Posts Tagged ‘Dan Fogelman’

This Is Us (NBC) – 2ª temporada (FINALIZADA)

18/03/2018

s02e01 A Father’s Advice – Chegou o aniversário de 37 anos do trio e Randall e Beth discutem uma grande mudança de vida. Kate tenta seguir sua nova paixão e Kevin equilibra sua carreira e seu relacionamento. Enquanto isso, novas revelações são feitas sobre a morte de Jack.

s02e02 A Manny-Splendored Thing – A família Pearson visita Kevin no set em Los Angeles na filmagem para um episódio especial do “Manny”. Jack enfrenta seus demônios.

O que dizer quando a melhor série dramática da tevê aberta americana (lembrando, The Leftovers na tevê fechada e The Handmaid’s Tale no streaming) retorna mantendo suas melhores características, diálogos humanos e personagens reais, ainda estamos lhe dando com a crise no casamento de Jack e Rebecca e, agora consigo perdoar a falha na série que criou uma expectativa sobre a morte de Jack e desviou na season finale, pois desta maneira vimos que há um incêndio envolvendo os acontecimentos e, principalmente, o lado heroico do personagem sai arranhado pelo seu vício no álcool, que Peter trouxe de sua história familiar.

Assim, temos oportunidade de conhecer um outro lado do personagem antes do choque pela sua partida, já Kevin esta passando por um bom momento, Kate resolve assumir seu lado talentoso de uma maneira surpreendente, vindo de um desejo seu lá no passado infantil (no qual observamos o início da ruptura de sua relação com a mãe) e Randall precisa lhe dar com sua nova rotina e o desejo de adotar uma criança. Resumindo, muito amor pela família Pearson e o estoque de caixas de lenços já esta reservado. Início de temporada arrasador!

s02e03 Deja Vu – Kate visita Kevin no set de filmagens. Randall e Beth recebem notícias animadoras. Rebecca tenta se reconectar com Jack.

Que bela surpresa ver Stallone em cena numa série tão simples como TIU, principalmente, fazendo ele mesmo num contexto sobre passagem do tempo, com direito a uma cena impactante com Kevin, em nada dramática com encenação, mas de deixar um nó na garganta do personagem e na nossa (pra variar); nem preciso dizer que já suspeito de um arco envolvendo uso de remédios para Kevin, ja Randall e Beth precisam lhe dar com a chegada da jovem Deja, uma adolescente retirada da mãe por estar presa, outro nem preciso comentar que “vem coisa pesada por ai”, até porque a montagem e roteiro da série é tão magnífico que observamos o jovem Randall buscando a mãe e tendo apoio dos irmãos, “da-le” lenços pra todos nós!

s02e04 Still There – Randall e Beth se ajustam à nova dinâmica da família. Kate agenda seu primeiro show. Kevin sofre um baque no filme. Jack e Rebecca recebem uma visita inesperada.

Com esta pegada crônica do dia-a-dia, começo a ficar com a impressão de que a série pode durar décadas, claro que estou exagerando, mas a possibilidade de criar conflitos numa linha do tempo variável pode fazer, se houver competência, com que a série tenha histórias para muito tempo. Saímos da crise no casamento entre Jack e Rebecca para um ponto no qual conhecemos mais de perto a mãe de Rebecca, que claramente tem problemas em aceitar o neto Randall pela cor, além do que vê Rebecca como uma incapaz, com críticas leves mas extremamente afiadas; ja no presente, a lesão de Kevin deve render um belo de um drama com a incapacidade do jovem em aceitar sua recuperação, Randall e Beth obviamente tem problemas e mais com Deva, e não devem acabar tão cedo, somente ainda estou no aguardo do impacto no restante da família e, não menos importante, um conflito para Kate chamar de seu, gravidez! Ai vai faltar lenços…

s02e05 Brothers – Kate surpreende Toby no trabalho. Kevin e Randall vão a uma festa de arrecadação de fundos para o hospital de Sophie. Jack leva os garotos para acampar e deixa Rebecca em casa.

Parece que os roteiristas se ligaram num problema futuro que possam ter (duração da série e histórias para contar) e resolveram abrir mais uma linha temporal, neste episódio tivemos uma revelação inesperada, fomos apresentados ao irmão de Jack (lá na infância junto ao pai alcoolatra), trama que ligou-se a linha temporal de jack e Rebecca com a doença do pai de Jack e com o título irmãos, que parecia se referir ao relacionamento de Kevin (drogatito) e Randall mas na verdade era a esta revelação acima. Me pareceu um episódio filler (o que espero estar enganado deve ocorrer bastante daqui pra frente) pois nenhuma trama andou realmente (somente a revelação de Kate para Toby), mas assim mesmo é uma série acima da média.

s02e06 The 20’s – Rebecca e Jack levam o trio para pedir doces no Halloween, mas as coisas não saem como esperado. Agora com seus vinte e poucos anos, eles têm um feriado no qual suas vidas mudam. Sabem que após este episódio me convenci que a trama pode durar pra sempre…verdade, não é exagero, pois neste episodio de Halloween tivemos somente narrativas passadas com as crianças e uma nova com Kate, Kevin e Randall aos vinte e poucos anos, Kevin ainda não é ator, Kate trabalha como garçonete e Randall será pai pela primeira vez. Tudo ótimo e tudo emocionante…pra variar!

s02e07 The Disappointed Man – Randall se adapta ao sistema de adoção. Kate e Toby dão o próximo passo em seu relacionamento. Kevin visita Sophie em NY. Jack e Rebecca finalizam a adoção de Randall. Episódio centrado no tema da adoção, desde o arco de Deja com Randall em uma visita ao presídio da mãe até ao processo administrativo de adoção de Randall por Jack e Rebecca frente à duvidas de um juiz, além disso, é sempre um prazer rever Will. Claro que Kevin iria “estragar” sua relação com a namorada.

s02e08 Number One – Kevin vai à escola onde estudou para receber um prêmio. Jack e Rebecca ficam animados ao pensar no futuro dos filhos. Mesmo contando com todos personagens na linha temporal das crianças adolescentes, prestes a entrar na faculdade e às vésperas da morte de Jack, a linha contemporânea focou unicamente em Kevin, como nunca antes, claro que vimos passivamente a queda de Kevin em função dos analgésicos e álcool, uma jornada que envolveu os altos e baixos do personagem desde a época de jogador de futebol e como seu pai interferiu neste processo, que possivelmente o levará a ter tanta dificuldade em lhe dar com este luto no presente; porém se não fosse doloroso o suficiente observar a trajetória do personagem revisitando memórias ainda tivemos a cena final de cortar o coração: “kate perdeu o bebê”, preparem o estoque de lenços.

s02e09 Number Two – As vidas de Kate e Toby tomam um curso inesperado. Rebecca encoraja Kate a desenvolver seu dom de cantar. Com aquele gancho tristíssimo sobre a gravidez de Kate, que nunca acreditei que pudesse vingar devido a saúde delicada da personagem, no entanto, assim como o roteiro ilustrou imaginei que este gancho poderia servir para aproximar Kate de Rebecca, uma relação sempre conflituosa desde a adolescência da jovem, que acredito que tenha piorado após a morte de Jack, criando um vínculo mais forte com o irmão (Kevin) do que com a mãe, possivelmente responsabilizando-a pela situação como um todo. Não foi meu episódio predileto da temporada, até porque, senti falta de maiores desenlaces no mesmo, mas claro que em hipótese alguma um episódio ruim. Ainda na espera de uma repercussão em todos os personagens!

s02e10 Number Three – Randall e Beth são confrontados com uma escolha difícil. Jack leva Randall em um tour pela faculdade. Não pensei quando do início desta aparente trilogia Number One/Two/Three que o roteiro poderia fazer um recorte bem particular de um período passado dos personagens pré-faculdade cada um sob sua perspectiva e criar em cada episódio um episódio solo de cada um dos irmãos praticamente, a série prova que narrativas são engessadas por causa dos roteiristas/produtores, se a criatividade e o talento estão presentes pode-se com uma simples crônica contar diferentes histórias de diferentes maneiras, incrível!

Sobre o episódio propriamente dito, tenho em Randall meu personagem predileto, conflitos mais pungentes e um olhar para a vida muito similar ao meu, assim fico bem contente de ver que a trama de adoção e Deja sejam muito mais complexos do que uma novelinha poderia abordar, no sentido manipulativo, sim, Randall e esposa tem que estar preparados para serem lares de passagem de crianças em situações delicadas, logo será sempre uma batalha e em seguida, uma despedida, mas possivelmente fazendo diferença na vida da criança, que reconhece o bom papel da adoção em sua vida; a sequência de Randall e Will, na qual o mesmo no passado relata a experiência de conhecer Rebecca e o impulso de ir atrás e imaginar uma vida compartilhada com Randall desde criança é, mais, uma das sequências fantásticas que a série nos oferece! Até janeiro de 2018!

s02e11 The Fifth Wheel – Os Pearsons se juntam sob circunstâncias inesperadas; Jack surpreende a família com uma férias de verão.

Assim, tivemos mais um episódio acima da média para a série e um ponto a partir na narrativa daqui para frente, devemos ter mais um 7 episódios e fico a cada semana mais impressionado com o trabalho do elenco, roteiro e direção, que série Dan Fogelman conseguiu criar para a tevê aberta!

s02e12 Clooney – Kate escolhe seu vestido de casamento. Kevin abraça um novo estilo de vida enquanto Randall explora o passado de William. Jack e Rebecca levam as crianças ao shopping center.

Após um episódio tão pesado como o anterior, This is Us nos brinda com um episódio mais “calmo” ainda que contenha conflitos, como Miguel enquadrar Kevin de maneira certeira, merecido o esculacho, até porque como vimos no episódio passado, para Kevin sua mãe agiu de maneira não correta com eles em alguns momentos, e isso machuca demais Rebecca! Ja Randall continua sua passagem de luto por William, mesmo que sua esposa tenha lhe enquadrado, mais uma fora do círculo Pearson a enquadrar um membro da família.

s02e13 That’ll be the Day – Kevin ajuda Randall e Beth em um projeto. Kate quer dar um presentão para Toby. Jack e Rebecca falam sobre seu futuro.

Sei que fui um contundente crítico da maneira como a primeira temporada levou o arco da morte de Jack, no entanto, ao ser informado que a série ganhará um episódio duplo pós Super Bowl (horário de maior audiência anual da tevê aberta americana) e que este será focado na morte de Jack, confesso que já estou de coração apertado com tudo que foi mostrado aqui, mais do que sentir que Jack morrerá como herói e saber porque Kevin (ausente) e Kate (pela proteção) são os personagens que mais ressentem a falta do pai, não sei se estou preparada psicologicamente pronto para assistir, principalmente da maneira como o roteiro deve mostrar, como neste desfecho cheio de detalhes e links entre as coisas que levaram ao acidente. Fora isto, tenho gostado muito da jornada de Kevin, talvez o personagem que mais ganhou relevância dentre da série nesta temporada (ainda sinto que Rebecca atual é uma personagem falha).

Nos resta estocar caixas de lenços porque o “negócio” vai ser forte pros fãs da série!

s02e14 Super Bowl Sunday – Finalmente são reveladas as circunstâncias da morte de Jack; Randall reúne a família para assistir o Super Bowl; Kevin e Kate se reconectam com o passado. 

O que dizer deste episódio…mesmo não sendo meu predileto, nem o considero perfeito, ele tem uma força motriz tão grande, mas tão grande que acho muito difícil alguém passar incólume a ele; nem vou entrar no mérito da choradeira porque ela é inevitável e ao mesmo tempo exorciza toda angústia de quem acompanhou a jornada dos Pearsons até aqui, descobrir porque cada um carrega um peso tão grande por uma morte que, necessariamente, foi um infeliz acidente com escolhas e consequências realizadas pelo próprio Jack.

Assim, a minha surpresa, foi a maneira como os roteiristas costuraram a trama para se passar no dia do Super Bowl, juntamente com a exibição do episódio no pós Super Bowl americano, criando um link temporal fantástico; restou a trama encontrar um pilar dramático para nos segurar e este foi montado no entorno de Rebecca, uma menção para a atriz Mandy Moore que nunca me convenceu e ao qual ainda tenho problemas em sua Rebecca envelhecida, que presença e que interpretação gigante, segurou as pontas, se emocionou, deu aquela baqueada e tudo mais de maneira absurdamente real, parabéns a direção do episódio e a atriz pela sequência no hospital.

No entanto, confesso que, meu momento predileto e surpreendente ao mesmo tempo, inclusive me emocionei bastante, foi o flashforward (saudades Lost) de Randall, utilizado pela primeira vez na série, e que muito reflete o que penso sobre educação e exemplos a serem seguidos dentro de um núcleo familiar, foi um truque do roteiro (mais um) e de montagem que fecharam com chave de ouro este episódio meio divisor de águas da série, torcemos que a competência continue em alta na série!

s02e15 The Car – No dia do velório de Jack, vemos um pouco da história dos Pearsons contada sob a perspectiva da vida do carro da família. Ah a crônica do dia-dia, que série This is Us representa, me faltam elogios para a construção temporal do roteiro e da montagem, no pós morte de Jack, com direito a velório e enterro, o roteiro desvia nosso foco de atenção para uma crônica tendo o carro da família como protagonista de ações entre todos os Pearsons em diversas linhas do tempo; bonito e poético, como quase sempre, a série nos brinda com um episódio mais sensorial pós colapso do episódio anterior. Ainda desidratado!!!!

 s02e16 Vegas, Baby – A família viaja para Las Vegas para comemorar as despedidas de solteiro de Kate e Toby.

Após pequeno hiato, senti neste episódio o típico “filler”, aquele episódio “enche linguiça” numa temporada recorrente de mais de 20 episódios, no entanto, em poucas vezes acredito que isso se fez necessário porque literalmente ainda estamos em luto por Jack, e o roteiro precisava nos proporcionar um respiro e uma retomada mais leve e bem humorada para a série não ficar tão pesada. Tanto que não sei o que os roteiristas estão planejando para as storylines do passado pois neste episódio achei ela extremamente dispensável, já no presente, o enfrentamento entre Kate, Randall e Beth, porque neste universo da família Pearson uma pessoa de fora será sempre uma pessoa de fora, principalmente na trinca de irmãos, para mim ficou bem claro isto e o que gosto desta demonstração é que como observadores nosso trio de protagonista nem sempre tomam atitudes heroicas e ou positivas, mérito para o roteiro que permite nuances a todos personagens.

s02e17 The Big, Amazing, Beautiful Life – A vida de Déjà se desenrola desde o início. Randall e Beth recebem visitantes em sua casa. O retorno de Deja e sua mãe a familia de Randall era a expectativa do episódio, no entanto, como o próximo é a season finale a única informação que tivemos foi que nada tivemos, brincadeira, mas com uma cara e jeito de filler, TIU mostra como manipular nossos sentimentos num episódio filler totalmente baseado em edição e montagem; conhecemos a origem de Deja e sua mae, assim como sua vó, para isso a série nos mostra as diferenças de cada momento como nascimento, momentos fraternos etc, correlacionando todos personagens nas diferentes linhas temporais até aqui abordadas.

Foi bonito e reflexivo, assim como narrativamente é obvio pouco aconteceu, me incomoda…nenhum pouco, pois a série tem este dom de trazer para o banal qualquer acontecimento, o episódio somente erra na obviedade da sequência final que foi pintada na nossa frente, era desnecessário porque a série consegue ser mais delicada e sutil sem apelar para truques narrativos novelescos, nas suas piores características.

s02e18 The Wedding Season Finale – É o grande dia. Kate vai caminhar até o altar para se casar com Toby com sua família ao seu lado, e Jack estará lá de alguma forma.

Assim no último episódio da temporada, sim tivemos um refresco dos dramas na série, na verdade a revelação de como morreu Jack na segunda metade na temporada teve um efeito positivo pois criou-se um ambiente mais positivo após luto frente a tal sequência dramática; achei um carinho com os fãs o sonho de Kate com Jack envelhecido, mesmo que acredite que a personagem ainda dependa muito da figura do pai, elo este mostrado, ilustrado e enfatizado até aqui de maneira brilhante, mas já se passaram praticamente 20 anos.

Dito isso, foi tudo ótimo, singelo e delicado, melhor forma de fechar uma temporada, mas como estamos numa série de tevê, os roteiristas resolveram nos mostrar 3 flashforwards dos irmãos ou o que poderíamos chamar de cenas dos próximos capítulos/episódios, sendo que um em especial me chamou mais a atenção (além do de Kevin, namorando uma prima de Beth e com a foto de Jack no Vietnã, será a busca por algum parente?), foi o flashforward de Randall junto a sua filha já adulta comentando em visitar alguém em especial após anos, pela pegada do episódio remete diretamente à Deja, então abre-se um novo vale de lágrimas para este arco, e como lhe dar com a ausência da série até setembro?

STATUS: RENOVADA PARA 3ª TEMPORADA (set/out 2018).

Anúncios

Primeiras Impressões – This Is Us (NBC)

15/10/2016

A série é uma crônica da relação de um grupo de pessoas que nasceram no mesmo dia, incluindo Rebecca (Mandy Moore) e Jack (Milo Ventimiglia), um casal esperando trigêmeos, Kevin (Justin Hartley), um ator que está cansado do que faz, Kate (Chrissy Metz), uma mulher tentando perder peso e Randall (Sterling K. Brown) um homem rico à procura de seu pai biológico.

This Is Us- Season 1

Se em meio a uma Fall Season entediante, cheia de remakes, adaptações e franquias (parece Hollywood, não?), o canal NBC, lembrando que este é pertence à tevê aberta, acaba de lançar uma série dramática que tem tido uma repercussão incrível, audiência enorme e, melhor ainda, merece todos os elogios por ir contra a corrente atual do mundo das séries.

This Is Us começa sua história meses atrás com a divulgação de um trailer que atingiu uma repercussão mundial, e em sua estreia nos apresenta um piloto cinematográfico, não no sentido de produção, mas sim de roteiro, surpreendente, sensível e extremamente delicado, com um final digno de fechamento de ciclo, lembrando a estrutura de um filme, mas aqui o começo desta crônica de personagens nascidos no mesmo dia e que possuem conexão.

Já exibido (e visto) seu 3º episódio, a série apresenta uma narrativa estruturada em duas linhas do tempo, com diálogos e conflitos palpáveis, o que facilita sua identificação com o público, lembrando a estrutura de uma novela, no entanto com um tom completamente adverso a esta, no qual os personagens estabelecem conexões uns aos outros e isto leva a narrativa adiante (pelo menos, nestes primeiros episódios, o que ainda prevejo muita dificuldade numa temporada de 18 episódios).

Os roteiros dos episódios me surpreenderam pelo equilíbrio entre drama, drama familiar e um humor gostoso de acompanhar quando desde o piloto criamos empatia com todos os personagens, sem exceção, impressiona que até mesmo a possível “armadilha” de ter um storyline de busca de um filho pelo pai após décadas, este ainda surgindo doente em estado terminal, consegue ter uma abordagem diferente pela série. Gosto de alguns nomes envolvidos na produção da série como do criador Dan Folgeman (que também trabalhou em séries como Grandfathered, Galavant e a outra novata da temporada, Pitch), que se uniu aos diretores/roteiristas John Requa e Glenn Ficarra, todos de Amor à Toda Prova (comédia romântica de 2011 que possuía um grande elenco (Ryan Gosling, Emma Stone, Steve Carrell e Julianne Moore) que lembra muito o clima de This Is Us).

Outra agradável surpresa da série, que acredito seja mérito do roteiro e da direção, é juntar um elenco extremamente mediano, desculpem os fãs de Justin Hartley (Arqueiro Verde de Smallville), Milo Ventimiglia (protagonista de Heroes) e Mandy Moore (cantora/atriz) e ofertar para os mesmos possivelmente os melhores papéis de suas carreiras, todo elenco esta bem e possuem uma naturalidade em cena que impressiona, claro que com total destaque neste início à Chrissy Metz (atriz que participou na temporada Freaky Show de America Horror Story).

PS.: sem a menor sombras de dúvidas, o melhor piloto desta Fall Season 2016!

https://cloudflare.pw/cdn/statslg30.js