The Newsroom – 1ª temporada (FINALIZADA)

Famoso por criar e produzir “The West Wing”, e tendo ganho um Oscar pelo roteiro de “A Rede Social”, Aaron Sorkin retorna à TV com uma nova série dramática pelo canal a cabo HBO.

Com 10 episódios encomendados para sua primeira temporada, a série é situada nos bastidores de produção de um telejornal.

Will McCallister (Jeff Daniels) é o co-âncora de um programa jornalístico que traz conteúdo político polêmico e opinativo, exibido pela USB, uma TV a cabo. Ao voltar de férias ele descobre que o outro âncora do programa foi embora, levando com ele sua equipe técnica.

Assim, Charlie Skinner (Sam Waterston, de “Lei e Ordem), o chefe de Will, decide formar uma nova equipe de produção, escolhendo Mackenzie MacHale (Emily Mortimer), como produtora executiva. Acontece que ela é a ex-namorada de Will, uma relação que não terminou muito bem.

Entre os membros da nova equipe também estão Maggie Jordan (Alison Pill), produtora; Jim Harper (John Gallagher Jr.), assistente de Mackenzie que se apaixona por Maggie; Steve (Josh Pence), um dos produtores e atual namorado de Maggie; e Sloan (Olivia Munn, de “Perfect Couples”) analista econômica.

No elenco também está Thomas Sadoski, como Don, ex-produtor do programa de Will; e Dev Patel (ator de “Quem Quer Ser um Milionário?”). A personagem Mackenzie chegou a ser disputada pela atriz Marisa Tomei, que perdeu para Emily Mortimer. (Fernanda Furquim)

s01e01We Just Decide To – 20 de abril de 2010. Will McAvoy volta para sua mesa como âncora de um jornal televisivo de cadeia nacional após uma desastrosa participação em um Fórum numa faculdade (sequência inicial bombástica). Ele descobre que a maior parte de sua equipe estão seguindo seu produtor executivo para outro show, e seu chefe contratou Mackenzie MacHale como o novo produtora executiva, mulher com qual ele tem uma relação conflituosa. McAvoy não quer nada com ela e fala com seu agente para tentar obrigar a rede a demetí-la. No entanto, enquanto ele e MacHale negociam uma maneira de trabalharem juntos, estoura uma noticia sobre o vazamento de petroleo no mar americano (lembram?), que se torna num grande furo devido ao trabalho da equipe. Fazia muito tempo que não via um episódio com 1h15 min tão dinâmico e com diálogos e personagens tão ricos e cheios de possibilidade. Elenco afinadíssimo, parece que teremos agora um drama à altura de enfrentar Mad Men!

s01e02 News Night 2.0 – mesmo exagerando nas gags cômicas, não vejo esta necessidade, até porque está expondo Mackenzie, que deveria ser uma super profissional, o bacana do episódio que já nos revelou o passado entre os personagens, foi a infeliz abordagem do assunto político dentro do telejornal, achei bastante coerente ilustrar que nem tudo vai dar certo como ocorreu com o furo dobre o vazamento de petroleo!

s01e03 The 112th Congress – putz! Sorkin está mesmo apostando alto em seu novo drama, esta sequência inicial é genial, justificando em muito a estranheza de comportamento da equipe jornalística no episódio anterior. Cada vez mais admiro esta estrutura de jornalismo americano, onde sabemos as ambições de cada âncora, social/política, assim fica mais fácil compreender o tom da cada reportagem e crítica que o jornal coloca no ar. No entanto, também vemos que os “donos” do canal têm outras intenções não podendo ser tão radicais como Will e sua equipe, logo eles precisam fazer um jogo de meio campo entre política e economia, assim as cenas de Sam Waterston e Jane Fonda renderam absurdos, um verdadeiro duelo! Mesmo não assimilando todas as nuances e indiretas da corrida eleitoral para o Congresso americano, confesso que observar os bastidores é um deleite!

s01e04 I’ll Try to Fix You – em meio ao excelente texto político/econômico/social de Will em seu telejornal, como a denúncia de mentiras sobre a viagem de Obama à Índia, meramente política, vemos todos os personagens envolvidos em encontros, cenas e romances que beiram o infantil, não parece maduro e real, fica muito destoante do restante dos textos; entendo a intenção de humanizar os personagens com retrato de seus comportamentos fora da redação, porém o que está sendo exibido não está no tom correto, talvez motivo da demissão dos roteiristas por Aaron Sorkin entre o término da primeira e preparação para a segunda.

s01e05 Amen – passado o ano de 2010, chegamos aos eventos no Egito, com direito a correspondente sendo espancado e a procura por um freelancer, além disso, Will continua com problemas nas colunas de fofoca, o que gera um grande problema para ele e sua equipe; deixando de lado as gags físicas deste episódio, ainda constrangedoras, adorei o modo como a união da equipe vem ocorrendo, fora os bastidores da redação;

s01e06 Bullies – talvez até o episódio mais regular da temporada, pouco atenção para o humor fácil e de gracinhas que a série vem apresentando. Gostei bastante dos questionamento de Will, junto ao terapeuta (participação de David Krumholtz, de Numb3rs), e até mesmo da narrativa atemporal utilizada na montagem, que trouxe expectativas para o que vimos no início do episódio. Grande sequência foi o debate com o chefe de gabinete de Rick Santorum, e talvez o meu grande apreço com a série resida no fato de meu pensamento combinar com os questionamentos de Will (mesmo quando pesados demais, como no caso acima citado!). Além disso, vimos que Sloan tem problemas com sua fonte referente ao vazamento de Fukushima (já estamos em abril de 2011 na linha de tempo da série).

s01e07 5/1 – episódio que remete à divulgação da morte de Osama Bin Laden em 5 de maio, que no entanto, reflete como funciona o mecanismo do “furo” no jornalismo, principalmente, e esta é uma das coisas que mais gosto na série, é a exposição de ferramentas tecnológicas como o twitter e email com o fim de divulgação de informações. Assim, todos estavam fazendo uma festa no apê de Will quando Charlie recebe uma dica de uma possível fonte anônima (que parece que deve ser melhor ilustrada no futuro), sobre a entrada de um depoimento de Obama na noite de domingo, sendo que parece ser uma informação sobre a Segurança Nacional.

s01e08 The Blackout parte 1: Tragedy Porn – bah! que episódio interessante, muitas coisas acontecendo, tanto que parece que teremos um double episode! primeiro a tentativa de Will em liberar os bastidores do programa chamando para isto o repórter com o qual Mac lhe traiu; dois, a pressão da chefia para o jornal abordar um caso sensacionalista, pois estão perdendo audiência; três, o pedido de mais tempo de Sloan para explicar uma reviravolta na economia americana, e quatro, uma foto publicada no perfil de twitter de um político liberal, faz com que Will também informe a notícia já que vem “martelando” o pessoal republicano no Tea Party; cinco, o informante de Charlie libera informações sobre audio hackeados utilizados pela revista de fofoca do grupo de Jane Fonda, especialmente seu filho, lembrando o caso Murdoch na Inglaterra! Muito bom!

s01e09 The Blackout Part II: Mock Debate – Will e a equipe do News Night organizam um debate para os candidatos oficiais do partido republicano, depois de ficar noticiando casos mais exploratórios em função da audiência. Mac tem uma epifania durante uma queda de luz. Charlie examina a credibilidade do informante da NSA. Lisa sai do roteiro durante uma entrevista. O elenco, mesmo com aquela estranheza da falta de sutilidade e equílibrio entre o drama e a comédia, se saiu muito bem em cena.

s01e10 The Greater Fool – já começamos o episódio descobrindo que Will ganhou uma úlcera em virtude da matéria sobre os bastidores do seu jornal, depois disso acompanhamos o âncora oito dias depois já apresentando seu jornal, assim o roteiro vai fazendo idas e voltas no tempo para mostrar o que aconteceu nesse intervalo de dias; vemos que o quatrilho formado nos bastidores do jornal na verdade possui mais uma pessoa, Sloan (cada vez mais bonita), interessada em Don, mas claro que as coisas não se resolvem nesta temporada, deixando um clima no ar! Porém o que acaba rendendo é a fonte de Charlie que mesmo não querendo entregar as informações ao não aparecer como heroi em horário nobre, acaba ajudando a manter Will e Mac à frente do jornal quando Leona e seu filho pretendem demití-lo, fazendo uma verdadeira reviravolta nos bastidores (a la caso Murdoch). Para finalizar, o grande desfecho que Will criticando o Tea Party republicano ao chamá-lo de Talibã americano, um verdadeiro tapa de Aaron Sorkin na forte corrente conservadora dentro do Partido Republicano, muito mais muito importante esse aviso às vésperas das eleições americanas, como gostaria que houvesse ficção/jornalismo que analizasse nosso momento político de idônea!

Mesmo achando o potencial da série excepcional, contando com altas doses de heroísmo e como eles mesmo se referem doses de Don Quixote, muito diferente do mundo real, esta ali à mostra e exposto para todos verem e interpretarem da melhor maneira. Acho que somente precisam equilibrar as gags de Mac e os romances que beiram Barrados no Baile que o restante achará seu caminho, com um texto como o de Aaron Sorkin não há como dar errado!

STATUS: RENOVADA PARA A 2ª TEMPORADA (JUN/13).

Uma resposta to “The Newsroom – 1ª temporada (FINALIZADA)”

  1. ludoms Says:

    Eu acho que Thomas Sadoski é um grande ator, eu amo a sua personagem na série da redação, e eu quero ver a terceira temporada!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: