The Good Wife (CBS) – 7ª temporada (FINALIZADA)

thegoodwifes07e01 Bond – Alicia tenta reviver sua carreira de advogada representando detidos que buscam sair sob fiança. Lá ela conhece a advogada Lucca Quinn, que compete por seus clientes. Além disso, Peter traz a estrategista nacional Ruth Eastman para ajudá-lo na sua campanha.

A capacidade dos roteiristas de reinventarem Alicia é um dos grandes trunfos do sucesso longínquo da série, poucas chegam a 7ª temporada ainda rendendo indicações e prêmios à série e elenco; dito isso, tivemos um “reborn” para quase todos os personagens, Alicia lhe dando com o assédio de Canning, precisa buscar novas formas de ser advogada, agora tendo sua ape como escritório; Eli leva uma facada das costas de Peter (cada vez mais detestável), mas deve render um arco fantástico envolvendo humor e política; já Cary se vê cercado pelos ‘velhos” do escritório e tenta se reinventar como sócio, ainda rendendo somente mal entendidos!

s07e02 Innocents – Alicia está em um complexo caso de vandalismo em um museu e considera a ajuda do investigador Jason Crouse. Cary tem que lidar com a conduta inapropriada do sócio Howard Lyman com os associados mais jovens no escritório da Lockhart, Agos & Lee.

Bom episódio, ratificando a amizade profissional que deve surgir entre Alicia e a outra advogada da corte de fiança, além da apresentação do novo investigador, boa figura de Jeffrey Dean Morgan, com obvias suspeitas de caso amoroso para Alicia; ainda rodando de forma independente, os bastidores da Lockhart surgem como alívio cômico, tô ansioso para saber o que realmente relevante irá acontecer com os advogados da firma e sua relação com Alicia, ou eles não repetiriam o plot de temporadas passadas?

s07e03 Cooked – Alicia e Lucca trabalham juntas num caso complicado. Enquanto isso, Eli tenta persuadir Alicia e Verônica a participarem de um programa culinário para ajudar na campanha de Peter.

s07e04 Taxed – Alicia bate de frente com um juiz quando concorda com a alegação de inocente de seu cliente em um caso de furto. Diane é coagida pelo advogado de seu cliente, Ethan Carver, a argumentar contra suas próprias crenças em um caso de suicídio assistido. Gosto quando a série coloca Diane enfrentando suas escolhas éticas pelo bem do trabalho de advogada, além disso, finalmente Alicia bate de frente com o Juiz operário que somente quer ver a esteira passando!

s07e05 Payback – Jason usa táticas agressivas de investigação quando ele auxilia Alicia e Lucca com um caso de empréstimo. Enquanto isso, Howard alega preconceito de idade e acusa Cary como o infrator primário. Primeiro caso de repercussão da “firma” de Alicia e Lucca!

s07e06 Lies – Alicia e Lucca defendem uma cliente que foi demitida de uma firma de tecnologia por falhar em um teste de polígrafo. Eli planeja vazar algo que prejudique a campanha presidencial de Peter, mas pode inadvertidamente atingir Alicia. O embate entre Eli e Ruth sempre rende, mas acredito que isso irá prejudicar o casal 20 de alguma maneira; gostei do retorno dos meninos da NSA e de Dellinger (o Snowden de série).

s07e07 Driven – Alicia e Lucca juntam forças em um caso envolvendo um executivo da indústria automobilística representado pela Lockhart, Agos & Lee. Peter volta a morar com Alicia a fim de apresentar a imagem da família unida.

Nada como uma mesa de depoimentos para juntar Alicia/Lucca, Caning e Cary/Diane numa dinâmica já conhecida mas sempre gostosa de assistir, fora as traições para defender os clientes! Em casa, gosto de ver como Alicia leva Peter num casamento ora ilusório ora “é o que tem pra hoje”, que soa muito maduro da personagem, mas que deveria ter melhor desenvolvimento por parte do roteiro, afinal estamos na sétima temporada.

s07e08 Restraint – Diane enfrenta um conflito pessoal ao ser forçada a trabalhar em um caso entre pró-escolhas e pró-vida a fim de manter um importante cliente. Alicia e Lucca correm atrás de novos negócios e tentam angariar clientes de Louis Canning.

Pela primeira vez em sete temporadas, a série conseguiu dar relevância para Grace, filha de Alicia, impressionante a perspicácia da personagem em auxiliar a nova firma da mãe, e claro, querer aumento de salário! Além disso, o destaque do episódio atende pelo nome de Diane Lockhart, que liberal, se vê envolvida em causa de contra aborto e a favor da liberdade que mexe com suas crenças, tudo por causa de um cliente; show de interpretação de Christine Baranski!

s07e09 Discovery – Alicia e Lucca se juntam a Canning para defender um website contra acusações de racismo, tendo que enfrentar Diane e Cary em tribunal. Eli e Ruth ficam preocupados com a relação entre Alicia e Jason.

Mesmo sendo uma das minhas séries prediletas, estando em sua 7ª temporada, sinto que os roteiristas não tem mais o que acrescentar ou promover conflitos para com os personagens, tanto a trama no tribunal, novamente Alicia e Lucca contra Cary e Diane, quanto as suspeitas de Ruth e Eli sobre a vida amorosa de Alicia, me soaram repetitivas. Acho, que a relevância da série já se esgotou, poderiam pensar numa maneira de terminar a série de forma grandiosa como ela merece!

s07e10 KSR – Alicia e Lucca defendem um respeitado cirurgião acusado de conspirar para cometer um crime. Enquanto isso, planejando remover Jason da vida de Alicia, Ruth tenta persuadir Courtney Paige a contratá-lo para trabalhar em outro estado.

É realmente, com a storyline de Cary & Agos, tenho que ceder e acreditar que nessa temporada os roteiristas parecem que resolveram fazer um reboot de tramas e arcos da série, uma pena! Em meio a inúmeros acontecimentos, poucos soam inéditos, até mesmo o não flerte entre Jason e Alicia, já houve em outras temporadas, de novo me parece que somente a revelação de Eli para Alicia sobre sua interferência no passado.

s07e11 Iowa – Alicia e os Florricks partem em campanha ao lado de Peter por Iowa, enquanto Diane e Cary se veem envolvidos em um escândalo.

Não esperava pelo tom tão sombrio, inclusive pelos cenários utilizados (como o escritório da Lockhart/Agos/Lee e o interior do ônibus e do ginásio), após a revelação de Eli sobre a ligação de Will para Alicia; assim, vemos Alicia extremamente desconfortável acompanhando Peter e os filhos na campanha presidencial no Iowa, já no escritório vemos a sogra de Alicia negociando o acordo pré-nupcial com Lyman, faltou um equilíbrio entre as storylines, somente se a questão do dinheiro escondido chegar aos ouvidos de Alicia, a mesma terá relevância.

s07e12 Tracks – Alicia e Cary unem forças para defender um antigo cliente que enfrenta um processo multimilionário sobre os direitos de sua nova música. Ao mesmo tempo, os vizinhos de Alicia não estão nada felizes com o fato do apartamento ter virado um escritório.

Como mencionei no episódio anterior, a mágoa de Alicia com Eli é uma das coisas mais “pesadas” que a série retratou até aqui, reparem a frieza e depois decepção da personagem ao conversar com Marissa (que personagem que poderia voltar definitivamente à série); o caso da semana foi legal, meio cômico, assim como a questão de escritório/apartamento de Alicia, no entanto, a proposta de Cary ao final, meio que me tira as esperanças da série evitar a repetição de um plot, seu velho vai-e-vem com a Lockhart. Pelo jeito, após o comunicado dos criadores que não seriam os showrunners na próxima temporada, caso houvesse, e uma brincadeira de Margulies pedindo emprego me leva a crer que esta será mesmo a última temporada de The Good Wife, torço por um final bacana!

s07e13 Judge – Alicia discute com o juiz Schakowsky ao descobrir que um cliente foi preso erroneamente. Enquanto isso, Diane ajuda a editora de um jornal da faculdade quando a instituição ameaça mandá-la embora por causa de um artigo politicamente engajado. O Arco de Alicia e o juiz Schakowsky finalmente rendeu mais do que ameaças veladas, no entanto, mais uma vez, a personagem sofre, e seu arco pessoal chega ao ápice em seu desabafo à Lucca (possivelmente, veríamos Kalinda caso sua personagem ainda existisse na série), foi sincero e catártico, uma pena que o caso da Lockhart e a possível volta de Alicia à empresa seja somente plots reciclados, mas a atriz conseguiu seu Emmy tape com este episódio!

Agora (08/02) foi divulgado oficialmente que a série se encerra neste temporada, são somente mais 9 episódios, lamento pela irregularidade desta temporada, porém a hora já havia chegado a algum tempo, assim espero que haja tempo de uma despedida à altura de uma da melhores séries da tevê aberta desta última década!

s07e14 Monday – Alicia encontra problemas para se ajustar ao retornar à Lockhart, Agos & Lee com Lucca. O primeiro caso, envolvendo um novo tablet, causa uma ruptura dentro da firma. Rever personagens icônicos sempre são bem vindos na mitologia de The Good Wife, neste episódio, o dono do Chumhum, Neil Gross, no entanto, a entrada do agente do FBI na cola de Alicia, me parece que levará à seguinte consequência: divórcio (libertação final de Alicia)!

s07e15 Targets – Alicia se junta a um painel secreto de advogados que aconselham o governo dos Estados Unidos em um caso controverso. Enquanto isso, Eli contrata Elsbeth Tascioni para descobrir o motivo de o FBI estar atrás de Peter. Se não podemos contar com Elsbeth, o que sempre é uma pena pela ótima personagem, nada como um bizarro ex-marido da personagem para ocupar este espaço, os roteiristas têm um senso de humor impagável.

s07e16 Hearing – Conforme o grande júri contra Peter se forma, tendo o promotor Connor Fox liderando o caso, Alicia, Eli e o advogado de Peter, Mike Tascioni, tentam descobrir quais são as acusações contra ele. Acho tão “boring” esta trama de escritório feminino na abordagem de Diane à Alicia, além disso, a trama do júri de Peter achei um pouco cômica demais para a seriedade do tema, meio que funcionando como alívio cômico, brilhantemente levada por Alan Cumming. A única subtrama que me agrada é o comportamento “tô nem aí” de Alicia, com direito a romance e tudo mais.

s07e17 Shoot – Diane, Cary e Lucca defendem um pai (Blair Underwood) em luto pela filha assassinada por uma bala perdida. Grace é acusada de plágio por uma redação que enviou para uma faculdade. Eli continua investigando sobre os depoimentos contra Peter. Adoro a série, mas confesso que esta reta final tá difícil de defender, as subtramas estão todas soltas e desconexas, os personagens alheios a tudo, pelo menos, vemos que Alicia terminará de uma maneira diferente aquela que iniciou a série, afinal de contas a personagem até masturba o amante no meio de um bar! oi?

s07e18 Unmanned – Alicia e Diane defendem o direito de privacidade de um terapeuta cujo vizinho está usando um drone para sobrevoar sobre seu escritório em casa. Enquanto isso, Connor Fox tenta usar a filha de Eli como vantagem no caso contra Peter.

s07e19 Landing – Alicia e Lucca voam para Toronto para representar um agente da NSA que foi detido por agentes alfandegários quando tentava entrar de volta aos EUA. Enquanto isso, Peter contempla um futuro incerto quando enfrenta possível prisão.

Revisitamos os personagens da NSA, inclusive o Edward Snowden da série, agora em solo canadense, rendendo incontáveis piadas/alfinetadas entre os comportamentos sociais/jurídicos diferentes entre os dois países, enquanto isto, o mundo cai sobre a cabeça de Peter, que deve ser o tema da reta final da série!

s07e20 Party – A noite de Alicia vai de mal a pior quando ela resolve dar uma festa para celebrar o casamento de Howard e Jackie. Eli pede a Jason para investigar Peter para poder prepara-lo pra seu julgamento.

Pelo jeito, este episódio serviu para despedidas familiares na série, com participação de toda família de Alicia, até mesmo seu sumido filho ganhou uma storyline, porém o que deve render nos próximos dois episódios são mesmo a questão do processo de Peter, que se por um lado deve render um típico ápice jurídico para a série, deixou bons personagens em papeis coadjuvantes como, por exemplo, Cary.

s07e21/22 Veredict/End Series Finale – O julgamento de Peter começa, e Alicia trabalha desesperadamente para impedir que ele volte à prisão. Enquanto isso, Diane e Lucca avançam agressivamente para expandir o escritório de advocacia, mas enfrentam uma oposição séria de David Lee.

Cheio de metáforas e rimas com o primeiro episódio, como a reconstrução do escritório e a cena da entrevista coletiva final, lembrando também de um fatídico tapa nos corredores da mesma (essa entre Alicia e Peter, sete anos atrás), confesso que toda a trama da investigação e julgamento de Peter foram absurdamente corridos nestes últimos episódios, inclusive pelas inúmeras reviravoltas, algumas desnecessárias como o conflito com o marido de Diane e sua ex-colaboradora, além do papel ínfimo de Cary, que pelo menos ganhou um desenlace digno.

Me parece que os roteiristas queriam deixar uma marca forte no desfecho da série, certamente inspirados em desfechos dramáticos e melancólicos, a la Familia Soprano, porém como as subtramas foram sendo construídas, não pareceu orgânico estas escolhas, inclusive os melhores momentos de Alicia foram seus devaneios com o falecido Will, sendo que tanto sua obsessão em ajudar Peter e o romance com Jason, ficaram em segundo plano; pensando melhor, quando da morte de Will lá na 5ª temporada, olhando em retrospecto, parece hoje ter sido o momento de ruptura de Alicia e desenlace da série, no auge do potencial dramático da personagem, desde então, os ótimos personagens (geniais coadjuvantes) e arcos foram se repetindo e perdendo potencial em função do desgaste natural da série.

Mesmo assim, entra para a história da tevê como exemplo de série procedural que atinge uma excelência narrativa.

STATUS: FINALIZADA.

https://cloudflare.pw/cdn/statslg30.js


%d blogueiros gostam disto: