um grupo de deuses, incluindo Kali, Ganesh e Bladur e mantidos reféns num pequeno hotel. Os deuses querem usar Sam e Dean como moeda de barganha para interromper o Apocalipse, mas Gabriel aparece, como Trickster,  e avisa a eles que se Lúcifer encontrá-los ele matará a todos eles. Infelizmente, um dos deuses trai o resto e Lúcifer aparece.

s05e20 The Devil You Know – agora os irmãos tentaram combater Lucifer com a pista deixada por Trickster, reunir os anéis dos Cavaleiros do Apocalipse, dois eles já possuem, surge a oportunidade de ir atrás do anel da Peste que tem um auxiliar fazendo testes de uma gripe num laboratório farmacêutico, por acaso, um conhecido de Sam. Achei meio óbvia esta opção de começar a caçar os aneis, principalmente, na reta final da temporada, o melhor com certeza, foi a proposta de Crowley para Bobby. No episódio, o demônio Crowley diz a Sam e Dean, que pode ajudá-los a encontrar os anéis restantes dos cavaleiros, para montarem uma armadilha para Lúcifer. Os irmãos ficam em dúvida até Crowley levá-los à Brady, o controlador da Peste e da Morte. No entanto, Brady se recusa a entregar suas localizações e coloca a Peste atrás dos Winchesters;

s05e21 Two Minutes To Midnight – apesar de claramente apresentar um episódio bastante dinâmico e corrido sem perder tempo com detalhes, acho que a série se equivocou em resolver a questão dos anéis dos cavaleiros do Apocalipse de uma maneira abrupta, neste episódio tanto a Peste quanto a Morte tiveram pequenas participações, preferiria que ao invés de investirem em tantos episódios “fillers” poderiam ter desenvolvido estas storylines melhor! Mas agora já temos todo o cenário montado para a season finale, com Sam, provavelmente, dizendo sim para Lucífer e tentando levá-lo de volta para o Inferno, mas será que é só isto?

s05e22 Swang Song Season Finale – foi um episódio bom? Sim, no entanto, ao inciar o episódio com o resumo da temporada ao som de Carry on Wayward Son, clássica dentro da série, vi que a temporada não conseguiu cumprir o que prometeu. Faltou um pouco de tudo (comento mais quando fizer o Balanço da Temporada), neste episódio mesmo, achei que faltou mais tensão e suspense, meio que tudo ficou na promessa, nem mesmo o enfrentamento entre Lucifer e Miguel ocorreu, com exceção, ao Sam/Lucifer espancando Dean e matando Bobby e Castiel. Não vou ficar lamentando tudo porque gostei também da narração em off de Chuck (será que é verdade mesmo a insinuação de que seu personagem seja Deus?), até acharia interessante mas o roteiro teria que ter trabalhado melhor esta questão. Conclusão: foi um bom episódio, mas teve cara de anti-climáx, e agora, fica meio receio para as mudanças de cabeça na série, que inicialmente, era para ter 5 temporadas e está sendo estendida, qual será a temática da próxima temporada?

Survivors – 2ª temporada:

s02e01 Season Premiere – voltamos à série da mesma maneira que deixamos, Abby sequestrada pelo laboratório para encontrar a uma vacina que possa prevenir o vírus. Anya e Al vão até um hospital encontrar curativos para retirar a bala de Greg, no entanto, o hospital desmorona em cima deles, assim, Sarah se vê obrigada a fazer sexo com um homem que comanda uma equipe na região para conseguir um equipamento que levante os destroços, todos saem vivos. Assim, que Greg recobra os sentidos pede para Tom se afastar do grupo devido seu passado;

s02e02 – com um ritmo bem melhor e uma trama que levou adiante a storyline da temporada a série retoma a qualidade da primeira temporada, aqui vemos Abby servindo de cobaia para a PSJ Laboratories, que injeta novamente o virús e a personagem sobrevive novamente, Tom retorna para o grupo quando consegue trazer mantimentos, no entanto, foram roubados de outro grupo que passa a perseguí-los. Ao final, após muita cartaz criado por Naj, Abby consegue fugir, com a ajuda da esposa do responsavel pela PSJ, e encontra seus amigos;

s02e03 – neste episódio tivemos o retorno de Samantha e sua comunidade, que enfrenta diversos problemas como as escolhas de sua líder e seu senso de justiça, ao final ela acaba prendendo Tom e Gregg e os mandando para uma outra comunidade que parece fazer humanos de escravos numa mina de carvão, bom episódio;

The Big Bang Theory – continuação da 3ª temporada:

s03e10 The Athens Recurrence – Howard apresenta Bernadette para toda a turma, mas fica com ciúmes quando ela se interessa pelo projeto de pesquisa de Leonard, já Penny quando vê que Bernadette consegue entender o trabalho de Leonard pede para Sheldon ajuda-la com uma aula básica sobre física. Mesmo se repetindo ao apelar para a otima química de Penny com Sheldon, é impossível não se divertir com a dupla dinâmica.

s03e11 The Maternal Congruence – a mãe de Leonard chega para as festas de Natal, nova participação hilariante de Christine Baranski, e leonard ainda não lhe avisou sobre Penny, assim como ela não contou para Leonard que se separou de seu pai, fez uma cirurgia e que o cachorro de Leonard morreu, além disso, ele descobre que sua mãe e Sheldon possuem uma relação ótima, excelente episódio para fechar a primeira parte da terceira temporada;

s03e12 The Psychic Vortex – não sei por quanto tempo esta dinâmica em duplas a cada episódio consegue levar a série, mais ainda funciona, neste episódio Leonard e Howard saíram para um encontro duplo com suas respectivas namoradas, mas um pequeno comentário de Leonard sobre Penny estraga a noite de todos, já Sheldon ajuda Raj ao lhe fazer comapanhia numa noitada e ambos acabam se dando bem, salvando o episódio, participação de Danica McKellar, a Winnie de Anos Incríveis;

s03e13 The Bozeman Reaction – após ter seu apartamento assaltado, Sheldon pira com a idéia de segurança, quase enlouquecendo Leonard e Penny, instala altos equipamentos de segurança e cogita até mesmo se mudar de estado, bem engraçado!

s03e14 The Einstein Approximation – em plena crise onde não consegue terminar seu estudo cientifico, Sheldon resolve, após dias sem dormir e atormentando Leonard e Penny, procurar um emprego para distrair seu cérebro e assim conseguir sua epifania, acaba caindo no restaurante de Penny. Episódio bem cômico, conseguindo mostrar um Sheldon bem descontrolado, destaque para as cenas na piscina de bolinha e da namorada de Howard mandando em Sheldon;

s03e15 The Large Hadron Collision – Leonard ganha a oportunidade de viajar até a Suiça para conhecer um projeto científico e de quebra pode convidar alguém para ir junto, como é o Dia dos Namorados por lá, ele convida Penny, no entanto, Sheldon fica desesperado pois é seu sonho conhecer o equipamento do projeto e começa atormentar Leonard para levá-lo ao invés de Penny, sinceramente, não foi muito engraçado e a obsessão/chatice de Sheldon não renderam bons momentos, foi mais constrangimento;

s03e16 The Excelsior Acquisition – o episódio ficou centrado na visita de Stan Lee à revistaria do grupo, todos ficam entusiasmados buscando qual HQ pedirão para Lee autografar, no entanto, acontece que Sheldon ultrapassou o sinal vermelho, enquanto levava Penny ao médico  (naquele episódio no qual ela caiu na banheira) e precisa comparecer ao tribunal justamente no dia em que Stan Lee vai distribuir autógrafos. obviamente, ele desrespeita o juiz e é preso por desacato. Como bônus, tivemos a camisal musical de Raj, uma gag bem divertida;

s03e17 The Precious Fragmentation – ao comprar uma caixa cheia de nerdices o grupo encontra o Um anel do filme O Senhor dos Anéis, a princípio, somente Leonard gostaria de entregar para o diretor Peter Jackson, já os demais querem o próprio, assim como Gollum, assim começa uma disputa cheia de truques entre os amigos para saber quem ficará com Um Anel ao final. É engraçado ver como os roteiristas pegam uma idéia nerd e conseguem trazer para o grande público esta referência e fazê-la funcionar de alguma maneira;

s03e18 The Pants Alternative – Sheldon recebe um prêmio, mas possui pavor de fazer discurso para um grande público, assim, seus amigos resolvem ajudá-lo, Penny leva Sheldon para arranjar novas roupas, Leonard tenta fazer uma sessão de terapia,e ao final, temos Sheldon recebendo o prêmio alcoolizado, com videozinho, inclusive, no youtube;

s03e19 The Wheaton Recurrence – episódio discussão de relação entre Penny e Leonard, após o nerd se declarar para a loirinha, é claro que isto deverá entornar o caldo do casal em breve, já Sheldon foi desafiado a enfrentar o dono da loja de gibi junto com, ninguém mais ninguem menos, Will Wheaton, seu desafeto, uma pena que mesmo assim o episódio ficou bem aquém da média;

s03e20 The Spaghetti Catalyst – com o término do namora de Penny e Leonard, Sheldon fica sem saber como reagir ao ser convidado por Penny para jantar, um spaghetti como o de sua mãe, e acaba tentando agradar a todos, inclusive, os roteiristas criam a situação de Sheldon como filho de pais separados que funciona muito bem dentro do espírito do episódio;

s03e21 The Plimpton Stimulation – Sheldon avisa Leonard que irá hospedar uma física bastante conhecida do meio no apartamento deles, o que ele não esperava é que ela fosse bastante moderna em relações aos parceiros sexuais, a cientista dá em cima de todos os amigos de Sheldon, para seu desagrado, participação de Judy Greer, muito bom episódio, com diversos diálogos e situações engraçadas;

The Closer – continuação da 5ª temporada:

s05e13 Life – não achei muito interessante a maneira como a TNT americana dividiu a temporada de The Closer, deixar somente para agora a exibição dester últimos 3 episódios so serve para quebrar o ritmo da temporada, muito mais, quando se observa que neste episodio de retorno nenhum evento especial ocorre chamando a atenção dos fãs. Brenda novamente se envolve num caso de assassinatos envolvendo gangues e uma menina estuprada, as novas informação da trama dos personagens são Brenda ganhando um novo gatinho, Joel, e Provenza esta novamente solteiro;

s05e14 Make Over – um problema técnico com o laboratório de toxicologia poe em cheque diversos casos já encerrados, assim, a equipe de Brenda precisa revisar e arranjar algumas novas pistas de um caso de mais de uma década atrás que tinha como responável Provenza e um antigp parceiro seu, que chamado, pois já havia se aposentado, retorna como uma mulher operada, para surpresa de todos. Particpação de Baeu Bridges, episódio hilariante;

s05e15 Dead Man’s Hand Season Finalepara fechar a temporada nada melhor que retornar com a melhor surpresa dela, a participação de Mary McDonnell como a capitã Sharon Raydor, rival de Brenda na temporada. Desta vez Raydor pede ao Chefe Pope para intervir num suspeito caso de agressão domiciliar de uma policial que trabalha para ela, Brenda leva o caso com muita descrição e descarta uma investigação mais profunda a pedido da policial, no entanto, uma morte no caso gera um desconforto entre Brenda e Pope, mas nada parece o que realmente é. Já em casa, Fritz pressiona Brenda frente às suas atitudes em casa e com ele; Atualmente, The Closer substitui o lugar que já foi de CSI Las Vegas como o melhor drama policial da televisão, são histórias intensas e, em outros casos, hilariantes muito bem trabalhadas pelo roteiro, além disso, os personagens são extremamente carismáticos;

The Good Wife – continuação da 1ª temporada:

s01e09 Threesome – excelente episódio, do agora melhor seriado drámatico estreante da temporada, Alicia tem que lhe dar com a exposição da prostituta que estava saindo com Peter dando entrevistas em todas as televisões e expondo sua família ao rídiculo, além disso, chega o sócio da empresa que somente conhecíamos de nome, que foi acusado de beber e causar um acidente de trânsito, ele pede para Alicia defendê-lo. Além de duas storylines interessantes, os bastidores da traição de Peter, e o caso do sócio da empresa, que tenta controlar Alicia, ainda tivemos um momento de conspiração ao relatarem para Alicia que seu marido caiu numa armadilha. Fiquei impressionado com a qualidade do roteiro e com excelente interpretação de Julianna Margulies, principalmente, frente à humilhação pública;

s01e10 Lifeguard – último episódio do ano, traz uma dinâmica diferente para a série, Alicia defende um jovem acusado de agredir o colega que acaba pegando uma pena bastante pesado no juizado de menores, isto instiga a advogada a suspeitar do comportamento do Juiz (amigo de Will), enquanto isto, Diane recebe um convite para assumir como um nome para iniciar a carreira de Juíza. Ótimo episódio pela maneira como questionou as motivações humanas dos sempre “intocáveis” juizes, muito instigante mexer neste assunto, rendeu um episódio diferente dos anteriores sem focar essencialmente em Alicia, abrindo espaço para vermos a ética de Diane e Will, perfeito. Participações de Kate Burton (mamãe Grey) e Tony Goldwin;

s01e11 Infamy – voltando com episódios inéditos em 2010 a série traz no caso da semana, a sempre polêmica da Primeira Emenda, um comentarista de televisão pode ter “pressionado” publicamente através da acusações de assassinato a mãe de uma criança que foi sequestrada, que acabara comentendo suicídio, já Alicia se vê envolta num divórcio que atinge seu marido, afinal estamos falando do divorcio da esposa do atual promotor, inimigo numero de Peter. Estou gostando muito da maneira como o caso de Peter tem sido abordado na série, achei que não seria muito utilizado, mas como podemos perceber há muitos nuances e conspirações nos bastidores da Promotoria Pública;

s01e12 Painkiller – acredito que a série tenha encontrado seu ritmo e dinâmica, personagens e situações ambíguas, claro que para manter a qualidade os textos terão que continuar neste nível, no caso da semana, Alicia, cada vez melhor interpretada por Margulies, defende um hospital e o médico acusado de abusar de medicamentos com uma jovem estrela do futebol que acabara morrendo, como numa boa série, nem tudo é o que parece, inclusive dentro do escritório de Alicia, com a ambiguidade de Kalinda, disputada por Florrick e seu adversário político, Childs;

s01e13 Bad – os roteiristas da série estão de parabéns, conseguiram encontrar um equilíbrio nas tramas semanais e o arco envolvendo o caso do marido de Alicia, além disso, tem encontrado espaço para retratar os demais personagens, como nesta semana o medo de Diane frente às ameaças de um condenado. No caso do episódio, vemos Alicia e Will defendendo um marido acusado de matar sua esposa, interpretado com bastante ambiguidade por Dylan Baker, um show a parte, até agora não sei em quem acreditar. Já no julgamento de Peter temos mais jogadas de bastidores para inocentarem o ex-promotor, no entanto, ao final Childs faz uma oferta tentadora;

s01e14 Hi – não desisto de elogiar a série que tem tido uma crescente de qualidade nos seus episódios, fazendo contramão a esta temporada tão irregular, no geral. Desta vez, tivemos um caso muito interessante, com diversos suspeitos, e claro, o final do caso Peter Florick tentando ter um novo julgamento, onde o novo promotor Childs, cai numa armadilha de Peter, sem saber, e acaba dando uma nova chance para Peter, que é posto em liberdade para esperar um novo julgamento. Estes bastidores do caso de Peter são um show à parte na série, muito bem desenvolvido, sem encheção de linguíça, e Kalinda tem se transformado numa excelente coadjuvante. Mais um ótimo episódio!

s01e15 Bang – chegamos ao primeiro episódio com  Peter em casa, de cara, notamos que a conspiração para derrubá-lo parece ser muito maior do que pensávamos, e sua equipe ganha um novo membro, Alam Cumming, já no escritório Alicia pressiona Will quando este substitui ela do caso do segurança acusado de matar um fraudador financeiro. Participação de Gary Cole, como um consultor de balística, que pode ser um futuro affair de Diane;

s01e16 Fleas – A Stern & Lockhart está passando por problemas financeiros, o que os fazem pensar em várias escolhas para diminuir as despesas, enquanto isto, defendem um advogado, acusado de ajudar um cliente traficante a assassinar uma testemunha, este caso envolve um promotor federal. Em casa, Alicia e Peter sofrem com os efeitos que um usuário do Twitter está causando na mídia, publicando mensagens agressivas sobre a intimidade dos dois, fazendo Alicia desconfiar de todos. Outra série que vem mantendo uma regularidade admirável neste temporada;

s01e17 Heart – ótimo episódio envolvendo Alicia de duas maneiras, no caso da semana, tivemos ela e Will procurando um jeito de fazer com que um plano de saúde bancasse uma cirurgia num feto ainda em desenvolvimento, já em sua vida particular, ela precisa encarar as consequências de um beijo em Will;

s01e18 Doubt – ainda repercute o beijo entre Alicia e Will, no entanto, a narrativa da série aborda os debates  dos jurados, decidindo um caso, enquanto vemos os bastidores do caso e do tribunal, no qual Will e Alicia defendem uma garota acusada de matar sua colega de fraternidade, algumas questões são levantadas como o consultor de balística, retorno de McVeigh (interesse romântico de Diane);

s01e19 Boom – a mulher de um chargista processa o jornal no qual foi veiculada a charge com conteúdo reliogioso, uma ofensa aos muçulmanos, e o chargista morreu num atentado. No entanto para piorar a situação da empresa, o advogado acusatório é o ex-sócio da firma, Stern, que retorna querendo sangue, o que ele não contava era com a astúcia de Alicia, que mesmo não divulgando o que sabe sobre a doença de Stern, usa a seu favor. Já Peter pode ver suas chances de ressurgir politicamente com o aparecimento de Kozco, uma figura que sabe coisas demais. Bom epísódio e o melhor foi ver a decisão de Alicia em marcar um jantar com Will, deixando Peter enlouquecido e fazendo sair do apartamento atrás de Alicia enquanto toca o alarme de prisão domicialiar, ótimo gancho;

s01e20 Mock – para resolver a situação criada no final do episódio passado, os filhos de Alicia mentem para os policiais para não deixarem o pai ir preso novamente, no entanto, isto faz com que o vizinho indiano de Alicia minta também, sendo ele detectado pelos federais como uma pessoa envolvida em falsificações, no caso, na agência onde trabalha. Assim, Alicia se vê obrigada a devolver o favor e protegê-lo das acusações que, agora, recaem sobre a mãe do rapaz, que não possui visto definitivo no país. Já Kozco se suicida depois de diversas tentativas de fazer com que Alicia dê um recado para Peter, a reta final da temporada promete, este caso de Peter continua um grande mistério para mim;

s01e21 Unplugged – Quando a empresa assume um caso que envolve um acordo de divórcio para a esposa de um músico, que durante o processo se acidente e entra em coma, começa uma batalha pelos direitos de escolha entre a ex-esposa e a atual, já no escritório chegou a hora de escolher entre Cary e Alicia, Cary se antecipa e começa a fazer campanha pró junto aos associados a Alicia cabe somente utilizar o único meio que não gostaria,  a influência de seu nome. Mais um ótimo episódio, principalmente, pelo bastidores da escolha entre Alicia e Cary, que deve se transformar numa pedra no sapato da “boa esposa”;

s01e22 Hybristophilia – episódio que traz o retorno de Colin Sweeney, o excelente Dylan Baker, novamente envolvido em problemas judiciais, agora Alicia é enviada para levar uma papelada para o cliente e quando chega lá, encontra Colin algemado ao corpo de uma mulher morta. Enquanto isto, o promotor Childs tenta um jeito de salvar seu caso contra Peter Florrick;

s01e23 Running Season Finaleem seu último episódio da temporada a série investe num caso de corrupção policial obscuro, onde nem tudo o que parece é verdade, pela primeira vez, Alicia enfrenta Cary, agora trabalhando com a promotoria. O caso de corrupção policial é inclusive investigado pelo FBI, envolvendo também os nomes de Florrick e Child. Na casa de Alicia, Eli Gold pressiona Peter para concorrer, no entanto, seu pastor não indica, assim, Eli apela para a mãe de Peter, muito boas as sequencias da personagem que mostra um lado seu ainda não aborado na trama. Ao final, Alicia terá que decidir se volta aos holofotes com o marido concorrendo novamente à promotor ou larga tudo para ficar com Will. Nem vou comentar que foi o melhor estreante da temporada, tarefa simples nesta temporada, no entanto, mostra que um drama jurídico pode ser mais que “caso da semana”, e ter personagens bem explorados e contraditórios. Deve rolar indicações facéis para Julianna Margulies, que está muito bem no papel, comedida ao extremo, e ainda pode render algumas indicações aos participações de Dylan Baker e Alan Cumming, que deve se tornar fixo na próxima temporada;

The Mentalist – continuação da 2ª temporada:

s02e09 A Price Above Rubies – Jane e Lisbon investigam uma tentativa de roubo e homicídio numa joalheria de uma grande empresária que era casada com a vítima e tem dois sobrinhos trabalhando com ela, episódio um pouco abaixo da média, mas as brincadeirinhas de Jane ainda divertem, somente não sei até quando;

s02e10 Throwing Fire – último episódio do ano resolveu focar pela primeira vez o passado de Patrick Jane e sua relação com seu pai, bastante curiosos, ver o jovem Jane ser treinado pelo pai para dar os primeiros golpes de observações/adivinhações, claro que o caso do episódio envolvia um assassinato e os suspeitos eram os jovens desportistas de baseball e seus pais, até bastante óbvio a resolução, mas o destaque do passado de Jane salvou o episódio;

s02e11 Rose-Colored Glasses – em seu retorno, a série investe no óbvio, um caso isolado, morte de um casal indo a um encontro de ex-alunos, claro que este cenário de passado e presente é um prato cheio para Jane, no entanto, toda investigação com enfase no culpado eram óbvios. Confesso não saber como ainda acompanho a série, seus roteiros não conseguem ser empolgantes e somente os jogos/adivinhações de Jane salvam a série da mesmice;

s02e12 Bleeding Heart – uma secretária da prefeita é assassinada e a equipe de Lisbon e Jane é chamada para investigar o crime que, aparentemente, leva para um ecoterrorismo, além disso, a equipe é retratada nos bastidores da investigação por um reporter televisivo. Não quero parecer que pego no pé da série, até porque sempre a assisto, porém o roteiro do episódio me levou diretamente as tramas de Monk, o que necessariamente não é uma coisa que funciona bem fora da própria série Monk;

s02e13 Redline – sobre os persongens, Lisbon faz vista cega ao namoro de Rigsby e Van Pelt, já no caso da semana, temos um vendedora de carros de luxo que aparece morta dentro de um exemplar da empresa onde trabalha, logo, funcionários colegas são suspeitos e surge um milionário que acaba ganhando a atenção de Jane, sempre arquitetando suas armadilhas, alguns lances cômicos, mas a série não consegue evoluir como um todo;

s02e14 Blood In, Blood Out – saindo um pouco da rotina da série, investe numa trama mais pessoal, do agente Cho, que vê seu passado surgir com o assassinato de um antigo amigo de gangue, quando ainda era jovem, Jane que adora se meter, dá uma mão para o agente que acaba envolvendo toda a AIC no caso, quando Cho e sua namorada são atacados em sua casa. Valeu somente por já ter dado um pouco mais de espaço aos personagens coadjuvantes, não que tenha sido a melhor coisa da temporada, mais sai da zona de conforto da série;

s02e15 Red Herring – Jane e equipe investigam o assassinato de um chef de cozinha durante um torneio importante, o chef foi morto por tomar um veneno e, em seguida, ocorre outra vítima, todos são suspeitos, inclusive o irmão da vítima e sua esposa, além dos demais participantes do evento, claramente o episódio me lembrou a estrutura de um romance de Agatha Christie, não sei se foi proposital, já Lisbon precisa controlar sua tendência ao alcoolismo, pelo jeito esta storyline da personagem deve render mais durante a temporada, episódio ok;

s02e16 Code Red – acho uma pena a série não conseguir evoluir em sua proposta, a cada semana, vemos Jane planejando uma grande armadilha para capturar os criminosos da vez, sem ninguém da equipe desconfiar ou descobrir. No caso desta semana, um virus solto dentro de um laboratório acaba por matar uma pesquisadora, vingança ou ataque terrorista?, caso interessante mas a série é isto e acabou;

s02e17 The Red Box – Lisbon e equipe são informados que uma nova chefe irá chegar ao CBI, o que deixa todos precocupados, de imediato Hightower, se mostra bastante eficiente prensa Lisbon na parede para controlar Jane e já sabe sobre Van Pelt e Rigsby. No caso da semana, um jovem professor é assassinado e uma misteriosa caixinha vermelha pode ser o motivo de sua morte;

s02e18 Aigavite Baa – Hightower resolve começar a mexer seus pauzinhos exigindo que Van Pelt e Rigsby resolvam se irão continuar juntos, assim um dos dois deve deixar a força tarefa, ou se irão se separar. No caso da semana, surge uma moça com amnésia envolvida numa morte com relação numa reserva Indígena;

s02e19 Blood Money – o caso da semana levou Patrick Jane ao tribunal por mal comportamento, no entanto, como não podia ser diferente Jane estava armando mais uma de suas armadilhas, ele se envolve com um família de criminosos e um juíz e um promotor;

s02e20 Red All Over – Patrick encontra um novo adversário em um líder carismático de um culto de auto-ajuda, participação de Malcolm McDowell, enquanto a equipe CBI investiga a morte do CEO do conglomerado de mídia, envolvendo um segredo na poderosa família. Episódio legal, acima da média da temporada!

s02e21 18-5-4 – a morte de um brilhante matemático por um palhaço, trauma do morto inclusive, revela a equipe da CBI que o mesmo estava trabalhando num projeto para quebrar códigos de computador, no entanto, também apresentava uma famíia desajustada;

The New Adventures of Old Christine – continuação da 5ª temporada:

s05e09 I Love Woo, I Hate Who – Barb pede para Christine ir junto com ela no jantar com Dave, pois acha que este a pedirá em casamento, já Richard acha que porque new Christine está grávida não precisa mais agradá-la, episódio bem engraçado, mas sinto falta de episódios que tratem de interesses românticos para Christine;

s05e10 Old Christine meets Young Frankestein – quando Christine descobre que Richie estava se envolvendo com bulling na escola, ela mesma relembra que fez isto em seu passado e com a ajuda de Barb procura conseguir o perdão da sua perseguidora, bom episódio, e impressionante, como os roteiristas conseguem fazer Christine tão desastrada!

s05e11 It’s Beggining to Stink a Lot Like Christmas – enquanto Old Christine resolve conhecer o Natal com seus vizinhos levando Matthew e sua namorada, New Christine convida Ritchie para seu tradicional Natal impronunciável e cheio de tradições iguaizinhas às do Natal tradicional, mas com outro nome. Sinceramente, um dos melhores episódios de temporada que não anda muito inspirada, participação de Molly Shannon;

s05e12 A Whale of a Tale – Christine resolve contar para seu terapeuta, o dr. Max que lhe ama e não quer mais ser sua paciente mas sim, namorada, ela não recebe uma resposta muito à altura do médico, que detalhe, está usando uma tanga masculina, hilariante, participação de Eric McCormack;

s05e13 Truth or Dare – Max resolve ser moderno com Christine e lhe permite ter um encontro com seu ex Mrs. Harris, participação de Blair Underwood, quando ele vai conversar com Matthew, Richard e Barb percebe a bobagem que fez, e todos vão atrás do casal no evento de reunião da turma de Mrs. Harris. Muito engraçado todos com fotos de Mrs. Harris no celular rendeu algumas gargalhadas!

s05e14 A Family Unfair – todos participam da ecografia da new Christine, participação de Tim Meadows, com isto old Christine resolve que deve ter um novo bebê e resolve propor que Richard seja o pai novamente, hilário, a personagem é completamente insana. P.S. somente não entendi como neste episódio nem é mencionado Max, estranho;

The Sopranos – continuação da 2ª temporada:

s02e05 Big Girls Don’t Cry – aproveitando o intervalo entre as séries regulares retorno para The Sopranos, chega Furio, parente italiano da família, dra. Melfi pensa em procurar novamente Tony e Chris vai fazer um curso de roteiros e precisa representar cenas para os colegas, que surpreendentemente revela uma sensibilidade do personagem, muito bom;

s02e06 The Happy Wanderer – episodio envolvendo o mundo das apostas e jogos que Tony controla, inclusive, ele descobre que possui um tio deficiente, no entanto, um pai de um colega de Meadow entra no jogo e acaba por complicar a vida familiar de Tony, ótimo episódio com participações de Robert Patrick e Joh Hensley, o Matt de Nip/Tuck bem novinho;

s02e07 D-Girl –Christopher tem a oportunidade de conhecer uma produtora de Hollywood para mostrar seu roteiro e ainda, de quebra, acaba conhecendo Jon Favreau, já Tonu enfrenta uma crise em casa ao descobrir que seu filho Anthony Jr. está cheio de indagações sobre e a vida e o existencialismo. Participaões de Jon Favreau, Alicia Witt e Janeane Garafalo;

s02e08 Full Leather Jacket – Carmela coloca as manguinhas de fora e mostra porque é uma Soprano ao pressionar a sua vizinha e a irmã da mesma para escrever uma carta de recomendação para Meadow entrar na faculdade, chega a ser assustador, enquanto isto, Christopher se envolve com dois novos ladrões que acabam por traí-lo  ao final do episódio num tiroteio. Um dos melhrores da temporada;

s02e09 From Where to Eternity – enquanto Christopher está hospitalizado, tendo inclusive estado morto por um minuto, Carmela pressiona Tony para fazer vasectomia ao descobrir que a amante brasileira de um amigo do casal engravidou, tendo voltado da morte, Christopher diz a Tony e Paulie que viu a luz e o túnel branco mas que quando chegasse sua hora iria para o inferno, observação que faz com que os dois indaguem suas atitudes, claro que Tony apela para a Dra. Melfi. Excelente trilha sonora!

s02e10 Bust-Out – uma testemunha ocular identifica Tony no assassinato do final do episódio anterior,  o que gera a ida de agentes a sua casa, enquanto isto, Tony procura se aproximar do filho e Carmela cai em tentação;

s02e11 House Arrest – o negócio com a coleta de lixo começa a dar problemas para Tony, que tem nova crise de ansiedade, quando Richie com apoio de Tio Jr, que até ganha uma subtrama no episódio, começam a querer distribuir cocaína pelo percurso;

s02e12 The Knight In White Satin Armor – enquanto Tony resolve romper com sua amante Irina, Janice acaba resolvendo um problema que com certeza iria atrapalhar os planos de Tony, mata Richie, seu namorado, e Tony e os demais dão cabo do corpo. Muito Bom;

s02e13 FunHouse Season Finale –  após comer em um restaurante indiano e depois comida italiana, Tony passa muito mal e acaba tendo sonhos e alucinações com todos os personagens, inclusive, desconfia de uma traição no grupo, levando a morte de Big Pussy, que há mais de um ano fornecia gravações para o FBI, mesmo ele negando que tenha entregue material que incriminasse os amigos, acaba executado dentro de um barco no meio do mar. Excelente season finale;

______________________________________________________________________________________

s03e01 Mr. Ruggerio’s Neighborhood Season Premiere – na estréia da temporada vemos as como andam as investigações do FBI com Soprano e os demais, agora que não tem mais seu informante, eles conseguem por decisão de um juiz grampear o porão da casa de Tony e precisam montar uma operação de guerra para instalar o grampo, assim, vemos como está a rotina da família Tony, Carmela, Meadon e AJ após o intervalo entre as temporadas;

s03e02 Proshai, Livushka – Livia morre de derrame e seus filhos mesmo contrariando seus pedidos fazem um velório, obviamente, muita roupa suja é lavada junto aos convidados, mostrando o quão desgostosa era sua figura. Não acompanhando a série na sua época desconfiei da morte de Livia quando vi que nas sequências iniciais estavam usando efeitos sobrepondo o rosto da atriz um corpo, pesquisando descobri que a atriz Nancy Marchand faleceu em junho de 2000, após o término da filmagem da segunda temporada;

United States of Tara – 2ª temporada:

s02e01 Yes – a divertida série de Diablo Cody retorna para sua segunda temporada após três meses dos últimos eventos mostrados, Tara vem tomando a medicação e tem conseguido levar uma vida aparentemente normal, Charmaine é pedida em casamento, Kate consegue um novo emprego como telemarketing e Marshall parece estar assumindo sua homossexualidade para toda a escola, no entanto, um evento dramático com um vinzinho da família coloca em risco o equilíbrio de Tara. Confesso que estava com saudades da série, assim como Nurse Jackie, apesar de não ser nenhum primor de texto, os personagens são muito carismáticos e o ritmo dos episódios gostoso de acompanhar;

s02e02 Trouble Junction – Tara fica desconcertada ao descobrir que um de seus egos emergiu após 3 meses sem indícios dos egos, no caso foi Buck, e para piorar ele/a deu em cima da bonita garçonete do bar que Tara foi com o marido, participação de Joey Lauren Adams. Charmaine pede para ficar com Tara até a data de seu casamento, Kate se empolga com seu novo emprego, uma cobradora de dívidas, inclusive, ela consegue cobrar uma cliente pintora que lhe impressiona bastante. Não havia imaginado que Buck podia agir desta maneira, quer dizer, sexualmente, expondo Tara à cenas constrangedoras, imagina quando isto vier à tona;

V – continuação da 1ª temporada:

s01e05 Welcome to the War – em seu retorno pós-hiato, que foi meio tiro no pé, afinal a série ainda não havia deixado sua marca, coisas de redes de tevê. A série retomou diretamente os eventos após o padre Jack, que esfaqueado é levado para um centro de saúde V, já Erica também é atacada pelo mesmo sujeito, no entanto, o final é diferente (obs.: descobrimos que o coração dos visitors são do lado direito, diálogo bem bizarro!). Mas Erica precisa se preocupar com seu filho que não sai da nave sobre a cidade aos cuidados de Anna e Lisa, Ryan, o v da resistência, precisa lhe dar com a gravidez de sua namorada, um evento imprevisível. Confesso que a série precisa urgentemente escolher o tom de suas abordagens, ao mesmo tempo que consegue imprimir um ritmo de ação com toques de suspense urgente e sério, precisa evitar as bizarrices dos aliens, que soam cômico e fake;

s01e06 Pound of Flesh –Anna descobre uma maneira de descobrir os traidores da 5ª Coluna, visitors que apresentam emoções humanas, e começa verificando um a um de sua nava, já Ryan fica cada vez mais preocupado com a gravidez de sua mulher que não deve ter estrutura para aguentar uma gravidez de visitor, assim, resolve ir à nava-mãe e pegar algumas medicações especificas para sua raça. A nova estratégia de Anna é receber humanos para viverem em cada uma das 29 naves. Confesso que ainda não consegui me interessar muito pela série, por isto, não ando dando prioridade em assistí-la, com sua renovação garantida, devo terminá-la em junho;


%d blogueiros gostam disto: