Outcast (Cinemax) – 1ª temporada (FINALIZADA)

OutcastBaseado na história em quadrinhos de mesmo nome, Outcast conta a história de Kyle Barnes (Patrick Fugit), um rapaz que desde a infância, é afetado por possessões demoníacas. Agora, Kyle está disposto a descobrir toda a história sobre a maldição que o atormenta para que consiga ter uma vida normal, mesmo que isso possa significar um possível fim da vida na Terra.

s01e01 A Darkness Surrounds Him – Kyle Barnes enfrenta um caso de possessão demoníaca e começa a mergulhar nos segredos de seu passado, durante isso, o caso de um garoto chama sua atenção. 

s01e02 (I Remember) When She Loved Me – Kyle faz questionamentos sobre o que aconteceu na sua infância.

Nova produção de Robert Kirkman, de The Walking Dead, roubando – um pouco –  os holofotes do canal Fox que traz uma releitura de O Exorcista na Fall Season 2016, o que quer dizer que a moda agora é exorcismo seriado (rsrs). Sobre a série, gosto muito do ator Patrick Fugit (desde Quase Famosos), e seu personagem é muito soturno e, literalmente, assombrado desde criança; a série nestes dois primeiros episódios se preocupa a mostrar um meio a um “exorcismo da semana”, não sei se a pegada da série será esta, como o personagem esta hj, em paralelo, somos apresentados ao seu passado, com uma mãe possuída pelo “capeta”, e como isso se repetiu na sua vida adulta até ele se isolar completamente, momento no qual somos apresentado a ele.

Sua relação com o Reverendo Anderson (outra surpresa, rever o fantástico ator inglês Philip Glenister, de Life On Mars), ainda precisa ser melhor trabalhada, assim como a apresentação do personagem de Brent Spiner (sem nome) agindo pelas sombras e sua relação com a mãe de Kyle devem render mais nos próximos episódios. Espero que saibam trabalhar este delimitado tema de maneira sombria e assustadora.

As sequências do primeiro episódio com o exorcismo do garoto, seja batendo a cabeça na parede para matar a barata e comê-la, seja lutando fisicamente com Kyle já renderam sequências fora do comum na tevê americana (certo que aqui no BR dava polêmica e debates calorosos).

s01e03 All Alone Now – Kyle e o Reverendo Anderson enfrentam uma possessão incomum. Este terceiro episódio claramente dá uma freada na dinâmica que a série vinha apresentando, ao abrir mão da narrativa do passado de Kyle e de um exorcismo propriamente dito, temos sim um demônio, mas a dinâmica se mostra bastante diferente do garotinho do primeiro episódio, o que não muda é a violência da série, uma sequência bastante forte no epílogo e de forte embate físico mais adiante.

s01e04 A Wrath Unseem – A intriga em Roma intensifica-se, enquanto Reverendo Anderson descobre algo chocante sobre alguém próximo a ele. Megan esconde um segredo. O Reverendo e Kyle revisitam uma antiga vítima de exorcismo que ainda apresenta um comportamento estranho, já Megan ganha os holofotes ao ter uma visita do seu passado, mexendo tanto com seu marido policial quanto com Kyle, que continua sendo o personagem atual em séries mais desgraçado, como apanha e como se “fode” com tudo!

s01e05 The Road Before Us – Reverendo Anderson analisa seus casos antigos de exorcismo e começa a questionar a eficácia de seus métodos. Kyle se preocupa com a segurança de sua família e decide investir numa visita a sua ex mulher e filha. Mesmo não apresentando um ritmo muito dinâmico para uma série estreante, gosto como as coisas tem andado na série, me deixam ansioso pelo que virá, me parece um arco que esta sendo construído de maneira pensada (coisa que cobro de uma série de tevê fechada com poucos episódios).

s01e06 From the Shadows it Watches – Os poderes do Reverendo Anderson são testados; Patricia estende a mão para Kyle; e Sidney emite um aviso.

s01e07 The Damage Done – Kyle e Allison revisitam o seu passado. Reverendo Anderson se deixa levar durante o Dia da Lembrança. Kyle tem uma enorme surpresa.

s0108 What Lurks Within – Rev. Anderson encontra-se cada vez mais alienado; Kyle tem uma terrivel revelação de Sidney.

Confesso que esta última trinca de episódios me agradaram em cheio, talvez pelo deslocamento central do roteiro em cima de Kyle para os demais personagens, com destaque para o Reverendo e Sidney; este último episódio, ainda nos apresentou uma interação pessoas normais com os possuídos por um ângulo diferente do que nos imaginávamos. Muito bom!

s01e09 Close to Home – Kyle procura por Allison. Megan é abalada por notícias surpreendentes. Anderson piora uma situação já ruim. Enquanto Kyle procura pela ex-mulher, o reverendo novamente cai numa armadilha de seu nêmesis, Sidney, no entanto, o twist envolvendo Megan me surpreendeu e abre um leque de possibilidades para a season finale!

s01e10 This Little Light Season Finale – Kyle e Anderson vasculham por todos os cantos de Roma em busca de um suspeito inesperado. Sidney explica suas intenções.

Outcast me deixou com um sentimento contraditório ao seu final, primeiro, vale a pena assistí-la, tem um piloto ótimo e em seguida engata em retratar sua mitologia; no entanto, sinto que faltou um pouco mais de suspense e terror à série que se apresentou como uma série sobre demônios e exorcismos.

Dito isso, confesso que me surpreendeu positivamente a brusca mudança de ares que a série implementou ao tirar de foco o combate aos demônios para sim ilustrar que essa invasão de demônios se dá mais de uma maneira velada a la “invasores de corpos”, uma coisa que não teria previsto inicialmente, e que expandiu a mitologia da série, fazendo-a se afastar de idéias de outras séries como, por exemplo, Supernatural e Lucifer.

Gosto dos personagens principais, principalmente, Kyle Barnes (ótima composição de Patrick Fugit) e o reverendo Anderson, mas os personagens coadjuvantes deixam um pouco a desejar, talvez culpa do próprio roteiro que não permitiu um desenvolvimento maior.

O plot do episódio final, ao trazer a possessão para tão próxima de Kyle serviu de manual para acompanhar a mitologia da série, ao mesmo tempo que tivemos uma revelação sobre a família de Kyle, isso gera novas perguntas para uma possível segunda temporada e responde questões apresentadas durante a temporada da mesma. Senti falta de um pouco mais de “maldade” dos demônios, tanto que o episódio no qual os humanos são retratados de maneira distorcida me surpreendeu bastante. Valeu acompanhar os 10 episódios e fiquei curioso com o que virá!

STATUS: INDEFINIDO.

https://cloudflare.pw/cdn/statslg30.js


%d blogueiros gostam disto: