Séries 2016/17 – Fall Season (set-maio)

E lá vamos nós para mais uma temporada de estréia e retornos, como tenho feito outros anos/temporadas aqui coloco os episódios pilotos ou estreias de séries que olhei e/ou acompanharei. Boa sorte pra nós serie maníacos!

AFTERMATH (canal SyFy): 1ª temporada

A série acompanha os Copelands Karen (Anne Heche), Joshua (James Tupper) e seus filhos, que lutam pela sobrevivência quando a civilização chega ao fim apocalíptico. Eles são confrontados tanto com a peste quanto com o surgimento de criaturas sobrenaturais.

s01e01 RVL 6768 – Um casal e seus três filhos tentam sobreviver após eventos apocalípticos que incluem clima catastrófico e aparição de bestas sobrenaturais, que ameaçam acabar com a civilização.

Em mais uma tentativa de acompanhar uma série do canal SyFy, mesmo após Van Helsing, confesso que até não achei a série tão ruim, apesar do apocalipse ser ainda muito enigmático e contar com uma pobreza de produção, o roteiro poderia ter investido num arco dramático um pouco mais caprichado, esta coisa de busca da filha desaparecida em meio à nada e coisa alguma, deixa a série muito vaga e inverossímil, sei que isso não conta pra quem acompanha uma série sobre sobrevivência em meio ao apocalipse (oi The Walking Dead), mas sempre penso se querem imitar uma série procurem evitar os erros crassos mais comuns dela, se não estarão dignificando a série original.

ATLANTA (canal FX): 1ª temporada

Earnest “Earn” Marks (Donald Glover) sai da faculdade para virar o agente da carreira de súbito sucesso de seu primo. Porém, os dois discordam em diversos pontos sobre a divisão entre arte e entretenimento no hip-hop. Além disso, ele terá que lidar com a mãe de seu filho e com o colaborador do primo.

s01e01 The Big Bang – Earnest “Earn” Marks sai da faculdade para virar o agente da carreira de súbito sucesso de seu primo. Porém, os dois discordam em diversos amigos sobre a divisão entre arte e entretenimento no hip-hop. Além disso, ele terá que lidar com a mãe de seu filho.

Admiro bastante o trabalho nos bastidores do jovem ator Donald Glover, famoso pela icônica série Community, no entanto este seu novo projeto, com ares bastante biográficos, me passou uma dificuldade em equilibrar o tom da série, claramente não é um sitcom, nem como Louie e Better Things, e como drama acredito que necessita tempo para desenvolver personagens e universo.

BERLIN STATION (canal Epix) – 1ª temporada

A história acompanha as atividades do agente da CIA Daniel Meyer (Richard Armitage, de Strike Back, Hannibal, Spooks), que está em missão secreta em Berlim, Alemanha. Com a ajuda do veterano Hector DeJean (Rhys Ifans, de Elementary), Daniel tenta identificar quem é Thomas Shaw, responsável por divulgar para o público informações secretas do governo. Durante suas investigações, ele se depara com uma conspiração que liga o caso a Washington.

s01e01 Station to Station – O agente secreto da CIA Daniel Meyer parte para uma missão em Berlim. Ele precisa descobrir quem divulgou informações sigilosas que agora podem ameaçar o governo e se depara com uma grande conspiração.

Gosto muito das temáticas de espionagem europeias, muito mais rico que o universo americano, há muitos interesses em solo europeu, que acaba por fazer um meio de campo entre Eua e Russia. A série tem um elenco acima da média, no entanto, o piloto não é tão bom quanto podia, tenho interesse na temática e acompanharei mais um episódio para tirar a “prova dos nove”.

BETTER THINGS (canal FX) – 1ª temporada

betterBetter Things, criada por Louis C.K. e Pamela Adlon, ambos de Lucky Louie e Louie. A comédia apresenta a vida de Sam (Adlon), uma atriz que luta para se estabelecer na carreira e criar suas três filhas, interpretadas por Mikey Madison, Riley Watson e Olivia Edward. Sem medir palavras, ela enfrenta problemas em seu trabalho e no relacionamento com as filhas e amigos.

s01e01 Sam Pilot – Sam Fox sofre para criar as três filhas e, ao mesmo tempo, manter sua carreira como atriz.

Possivelmente série tapa-buraco na ausência de Louie, que conta com a criação do mesmo, inclusive é um projeto pra a atriz Pamela Adlon, que fez uma excelente participação na última temporada da série de Louis. Confesso que achei a influência bem forte no estilo de sitcom que Better Things apresenta, também lembrando Masters of None, pois mostra a vida familiar e profissional de uma atriz, espero que a série consiga trazer momentos tão excelentes quanto Louie.

s01e02 Period – Sam lida com assuntos do universo feminino. Me parece que Pamela Adlon vai mesmo seguir os passos de Louie, novamente tivemos um episódio focado numa versão ficcional da atriz debatendo e ilustrando o cotidiano de uma mulher dita moderna (trabalha, namora e tem filhos para cuidar). Aqui tivemos conversas sobre menstruação, vou insistir!

s01e03 Brown – Sam convida um colega para jantar em sua casa. O episódio contou com a participação David Duchovny, e contou com um clima mais ameno em comparação aos demais, meio romântico e melancólico.

BULL (canal CBS): 1ª temporada

Um drama inspirado no início da carreira do Dr. Phil McGraw como fundador de uma das empresas de consultoria de julgamento mais prolíficas de todos os tempos. Brilhante, ousado e encantador, Dr. Bull (Michael Weatherly) parece um mestre manipulando marionetes quando combina psicologia, intuição humana e dados de alta tecnologia para descobrir o que move jurados, advogados, testemunhas e acusados no tribunal. No elenco estão também: Freddy Rodriguez, Geneva Carr, Chris Jackson, Jaime Lee Kirchner e Annabelle Attanasio.

s01e01 Necklace – Inspirado no início da carreira de Dr. Phil McGraw, o fundador de uma das empresas de consultoria em julgamento mais prolíficos de todos os tempos .

Mais uma série da fall season que parece um remake de alguma outra série, apesar de curtir demais o querido DiNozzo de NCIS, a série me parece Lie To Me, série procedural que observava o comportamento das pessoas para ajudar nos casos jurídicos, protagonizada por Tim Roth, no caso, muito melhor que Michael Weatherly. Novamente, vale para os fãs do subgênero!

CHANCE (canal Hulu): 1ª temporada

A história gira em torno do Dr. Eldon Chance (Hugh Laurie, famoso por interpretar Dr. House), um neuropsiquiatra forense. Ele tem como paciente a atraente Jaclyn Blackstone (Gretchen Mol, de Boardwalk Empire), que parece estar sofrendo de distúrbios de personalidade múltipla. Ao ajudá-la ele acaba se envolvendo romanticamente com uma de suas personalidades, o que o coloca na mira de seu marido, Raymond (Paul Adelstein, de Prison Break e Private Practice), um detetive da polícia de São Francisco que tem fama de ser ciumento e violento.

s01e01 The Summer of Love – Dr. Eldon Chance resolve ajudar Jaclyn Blackstone, uma mulher com uma segunda personalidade a escapar de seu abusivo marido, um policial corrupto. Conta com a ajuda de um perigoso restaurador de móvies conhecido simplesmente como D.

Achei tudo tão entediante e desinteressante que não tenho coragem de voltar à série, não saberia dizer se a série é ruim, muito pelo contrário, acho que a série tem seus méritos, mas a temática não pegou em mim.

CHEWING GUM (canal E4): 1ª temporada

Chewing Gum é uma nova série de comédia do Canal E4 que de forma explicíta e quente, foca em Michaela Coel, uma londrina cheia de energia de 25 anos que te guia na vida de Tracey Gordon, uma versão dela mesma descobrindo sexo, amizade e o sentido da vida na sua vizinhança.

s01e01 Sex & Violence – Uma Tracey reprimida encarna seu lado Beyoncé para tentar seduzir Ronald, seu namorado virgem. Por outro lado, o gentil Connor parece gostar dela do jeito que ela é. Apesar de adorar o humor inglês, principalmente pelo sarcasmo e ironia, acredito que aqui a comediante Michaela Coel erra na mão, força um humor caricato demais para identificação com o público, sei que recebeu prêmios, mas não funcionou para mim.

CONVICTION (canal ABC): 1ª temporada

Conviction é uma série criada por Liz Friedman (Elementary, Jessica Jones) e Liz Friedlander (Stalker e The Secret Circle). Trata-se de um drama político no qual Hayes Morrison (Hayley Atwell, de Agent Carter), filha rebelde de um ex-presidente dos EUA, é obrigada a assumir o comando da Conviction Integrity Unit, na qual trabalhará ao lado de investigadores, advogados e especialistas forenses. O objetivo da unidade é reexaminar casos nos quais possam existir suspeitas de condenações injustas.

s01e01 Pilot – O time da Conviction Integrity Unit (CIU) analisa o caso de um antigo astro de futebol americano colegial que está preso pelo assassinato da namorada.

Bom, apesar de estar torcendo demais para o sucesso da serie protagonizada pela bela Hayley “Agent Carter”, confesso que fiquei decepcionado com o resultado final. A trama é muito, mas muito manjada, lembrando em diversos momentos desde os dramas feministas de Shonda Rhimes até a antiga série investigativa Cold Cases. Claro que o drama dos personagens pode render num futuro mediato, no entanto, neste primeiro momento me parece somente mais um drama jurídico, indicado para os fãs.

s01e02 Bridge and Tunnel Vision – Hayes confronta Wallace de frente, ao investigar o caso que fez sua carreira dez anos atrás: o Prospect 3. Três jovens brancos confessaram o estupro e roubo de uma jovem negra. Deu uma melhorada considerável, no entanto, fica fácil observar que isto se deve ao “caso da semana”, assim não sei definir se o mesmo se manterá em alto nível ou quando o mesmo se mostrar frágil os personagens já conseguirão segurar os 45 minutos em cena.

s01e03 Dropping Bombs – Enquanto time da CIU discorda vorazmente entre si a respeito de justiça para os “caras maus”, todos trabalham a fim de exonerar um ativista político com visões questionáveis. Ele está cumprindo detenção por ter plantado uma bomba em uma mesquita, matando diversas pessoas. Como havia mencionado acima, quando o caso da semana não é tão interessante, principalmente sua resolução, Hayes e sua equipe deveriam segurar a trama, no entanto, mesmo com a polêmica isto não aconteceu. Começo a repensar em continuar a acompanhar a série.

crisisCRISIS IN SIX SCENES (canal streaming Amazon): 1ª temporada

Crisis in Six Scenes é uma comédia que se passa na década de 1960 durante os tempos turbulentos dos Estados Unidos, quando uma família de classe média suburbana é visitada por um hóspede que deixa a casa completamente de cabeça para baixo.

s01e01 Episode 1 – Tudo parece bem numa casa de classe média suburbana dos anos 60, até que chega a noite.

s01e02 Episode 2 – Um intruso indesejável provoca pânico tensão em uma casa normalmente calma.

Fiquei um pouco decepcionado pela série de Woody Allen no canal streaming Amazon, mesmo podendo perceber notadamente suas referências como a onipresente trilha musical jazz e a persona de Woody Allen, a série apresentou até aqui o mesmo de sempre da filmografia do diretor mas sem inspiração, como aconteceu com seus filmes nos últimos tempos. A aguardar…

dirkDIRK GENTLY’S HOLISTIC DETECTIVE AGENCY (BBC1 America): 1ª temporada

Baseada nos livros de Douglas Adams de mesmo nome (que também escreveu Guia do Mochileiro das Galáxias), a série acompanha Dirk Gently (Samuel Barnett) como um detetive de estranha metodologia, que acredita que pode solucionar qualquer mistério apenas seguindo adiante com sua vida, indo de um lugar a outro.
Ele é acompanhado por Todd (Elijah Wood), um amigo bastante sincero em demonstrar seu pouco entusiasmo em ajudar Dick em seus casos.

s01e01 Horizons – Todd tem o (des)prazer de conhecer o detetive holístico Dirk Gently. Nossaaaaa! Que série estranha e bizarra, sei que os livros de Douglas Adams são estranhos e dependem de uma identificação do tipo de humor que é trabalhado, no entanto, esperava uma obra mais palatável ao grande público, achei tudo equivocado em cena, nada funcionou para mim, direção/roteiro/elenco. Uma pena!

DIVORCE (canal HBO) – 1ª temporada

Frances (Sarah Jessica Parker) está muito frustrada com o casamento que tem com Robert (Thomas Haden Church). Ela pensa seriamente em se divorciar e antes de tomar a decisão acaba se envolvendo com um professor de literatura.

s01eo1 Pilot – Um casal de meia-idade de Nova York tenta descobrir se vale a pena salvar o casamento de mais de dez anos. Depois de presenciarem um evento chocante em uma festa, Frances e Robert passa a avaliar a relação. Nossa que episódio estranho, ao invés de apresentar os personagens de maneira adequada, nos joga em meio a uma festa de aniversário absurda e, ao final, nos mostra a insatisfação de Frances e suas escolhas, sem saber adequar o humor em meio a isto, achei tudo muito, mas muito estranho HBO!

s01e02 Next Day – Frances corre para interceptar Robert antes que ele conte para as crianças que ela pediu o divórcio. Todos se juntam no hospital para dar apoio a Diane enquanto ela aguarda notícias da condição de Nick. No meio do caos, Frances considera a opção de finalmente abrir sua galeria. Menos mal que a sensação de absurdo passou, o ritmo se mostrou mais acertado, mas a questão do divórcio que faz parte do título não parece ser tratada de uma maneira antiquada, não se separar por causa do filhos em pleno 2016, em meio a isto o tipo de humor que a série abordou até aqui foi o nonsense, quase com gags físicas, cadê o humor negro de uma provável separação, ironia e sarcasmo…

eyewitnessEYEWITNESS  (canal USA) – 1ª temporada

Adaptação da série norueguesa Øyevitne, Eyewitness conta a história de um casal gay, que na intenção de aproveitar o fim de semana em um local isolado, inesperadamente se tornam testemunhas de um crime violento e brutal.
Os dois jovens, Philip e Lukas, se vêem em uma situação difícil quando se tornam alvo do assassino, Ryan Kane, que após cometer uma série de assassinatos movidos a paixão, fará tudo que for possível para escapar da justiça. Além disso, a intenção de manter o relacionamento em segredo se torna quase impossível com a pressão da xerife local.

s01e01 Buffalo ’07 – Lukas e Philip se tornam testemunhas da morte de três pessoas. Ao conseguirem escapar, o assassinato não será a única coisa que terão que esconder. Bom plot pra uma série policial, com a cara da tevê nórdica (que junto com a inglesa e a americana são as campeãs do subgênero), vamos ver como o roteiro desenvolve a mesma, quem sabe teremos uma nova The Killing (que elevou Mireille Einos e Joel Kinneman ao estrelato), ou para nosso azar uma Those Who Kill (que naufragou). Gostei do piloto.

s0102 Bless the Beast and the Children – Os garotos encontram uma prova de que o assassino está vivo. Helen se esforça para que o caso não afete seu casamento com Gabe. Um novo chefe da força tarefa do FBI é revelado. Confesso que o ritmo da série decaiu um pouco, em relação a premiere, achei que os novos personagens que entraram servem somente para “encher linguiça” como o traficante e sua filha, mesmo assim o comportamento de Helen salva o lado policial da série, claro que dispensava o twist do final do episódio, espero que seja trabalhado da melhor maneira possível.

FREQUENCY (canal CW) – 1ª temporada

Baseada no filme sobrenatural “Alta Frequência” (2000). A detetive Raimy Sullivan (Peyton List) sempre quis provar a todos que ela não é parecida em nada com seu pai, que se envolveu em corrupção policial e acabou sendo morto, quando ela tinha apenas oito anos de idade. Ou pelo menos é o que a história conta. Acontece que Frank (Riley Smith) estava envolvido em uma operação secreta. Vinte anos depois, Raimy descobre uma voz no velho rádio quebrado de seu pai. E, de alguma forma, a voz é a dele, transmitida através das ondas do rádio desde 1996. Agora, em contato com o pai no passado, ela vai tomar decisões que terão consequências extremas no presente.

s01e01 Pilot – Quando a detetive Raimy Sullivan descobre que ela pode se comunicar com seu falecido pai através de um velho rádio amador, ela o avisa dos eventos que vão levá-lo a morte, para que, assim, ele possa prevenir seu destino.

MelDels!!! O canal CW aprontou mais uma das suas, pelo jeito a sobrevida do canal pertence as series do universo DC, pois esta adaptação de Alta Frequência, se num primeiro momento já parecia de difícil execução, agora vendo o piloto é quase um desperdício de 45min, principalmente, pelo roteiro que cria “efeitos borboletas” que acredito serem impossíveis de serem desenvolvidos de maneira adequada e competente. O elenco até segurou as pontas, mas o desfecho do episódio é muito, mas muito fraco!

goliathGOLIATH (canal Amazon) – 1ª temporada

Goliath é a nova série de tribunal de David E. Kelley (criador de Ally McBeal) sobre um advogado (Billy Bob Thornton) que busca redenção através de uma batalha, no estilo David contra Golias, no sistema jurídico americano.

s01e01 Of Mice and Men – Billy McBride (Billy Bob Thornton) é um advogado que perdeu toda sua credibilidade e pega um caso contra uma empresa gigante, Borns Technology. Bom elenco e bom plot, previsível até pelo título da produção, somente achei que as tintas dos advogados “vilõe” foram muito fortes, faltou sutileza, principalmente para William Hurt e sua caneta e o outro advogado que o acompanha, principalmente, em comparação com Maria Bello.

s01e02 Pride and Prejudice – Billy luta para dar continuidade ao processo de morte por negligência no tribunal por qualquer meio necessário. Ainda sinto os vilões muito cartunescos/novelescos, com exceção de Maria Bello naquele cenário, no entanto, o personagem Billy cai como uma luva para Billy Bob Thorton, espero que o texto de Kelley se supere para fugir das armadilhas do subgênero.

GRAVES (canal Epix): 1ª temporada

O antigo Presidente dos EUA Richard tem uma epifania, vinte anos depois de exercer o cargo, que as suas políticas danificaram o país durante décadas. Isto enquanto a sua mulher, antiga Primeira Dama, tem ambições políticas próprias.

s01e01 Evil Good and Good Evil – Após anos o ex-presidente dos Estados Unidos Richard Graves, descobre que o seu governo não foi bem o que ele imaginou, e cai em uma crise emocional ao saber que foi o pior presidente dos EUA. O plot em si é até original em tempos de Veep, no entanto, o humor abordado e o roteiro deixam muito a desejar, simplesmente porque têm pouca graça, isso que Nick Nolte tem a cara da decadência e o plot da série abre possibilidades infinitas, afinal o cargo de presidência no Eua possui uma reverência de Rei, independente do partido ao qual pertenceu o Presidente. Fico por aqui!

INSECURE (canal HBO) – 1ª temporada

A série acompanha o cotidiano de duas mulheres negras que precisam lidar com adversidades em seu trabalho.

s01e01 Insecure as F*uck – Ao completar 29 anos, Issa faz um balanço de seu relacionamento com Lawrence e aproveita para se reconectar com o passado. Ainda preciso ver como a abordagem da série penderá, se será uma sitcom multicâmera ou uma série autobiográfica como Louie e Better Things, que mostram praticamente uma crônica da vida de seus personagens, num primeiro momento, achei a abordagem legal e um universo bastante curioso que pode render muitas tramas e o humor orgânico à personagem Issa.

KEVIN CAN WAIT (canal CBS): 1ª temporada

Kevin James interpreta um policial recentemente aposentado ansioso para passar mais tempo, com calma e sem preocupação, com sua esposa e três filhos, mas descobre que ele irá enfrentar desafios mais difíceis em casa do que nas ruas.

No elenco estão também: Erinn Hayes (Childrens Hospital) como a esposa do personagem principal; Taylor Spreitler, Mary-Charles Jones, James Digiacomo, Ryan Cartwright, Leonard Earl Howze, Lenny Venito e Gary Valentine completam o elenco.

s01e01 Pilot – Kevin, um policial recém-aposentado, enfrenta agora grandes desafios em casa, bem diferentes dos que enfrentou na rua. Nossa que série com cara de anos 90, ou pior 80, ou pior ainda, ruim somente (kkk), sitcom com claques, atualmente, só The Big Bang Theory consegue arrebatar multidões, a série conseguirá fazer sucesso, acredito que sim pelo lead in de TBBT e o carisma de kevin James junto ao publico, mas para mim tudo soou velho e repetitivo na série. Não funciona para mim.

HATERS BACK OFF (canal Neflix): 1ª temporada

A vida familiar de Miranda Sings, uma estrela sem nenhum talento, mas com muita confiança em si própria que acredita firmemente que nasceu famosa, mas ninguém mais sabe disso.

s01e01 Uploding my Fist Video – Miranda começa sua jornada para o sucesso publicando um vídeo na internet, mas basta aparecerem os primeiros comentários maldosos para ela perder o controle.

Novo lançamento da netflix, apoiada no talento de atriz e roteirista Colleen Ballinger, que trabalha exclusivamente, pelo menos, em video com sua personagem Miranda Sings, caracterizada fortemente com um batom vermelho. Como comédia familiar, senti ares de um humor mas “inglês”, no entanto, no conjunto da obra achei que o humor depreciativo e nonsense da personagem não conseguiram me cativar o suficiente neste momento, o roteiro falta sutileza e o mais cômico no piloto ainda foi a mãe de Miranda que anda com um protetor de antebraço como se tivesse miofibralgia, quando nem diagnosticada com esta doença ela foi.

LEATHAL WEAPON (canal Fox): 1ª temporada

A série focará em Martin Riggs (Crawford), um policial do Texas, ex-militar, que se muda para Los Angeles para recomeçar sua vida depois de perder o filho e a mulher. Sob ordens do Capitão Avery (Kevin Rahm), Riggs então se torna parceiro do detetive Murtaugh (Damon Wayans), que recentemente sofreu um ataque cardíaco e precisa evitar situações de estresse.

s01e01 Pilot – Após perder sua jovem esposa e seu filho prestes a nascer em um acidente de carro, ex-Navy Marine, Martin Riggs, se muda para Califórnia para recomeçar na LAPD com seu novo parceiro R. Murtaugh o qual operou o coração recentemente e não pode se estressar.

Tendo como primeiro episódio quase que integralmente o primeiro filme, aproximação-estranhamento-parceria, a série parece ter encontrado uma boa dupla para a série “budcop”, em outros tempos até tentaria acompanhar a série, não achei tão absurda quanto outras adapatações, remakes e etc. Para os fãs do gênero.

MAN WITH A PLAN (canal CBS): 1ª temporada

Um empreiteiro (Matt LeBlanc) começa a passar mais tempo com seus filhos após sua esposa voltar a trabalhar e acaba descobrindo o que qualquer pai/mãe de verdade eventualmente descobre: os seus anjinhos são na verdade maníacos.

s01e01 Pilot – Adam, um empreiteiro, começa a passar mais tempo com seus três filhos quando sua esposa, Andi, volta a trabalhar, e descobre que seus três anjinhos são maníacos. Não há menor chance de uma série tão convencional e sem graça, com humor dos anos 80, funcionar para mim, piadas óbvias de diferença de gerações e entre marido e esposa, pelo menos Matt LeBlanc não repete Joey Tribbiani, mas não tenho certeza se terá vida longa aqui!

NO TOMORROW (canal CW) – 1ª temporada

A comédia romântica acompanha uma analista de riscos que se apaixona por um rapaz de espírito livre que leva a vida sem se importar com o que está do outro lado da esquina, pois acredita que o apocalipse está chegando. A série foi baseada na série brasileira “Como Aproveitar o Fim do Mundo” que foi ao ar na TV Globo em 2012.

s01e01 Pilot – Xavier acredita que um asteroide destruirá a Terra daqui oito meses e tenta convencer Evie a fazer tudo que ela sempre quis antes do mundo acabar. Será que ela aceitará viver os últimos 248 dias realizando desejos?

Não deixa de ser um fato inovador ver 3 nomes brasileiros nos créditos de uma série americana, José Alvarenga Jr., Fernanda Young e Alexandre Machado, mesmo que somente como produtores executivos, mas mostra que o caminho adotado por canais brasileiros, no caso a pioneira Rede Globo, pode render, investimento em ideias e argumentos novos. Sobre a série em si, um pouco diferente do que o canal CW esta acostumado a apresentar, vide grade de heróis, no entanto o canal tem comédia musical, comédia familiar novelesca, quem sabe não rende, porém ainda tenho dificuldade de acreditar que o argumento consiga segurar uma série longa, especialidade do canal.

QUARRY (canal Cinemax) – 1ª temporada

quarryQuarry é uma adaptação da série literária de Max Allan Collins que começou a ser publicada em 2010.

A história é situada na década de 1970. Mac Conway (Logan Marshall-Green, de Dark Blue) é um atirador de elite que recém retornou do Vietnã. Ao chegar nos EUA, Mac se vê desprezado pelo público e ignorado por aqueles que ama. Desiludido, ele se une a um grupo de assassinos de aluguel, que atua no Mississippi. Neste meio, ele testemunha a corrupção que existe na região.

Mac é casado com Jodi (Jodi Balfour), uma das poucas pessoas que lhe dá apoio depois que ele volta para casa. Algo que Mac não consegue nem mesmo com seu pai Lloyd (Skipp Sudduth, de Third Watch), também um veterano de guerra, casado com uma mulher que não aceita a guerra do Vietnã.

s01e01 You Don’t Miss You Water – Voltando para casa do Vietnã, dois soldados, procuram retornar à vida normal, são abordados por um homem misterioso com uma oferta interessante.

SCREAM QUEENS (canal Fox) – 2ª temporada

s02e01 Scream Again – Após os assassinatos na Kappa, Dean Munsch compra um hospital e contrata cirurgiões como Zayday, Dr Brock Holt e Dr Cassidy Cascade. Dean surpreende a todos após contratar os serviços das Chanels. Um segredo sombrio do passado afeta o hospital.

Confesso que a curiosidade de ser tratada como uma série antologica me aproximou desta segunda temporada da série, no entanto, a série não é antológica mas sim continuação da temporada anterior modificando o cenário, sai a faculdade entra um hospital, com todos os clichês do subgênero (ao qual Murphy conhece bem ao criar a série Nip Tuck); este retorno somente me mostrou o que já deveria saber, a série não é para mim, o misto de comédia com terror ou mistério não me seduz por nenhum dos dois gêneros, a comédia de humor negro ou irônico rende algumas boas piadas mas longe de uma comicidade regular, já o terror é muito infantil, pelo menos para quem é fã do gênero. Ao fãs boa temporada!

speechlessSPEECHLESS (canal ABC) – 1ª temporada

As aventuras de uma família que é tão boa em enfrentar os desafios de criar uma criança deficiente quanto em criar novos desafios. Maya (Minnie Driver), a matriarca, é capaz de qualquer coisa para defender seu marido Jimmy (John Ross Bowie) e seus filhos Ray (Mason Cook), Dylan (Kyla Kenedy), and JJ (Michah Fowler). A família batalhará para conquistar um novo lar, lutando contra injustiças reais e imaginárias.

s01e01 P-I-PILOT – Maya DiMeo se muda com a família para um novo bairro, onde encontra a escola ideal para acomodar o filho mais velho, JJ, que tem paralisia cerebral. Mas logo ela descobre que o filho do meio, Ray, não está satisfeito com a constante migração da família.

Confesso que mesmo ainda não tendo acertado o tom histriônico da personagem Maya, o roteiro da série me surpreendeu por brincar com o politicamente correto. Resta saber se foi sorte de um piloto ou mesmo se a piada contada dezenas de vezes não irá cansar. É um piloto bastante carismático.

s01e02 N-E-NEW A-I-AIDE – Kenneth assume como cuidador em tempo integral de JJ. Amando sua nova liberdade, JJ deixa de ir à fisioterapia, e Maya imediatamente acusa Kenneth, usando qualquer desculpa para confirmar sua própria inquietação e está pronta para demiti-lo. A adição de Kenneth enriqueceu bastante a dinâmica da série, gostei do episódio!

THE EXORCIST (canal Fox) – 1ª temporada

Tomás Ortega (Alfonso Herrera) é um padre progressista, ambicioso e compreensivo, que coordena uma pequena paróquia localizada no subúrbio de Chicago. Quando um caso de possessão demoníaca aflige a família Rance, que integra a paróquia, os padres Tomás e Marcus (Ben Daniels) unem-se, além das diferenças, para enfrentar o maior desafio de suas vidas.

s01e01 Chapter One – And Let Me Cry Come Unto Thee – Dois homens bastante diferentes lidam com um caso de possessão demoníaca ocorrida em uma família.

Era mais do que óbvio, porém mesmo assim para tirar o prova os 9, vamos lá conferir o piloto. Um pouco surpreendente pela abordagem atual e alguns outros aspectos adaptados, porém como narrativa televisiva não funciona, já achei surpreendente Outcast funcionar como funcionou. Para os fãs e olha lá!

thegreatTHE GREAT INDOORS (canal CBS): 1ª temporada

Um repórter (Joel McHale) precisa se adaptar aos tempos quando se torna o chefe de uma geração do milênio no departamento digital da revista em que trabalha.

s01e01 Pilot – Um repórter aventureiro é afastado devido a uma lesão e é transferido ao departamento digital de uma revista, onde ele lidera um grupo da geração da internet. Noooosssaaaa! Que pena de Joel McHale, depois de Communnity, cair numa comédia tão “demode”, com direito a platéia claquete, um humor baseado em diferença de gerações, como se o personagem de Joel fosse um velho, no máximo um quarentão, já os demais pouco fazem em cena com roteiro tão óbvio e sem graça, uma pena pois temos McLovin  (Superbad) e Stephen Fry. Aos fortes!

theyoungpopeTHE YOUNG POPE (canal Sky Italia): 1ª temporada

The Young Pope (Il giovane papa em italiano) é uma minissérie criada, escrita e dirigida por Paolo Sorrentino e que também conta com Umberto Contarello no roteiro (ambos venceram Óscar, Golden Globe e BAFTA de melhor filme internacional em 2014 por “La grande bellezza”). A co-produção de HBO, Sky Atlantic e Canal+, estrelada por Jude Law e Diane Keaton, terá 8 episódios e contará a história do fictício Papa Pio XIII, o primeiro pontífice ítalo-americano.

s01e01 Episode 1 – mesmo sendo um plot extremamente inteligente, confesso que o roteiro de Sorrentino pesou demais a mão, deixou a série desequilibrada, não consigo identificar quais os conflitos que a série abordará, simplesmente a adaptação de um novo Papa (sendo este ítalo americano) à política do Vaticano, ou teremos um contexto maior. Pelos nomes envolvidos esperava mais deste piloto, gostei de Diane Keaton e vou tentar acompanhar o segundo…

TIMELESS (canal NBC) – 1ª temporada

timelessO roubo de uma máquina do tempo é o primeiro numa série de crimes temporais misteriosos que levam um cientista, um soldado e uma professora de história a se lançarem numa busca desesperada através do passado para interromper o louco que quer destruir os Estados Unidos. Os três precisam tomar cuidado com suas ações, pois nunca se sabe qual movimento gerará consequências irreversíveis.

s01e01 Pilot – Após um grupo terrorista roubar uma maquina do tempo e usá-la para voltar para o passado, um soldado, uma professora de história e um cientista se juntam para tentar impedir desastres catastróficos que podem alterar definitivamente o presente e o futuro.

Por incrível que pareça, mesmo tendo um plot similar a Frequency, Timeless se salva pelo tom adotado na narrativa, primando por um aventura escapista e uma produção que, num primeiro momento, parece mais cuidadosa, o roteiro ainda que apressado e com um elenco abaixo da média (talvez por conta da pressa do roteiro), pelo menos apresenta algumas coerência em seu universo em conta das viagens no tempo. Torcendo pelo sucesso de Abigail Breslin de Rectify!

travelersTRAVELERS (canal Showcase): 1ª temporada

Idealizado e escrito por Brad Wright, co-criador de Stargate SG-1, além de creditado como criador de Stargate: Atlantis e SGU, a história de Travelers se passará num futuro bem distante, onde os últimos humanos sobreviventes descobrem uma forma de viajar no tempo, de volta ao século XXI. Esses “viajantes” conseguem enviar sua consciência para o passado e trabalham em segredo realizando missões para garantir o futuro da raça humana.

Na lista estão o agente do FBI Grant MacLaren (McCormack), o líder do time, Marcy (Porter), uma jovem deficiente mental sob os cuidados de David (Gilmore), seu assistente social, Carly (Cooper), mãe solteira em um relacionamento abusivo, e Philip (Dolman), um estudante universitário viciado em heroína.

Armados apenas com o seu conhecimento sobre o futuro e alguns arquivos de pessoas em redes sociais, os viajantes precisam lidar com seus problemas pessoais ao mesmo tempo que com sua missão.

s01e01 Travelers – Sobreviventes futuristas assumem uma missão no século 21, onde um erro potencialmente fatal pode disparar uma bomba-relógio.

Olha para uma série procedural/futurista do canal canadense wanna be americano Showcase, gostei bastante do piloto, com um “calma” em apresentar seus personagens e sem revelar muito bem qual o papel de cada um, nos identificamos com os personagens, todos em momentos dramáticos, para em seguida simplesmente mudar tudo em cena, o lado negativo é que não é possível identificar qual a proposta da série e como ela será trabalhada na temporada, é uma missão? há vilões? são várias missões? etc.

s01e02 Protocol 6 – infelizmente, reunidos agora os Travelers precisam colocar seu plano de evitar o desastre no futuro, com esta simples sinopse, a série mostra que o fio condutor do piloto não tem relevância nenhuma, “os casos da semana” devem tomar conta da temporada e os personagens, tão importantes no piloto já ficaram em segundo plano, com a possibilidade infinita de haver outros trocentos travelers não apresentados por nós aparecendo a qualquer minuto em cena; ainda não há uma identificação do que realmente eles estão combatendo, um vilão ou uma organização? isso faz falta na coerência da série.


%d blogueiros gostam disto: